segunda-feira, 13 de fevereiro de 2017

O que corre pelo whatsapp

Antes de adentrar no texto esclareço que são informes que circulam no whatsapp, não podendo ser apresentado como verdade. Mas é indício suficiente para que o Ministério Público determine a instauração de Inquérito Policial no sentido de colher provas para o devido Processo legal.


A verdade sobre o um certo BPM!
Oficiais do XXº BPM (Região dos lagos) estão comprometidos, eles recebem R$ 60.000,00 mensais da contravenção, jogo do bicho e caça níqueis.
Recebem ainda R$ 30,000.00 da empresa de ônibus Salineira para combater o transporte alternativo.
Os comentário é de que ao alto escalão é repassado R$ 90.000,00 para permanecerem no comando da Unidade e se beneficiar com o verão e seus shows, que contribuem com a liberação do “nada opor”, mesmo que haja impedimento.

Os comandantes de companhia lucram com a venda de policiamento e as viaturas sucateadas só rodam com ajuda de “padrinhos” dos diversos “Pexôtos” da Unidade ou com os “Pexôtos” consertando do próprio bolso.

Nenhuma esposa de oficial foi vista na manifestação de parentes dos policiais militares naquela unidade. Claro que elas não iriam participar, estão bem confortáveis com as “propinas” que rolam na lucrativa área de policiamento.

Tem propina pra todo lado, o pátio de apreensão de veículos cheio gera renda. O informe dá conta que a P/3 recebe de R$ 60,00 a R$ 100,00 por cada veículo apreendido. A comissão do reboque também deve ser contabilizada, gera “comissão”.

Fora a “propina” descrita acima oriunda da contravenção para o comando, mais R$ 100,00 por cada policial da unidade é distribuído, mas eles nunca viram esse dinheiro, abocanham tudo. Em consequência, o policiamento é sempre distante dos pontos de contravenção.

Não tenho como confirmar a veracidade, é informe. Mas todo informe é um indício para que investigações sejam deflagradas com intuito de colher provas que instruam o devido processo.
Eu posso dizer que, quando trabalhando numa unidade operacional do interior vi com meus olhos quando uma viatura da Secretária de Segurança, subordinada ao General Cerqueira, coletou lista de contribuição da contravenção para o comando. Nela constavam valores e quais seções recebiam, sem citar nomes. As “contribuições eram assim descritas: Cmt, SCmt, P/1, P/2, P/3, P/4 e uns trocadinhos pra P/5.


Em outra ocasião, o Ten Cel comandante tinha como seu sub comandante um major que recebia sua “farpela”. O sub comandante foi promovido a Ten Cel e reivindicou que fosse meio a meio, já que ostentava o mesmo posto do comandante. “PHUDEU”!!! O comandante transferiu seu sub comandante pelas costas, sem ele saber e trouxe outro major que se contentasse com a “farpela”.

De certo modo a narrativa explica o porque de estarem nervosos, não querem perder as "boquinhas" nem que a "mina de ouro" caia na boca do povo, seria vergonhoso.
VAMOS RECUPERAR A HONRA DE NOSSOS POLICIAIS MILITARES!

2 comentários: