segunda-feira, 30 de janeiro de 2017

O que pensa um intervencionista


Pensamos que  uma Intervenção é a forma mais eficaz de restabelecimento da ordem política no Brasil, já que os "encastelados" nos Poderes Constituídos, além de não reverem suas posturas, continuam zombando, roubando e arquitetando maneiras de sacrificar ainda mais os eleitores, os trabalhadores, o povo brasileiro.

Mas uma Intervenção, mesmo que aconteça, não pode se perpetuar. Ela deve só restaurar e se retirar do cenário político. Afinal, estamos no século XXI e não em 1964. Lógico, se houver resistência nossas Forças Armadas estarão vigilantes e combativas aos resistentes, usando meios e força proporcional.



Sou Intervencionista há seis anos, tendo ousado em ações diversas na Vila Militar, ECEME e CML no Rio de Janeiro. Mas não posso repulsar a política, sob o risco de ser um pensante em ditadura militar. Intervenção SIM, mas com DEMOCRACIA também.



Política é uma das mais antigas ciências de que se tem notícia, tendo grandes pensadores na antiguidade, 400 anos antes de Cristo. (Sócrates e Platão).



A obra A República tem como tema central a discussão em torno do conceito de justiça e a sociedade ideal, mas também apresenta vários outros temas tais como: as diferentes formas de governo; as virtudes que devem possuir os governantes e que devem existir na cidade, tais como a sabedoria, coragem, temperança e justiça (PLATÃO, 1993, 427e e seguintes).


Há de se pensar muito, até na possibilidade de uma "Intervenção" já estar acontecendo, veja a Lava-Jato. Mas os caminhos do "devido processo legal" é moroso, os recursos intermináveis e a Justiça não se vê concretizar. Com isso, os "encastelados" no Poder tramam maneiras de anular resistências, eles ainda legislam em causa própria, são eles que fazem as leis, são eles que ditam as regras a serem cumpridas pela Justiça. Ai que mora o perigo.

Não duvido que uma Intervenção seja necessária neste momento, mas após a democracia deve voltar com vigilância dos militares para que os novos personagens da política ciência possam governar com maestria.

O Intervencionista deve pensar nesta possibilidade e se preparar para voltar às urnas com escolhas apropriadas ao novo cenário nacional. Não temos partidos declarados de direita conservadora, temos partidos associados na roubalheira.

Embora estejam criticando os "novos" partidos em formação, há de se avaliar os DIFERENTES, os que se colocam em Estatuto como de Direita. São estes que garantirão a nossa, antes frágil democracia, numa forte democracia. Os candidatos avaliados por sua competência, sua história, sua postura. Os personagens de hoje estarão afastados de vez do cenário político e, de preferencia, presos.

Link: LIGA

Temos muta gente capacitada para gerir os destinos do Brasil, os destinos dos Estado, os destinos dos Municípios, mas, eles hoje não querem ver seus nome envolvidos com a política, que virou "sinônimo" de ladroagem.


Sabem o que é "tapa"? É o equipamento que o cavalo usa para não ver mais nada do que o caminho à sua frente, assim os meandros no caminhos não são perceptíveis. É assim que os "intervencionistas" estão se portando com minhas postagens sobre o Partido que fundamos, o LIGA. Mesmo sem adentrarem na postagem e conhecer do que e de quem se trata, comentam denegrindo o que não conhecem. Sinto muito, estamos no século XXI e uma Intervenção como em 64 não vai acontecer! Não com este povo de bananas, povo de sacanagem, povo de boquinhas. Podemos fazer NOSSA Intervenção! E é a isso que me disponho, intervenção na política. Política não pode ser encarada como coisa de bandidos, nós é deixamos os bandidos se apoderarem dela. Política é uma das mais antigas ciências. Intervencionista, tirem os "tapas" de seus olhos!

Nenhum comentário:

Postar um comentário