sábado, 18 de março de 2017

Tudo com aval governamental

Em que nos transformamos? Em comedores de carne podre ao custo de picanha?


Agora foi publico o que se desconfiava, comíamos carne podre e envenenada por preço de picanha. Bem, pelo menos pode ter algo de positivo, o consumo vai cair e junto o preço. Daí continuaremos a comprar carne podre por preço de podre mesmo. Até que o povo da Venezuela não está tão mal assim, eles catam carne podre no lixo para comer.

Por anos foram veiculado nas redes sociais vídeos, fotos e informações sobre a má qualidade dos alimentos que consumimos; além das quantias milionárias para financiar algumas destas empresas que atentam contra a saúde do brasileiro.

Leite com formol, soda cáustica e água oxigenada foi vendido em SP.



Um dia foi o leite com formol, noutro foram os molhos com fungos, agora é a carne estragada. Os prazos de validade das embalagens não são confiáveis e sabe-se lá o que estamos consumindo. Onde estão e o que estão fazendo os serviços de inspeção sanitária? 

Cadê os órgãos de fiscalização? Estão só colocando seus “selinhos” nas embalagens como se fiscalizadas fossem?

Gado envolvido em acidente é abatido sem autorização da Justiça.

          Carne com tumor de câncer vendida nos açougues

Segundo esta reportagem animais foram sacrificados no local de acidente, sendo os animais (mortos e vivos) transportados para o frigorífico.


Falamos em carne “in natura”, mas o fato se agrava quando se fala em embutidos onde a adição de condimentos e química pode disfarçar o conteúdo assassino.


A Operação Carne Fraca, da Polícia Federal, que investiga a venda de produtos sem fiscalização por parte dos principais frigoríficos do país, detectou irregularidades como carne estragada, uso de produtos cancerígenos em doses altas, reembalagem de produtos vencidos, carne contaminada por bactérias e venda de carne imprópria para consumo humano. 

Em uma das conversas interceptadas, um dos donos da Peccin e a mulher discutem o uso de carne de cabeça de porto em linguiças, o que é proibido pela legislação.
Em outra gravação, os sócios do frigorífico discutem como reaproveitar um presunto que, embora podre, "não tem cheiro de azedo", e por isso poderia ainda ser vendido. Em outra, combinam adicionar ácido sórbico a amostras de carne enviadas para análise de qualidade para que elas não sejam reprovadas pela fiscalização.
Alimentar os animais de abate é umas das etapas mais caras do processo, então não estão comendo só a ração com qualidade, produtos podem estar sendo acrescentados para baratear os custos de produção de carnes para consumo humano.

Empresas flagradas na investigação da Polícia Federal possuem dividas com a Previdência, a mesma Previdência que querem fazer uma “reforma” onerando somente o trabalhador. Também “nosso” Ministro da Justiça foi pego em grampo telefônico no caso de carnes adulteradas. 


Não dá mais para dizer “curioso” achar um político envolvido em diversos crimes, eles são o crime que vivenciamos dia a dia de nossa vida.

Nenhum comentário:

Postar um comentário