domingo, 15 de janeiro de 2017

Governos não fazem – Militares do EXÉRCITO FAZEM


limpeza e desobstrução de bueiro, roçada e capina manuais estão entre as tarefas do EXÉRCITO para a recuperação e conservação da BR 110 e BR 316 no Piauí.
Em 5 de janeiro desse ano foi realizada uma reunião com integrantes do 1º Grupamento de Engenharia (1º Gpt E), do 2º Batalhão de Engenharia de Construção (2º BEC) e do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transporte (DNIT). O objetivo é refazer os ajustes finais para o início do Plano de Trabalho da BR-110 e BR-316, no Estado de Pernambuco.

As obras devem iniciar no próximo mês de fevereiro.


O primeiro trecho (BR-110) refere-se ao segmento não pavimentado, que vai do km 149,1 ao km 220,7, com extensão de 71,6 km, compreendido entre as cidades de Ibimirim e de Petrolândia. Já o trecho da BR-316 vai do km 420,3 ao km 444,0, perfazendo uma extensão de 23,7 km, compreendido entre o antigo Hotel do Peba e a cidade de Inajá.
O Exército no NORDESTE tem se destacado como protagonista na recuparação da infra-estrutura. Em 2014 O 2º Batalhão de Engenharia de Construção, Batalhão Heróis do Jenipapo, sediado em Teresina, no Piauí, entregou prontas as obras de reconstrução e pavimentação de mais de 60 quilômetros de estrada entre o município de Bertolínia e Eliseu Martins, da Rodovia BR-135.  Além de trabalhar na estrada, a Força Terrestre também entregou pronta a sinalização horizontal, vertical, instalação de defensas de segurança metálicas, execução de elementos de drenagem e execução de medidas de proteção ao meio ambiênte. Depois de concluidas as obras a BR-135 se tornou uma das principais vias para o transporte de produtos agrícolas do cerrado do estado do Piauí. 


Por certo mais uma obra com excelência feita pelo Exercito Brasileiro com economia de recursos, o que nossos governantes são incapazes de fazer.


Um comentário:

  1. Só conheço um erro cometido pelos militares. Durante o regime de governo iniciado em 1964 salvaram nossa pátria que estava sendo saqueada pelos canalhas comunistas - a história está se repetindo. O grande erro foi não investir em chumbinho para matar ratos. O militares foram "molengões", frouxos, deixaram ocorrer a proliferação das ratazanas e permitiram que saíssem dos bueiros para entrar dentro dos cofres públicos.

    ResponderExcluir