quinta-feira, 6 de abril de 2017

Banco Mundial alerta para alto índice de pobreza no Brasil

Jornal francês publicou reportagem sobre crise econômica do país.
Em reportagem de página inteira, jornal relata que a crise brutal de 2015 fez a população do país ganhar mais dois milhões de “novos pobres”

O jornal francês Le Monde publicou em sua versão impressa desta terça-feira (4) uma longa reportagem sobre a crise econômica no Brasil, explicando como a recessão acarretou em um enorme aumento do número de pessoas dependentes do Bolsa Família.
O diário afirma em seu texto que a crise brutal de 2015 fez a população do país ganhar mais dois milhões de “novos pobres”. O fato de que 12 milhões de pessoas perderam seus empregos por causa da recessão é apontado como um dos principais fatores dessa precarização da população.
Monde diz que a renda  dos habitantes foi devorada por uma inflação de dois dígitos, aumentando em dois anos mais de 9% e lavando a quase um quarto da população do Brasil a solicitar o Bolsa Família, enquanto aguarda uma possível retomada da economia.

A reportagem avalia o programa de ajuda como um sistema modelo que, segundo o Banco Mundial, tirou 28 milhões de brasileiros da miséria entre 2004 e 2014, mas se tornou uma espécie de termômetro da pobreza. A partir deste ponto, Monde analisa que o aumento do número de beneficiários dá uma ideia do tamanho da tragédia econômica vivida pelo Brasil, que até pouco tempo era a estrela dos países emergentes.

Le Monde destaca que o Banco Mundial alerta para um índice de pobreza que pode chegar a 9,8% da população, ou até 10,3%, se forem ouvidas as projeções mais pessimistas, e pede que o orçamento previsto para o Bolsa Família seja aumentado. 


4 comentários:

  1. Essa gente é muito sem noção: pedir para aumentar o orçamento para o Bolsa Família ao invés de pedir para gerar emprego.

    ResponderExcluir
  2. Gerar emprego sem o mínimo de qualificação e reflexao? Sem conhecimento técnico e poder de crítica. Os dois aspectos são importantes. Agora tentar gerar emprego no modelo em que Temer vem fazendo, dando insegurança ao trabalhador, é se aproveitar da crise para aumentar o cofre dos mais ricos com a precarização e exploração legalmente organizada.Bolsa Família é assistência social e que os outros países, dão outro nome, também o fazem, principalmente na Europa. Nós deveríamos nos perguntar é quem é que lucra com tudo isso, porque em uma crise quem tem muito se dá muito bem.

    ResponderExcluir
  3. Não é só gerar emprego. É muito mais do que isso. É preciso reduzir as desigualdades sociais. afinal, numa crise quem tem muito se dá muito bem.quanto ao Bolsa é assistencialismo e todo país que tem um mínimo de decência o prática aos mais necessitados.

    ResponderExcluir
  4. O poder da dissuasão razão e lógica deste Pais é a,corrupção e impunidade, que imperam em todas os órgãos da já doente sociedade em um todo.

    ResponderExcluir