terça-feira, 14 de março de 2017

Uma secretaria para uma ré da Lava Jato

Pezão cria secretaria e nomeia Solange Almeida, que é ré na Lava Jato e aliada de Cunha.
Pezão e Solange durante inauguração de obras de pavimentação em Rio Bonito

O Governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), criou uma secretaria e nomeou na chefia uma aliada do ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (PMDB), hoje preso. Nesta segunda-feira (13), Solange Almeida (PMDB), que é ré na Operação Lava Jato, se tornou secretária de Apoio à Mulher e ao Idoso no Rio.
Ela é ex-deputada federal e foi prefeita de Rio Bonito (RJ) até o ano passado, quando decidiu não concorrer à reeleição. Quase na mesma época da campanha, o Ministério Público Federal (MPF) apresentou denúncia contra os dois. A peemedebista alega motivos pessoais para ter ficado de fora do pleito.
Cunha foi denunciado sob a acusação de receber US$ 5 milhões para viabilizar a contratação de dois navios-sonda para a Petrobras, cuja fornecedora era a Samsung Heavy Industries Co. A empresa, segundo o MPF, parou de pagar comissões ao operador Júlio Camargo ao fim do contrato e, então, Solange Almeida fez requerimentos na Câmara Federal pedindo investigações sobre Camargo e a Samsung.
A denúncia da Procuradoria Geral da República (PGR) diz que o texto assinado por ela tinha autoria "material e intelectual" de Cunha e foi feito para fazer pressão por novos pagamentos de propina.

'Cabeça erguida' para enfrentar Lava Jato
A nova secretária de Pezão diz estar tranquila para enfrentar o processo na Lava Jato de cabeça erguida. Pós-graduada em políticas públicas, garante que assumiu o desafio porque gosta muito da "parte social".
"O governador sabe de tudo, sabe da minha vida. Quando era prefeito em Piraí, eu era prefeita de Rio Bonito. Ele me conhece. Deve ter pesado tudo isso. Acho muito desagradável [responder ao processo na Lava Jato], mas tenho certeza da minha lisura. Vou responder de cabeça erguida."
Sobre os processos da nova secretária, que também já respondeu por improbidade administrativa, o governador minimizou.
"Não [incomodam as acusações]. Também já passei por isso, estou passando. Tenho certeza que ela vai fazer um grande trabalho", afirma Pezão.

Ao G1, Solange afirmou que não concorreu à prefeitura em 2016 por conta da dificuldade financeira que a cidade viveria, além do fato de ter se tornado avó.
"A crise estava muito grande, imensa. A situação do país estava muito difícil. Seria muita responsabilidade de tocar o município sem saber se vai arrecadar", disse.
Agora secretária, ela reconhece que será necessário usar a criatividade para driblar a falta de recursos.
"Tem que firmar parcerias para que possamos levar os projetos para os municípios e levar bem estar para as pessoas. Tem que conscientizar a população que depende de cada um envelhecer com saúde", conclui.
A nova secretaria foi instituída em substituição a pasta de Dependência Química. Esta será realocada, provavelmente na pasta de Assistência Social, e o governador reuniu seus auxiliares para explicar as novas funções de cada área.

Réu há um ano
A denúncia contra Cunha e Solange foi feita pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, em agosto de 2015. Em março de 2016, o STF decidiu torná-los réus. Enquanto Cunha teve 10 votos a 0, Solange teve 2 votos contrários a abertura da ação: dos ministros Dias Toffoli e Gilmar Mendes. Atualmente, o caso está no Tribunal Regional Federal da 2ª Região.

Não importam as dificuldades financeiras do Estado, o importante é acolher amigos em dificuldades, principalmente com a "Lava Jato". Sabe-se lá o que pode falar?


Nenhum comentário:

Postar um comentário