domingo, 16 de abril de 2017

Que pegue todos!

Para ex-ministra do STJ, Judiciário deve ser escrutinado como os Poderes Executivo e Legislativo

A ministra aposentada do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ex-corregedora nacional de Justiça Eliana Calmon disse, em entrevista à Folha de S.Paulo deste domingo (26), que a Operação Lava Jato "tomou uma posição política" e que atingirá, "numa fase posterior", nomes do Pode Judiciário.
"A Lava Jato tomou uma posição política. Ou seja, pegou o Executivo, o Legislativo e o poder econômico, preservando o Judiciário, para não enfraquecer esse Poder. Entendo que a Lava Jato pegará o Judiciário, mas só numa fase posterior, porque muita coisa virá à tona. Inclusive, essa falta tem levado a muita corrupção mesmo. Tem muita coisa no meio do caminho. Mas por uma questão estratégica, vão deixar para depois", avaliou a ex-ministra.
Calmon defendeu que o Judiciário também seja escrutinado pela operação e criticou a ideia de que não se deve punir o Poder, como ocorre com os outros dois. Segundo ela, essa cultura já existia no tempo em que ela foi corregedora e "as coisas não melhoraram".
"Há aquela ideia de que não se deve punir o Poder Judiciário. Nas entrevistas, Noronha [o atual corregedor nacional, ministro João Otávio de Noronha] está mais preocupado em blindar os juízes. Ele diz que é preciso dar mais autoridade aos juízes, para que se sintam mais seguros. Caminha no sentido bem diferente do que caminharam os demais corregedores", afirmou.
A lista de mais de 300 políticos e 20 partidos que está com a Lava Jato poderia atingir não apenas quase toda a política brasileira, mas também setores do Judiciário, da diplomacia, dos militares e do Ministério Público.




Um comentário:

  1. Concordo plenamente com a magistrada. Os militares têm que limpar sua casa antes de começar a limpeza no Brasil.

    ResponderExcluir