quinta-feira, 22 de junho de 2017

Na Alemanha já não suportam mais os muçulmanos.

Texto de uma médica tcheca.Ela é anestesiologista e trabalha num hospital de Munique. Vejam o que está acontecendo no atual ambiente multicultural da Alemanha, segundo o que ela relata.


"Ontem tivemos uma reunião sobre como a situação aqui e em outros hospitais de Munique ficou insustentável. As clínicas não conseguem lidar com emergências e assim começam a enviar tudo para os hospitais.
Muitos muçulmanos estão recusando ser tratados por funcionários do sexo feminino e, nós, as mulheres, estamos nos recusando a trabalhar entre africanos especialmente. As relações entre a equipe e os migrantes está indo de mal a pior. Desde o último fim de semana, migrantes que vão a hospitais têm que ser acompanhados por policiais.

Muitos migrantes têm AIDS, sífilis, tuberculose aberta e muitas doenças exóticas que, aqui na Europa, nem sabemos como tratar. Se recebem uma receita, aprendem na farmácia que têm que pagar em dinheiro. Isto leva à explosão de insultos inacreditáveis, especialmente quando se trata de remédios para crianças. Eles abandonam as crianças com o pessoal da farmácia e dizem: Então, curem-nas vocês! Portanto, a polícia não tem que proteger apenas clínicas e hospitais, mas também grandes farmácias.
Só podemos perguntar: Onde estão todos aqueles que, nas estações de trem e na frente das câmeras de TV, mostram cartazes de boas-vindas?Sim, por enquanto as fronteiras foram fechadas, mas um milhão deles já estão aqui e, definitivamente, não seremos capazes de nos livrar deles.Até agora, o número de desempregados, na Alemanha, era de 2,2 milhões. Agora vai ser 3,5 milhões. A maioria destas pessoas é completamente não empregável. Um mínimo deles tem alguma educação.

E mais: suas mulheres não fazem coisa alguma. Estimo que uma em dez está grávida. Centenas de milhares trouxeram consigo lactentes e crianças menores de seis anos desnutridas e negligenciadas. Se isto continuar, e a Alemanha reabrir suas fronteiras, eu voltarei para casa, na República Tcheca. Ninguém vai poder me segurar aqui, nem com o dobro do salário. Eu vim para a Alemanha e não para África ou Oriente Médio.
Mesmo o professor que dirige o nosso departamento falou da tristeza em ver a mulher da limpeza fazendo seu serviço, há anos por 800 Euros, e depois encontrar homens jovens estendendo a mão, querendo tudo de graça e, quando não conseguem, se alteram.

Eu realmente não preciso disso! Mas estou com medo de, se voltar, encontrar o mesmo na República Tcheca. Se os alemães, com os seus recursos, não conseguem lidar com isto, lá seria o caos total. Ninguém que não tenha tido contato com eles pode ter uma ideia de que espécie s que são, especialmente os da África, e como os muçulmanos agem com soberba religiosa sobre a nossa equipe.
Por ora, nosso pessoal ainda não foi reduzido, em consequência das doenças trazidas para cá, mas, com centenas de pacientes todos os dias, isso é apenas uma questão de tempo.

Num hospital perto do Rheno, os migrantes atacaram a equipe a facadas, depois de trazerem um recém-nascido de 8 meses, que estava à beira da morte, arrastado através de meia Europa, durante três meses. A criança morreu, depois de de dois dias, apesar de ter recebido os melhores cuidados, numa das melhores clínicas pediátricas da Alemanha. O médico teve que passar por cirurgia e duas enfermeiras foram para a UTI. Ninguém foi punido. A imprensa local é proibida de noticiar. Nós ficamos sabendo por e-mail.
O que teria acontecido a um alemão, se ele tivesse esfaqueado um médico e duas enfermeiras? Ou se ele tivesse jogado sua própria urina, infectada por sífilis, no rosto da enfermeira e a ameaçado de contaminação? No mínimo, iria ser preso imediatamente e depois processado. Com esse povo, até agora, nada aconteceu.

Então, pergunto: onde estão todos aqueles que saudaram sua vinda e os recepcionaram, nas estações ferroviárias? Sentados, bonitos em casa, curtindo suas organizações não lucrativas, aguardando ansiosamente os próximos trens e o próximo lote de dinheiro em pagamento dos seus préstimos como recepcionistas???!!!
Se fosse por mim, eu arrebanharia todos esses recepcionistas e os traria primeiro aqui, para a ala de emergência do hospital, para agirem como atendentes, depois para um alojamento de migrantes, para que possam cuidar deles lá mesmo, sem policiais armados, sem cães policiais, que hoje podem ser encontrados em todos os hospitais da Baviera, e sem ajuda médica."

Eis o teor do desabafo desta profissional, que nos pode dar uma ideia do que está sendo preparado, como futuro, através da multiculturação, que está sendo impingida aos povos do Velho Continente, principalmente à Alemanha.
Uma coisa é a solidariedade, e outra é a ingenuidade...

Texto retirado da Internet

video
No Brasil, brasileiros esperam anos por licença e são preteridos por muçulmanos recém chegados. No Rio de Janeiro, nossos compatriotas ficam sujeitos a terem suas mercadorias apreendidas pela fiscalização enquanto os "imigrantes" obtém fácil e rapidamente.



A grande maquiagem se desfez.

A enchente, a corrupção, a falta de escolas e de professores, a falta de hospitais, a insegurança... nada acabou. 

O antigo prefeito fez tudo para maquiar o Rio de Janeiro, fez tudo para a cidade virar páginas do mundo inteiro. Hoje, mora em Nova York e é CEO de empresa chinesa com ligações estreitas com a venda de equipamentos e vagões para o metrô do Rio.
E hoje, o Rio que ele deixou volta a ganhar destaque quando a região mais rica da cidade submerge com uma chuva de dez horas.

O Rio do museu de bilhões de reais, do VLT de alto custo e benefícios sociais e financeiros sem resultado, e ainda com uma dívida de R$ 900 milhões, vê seu comércio falido e engolido pela inundação, por obras desnecessárias em suas ruas, como se essa água pudesse apagar o incêndio de suas contas atrasadas que levam à falência.
A região mais rica da cidade paga pela omissão de um prefeito que se preocupou em empreender bilhões de reais numa região onde se mata por um celular: a Zona Portuária, cercada por comunidades assoladas pela crise e pela destruição causadas por esses administradores nesses últimos anos. Administradores que fizeram com que os mais pobres e sofridos, na luta pela sobrevivência, não tenham sequer o direito - pela raiva do que veem na corrupção e na anomia - de respeitar as leis. Ainda mais quando estes mais pobres percebem que os "fazedores" das leis são também os fabricantes de suas desgraças, quando roubam e malversam o dinheiro público.
Ontem e hoje, o Rio de Janeiro é o retrato do que fizeram estes homens. Em compensação, pode ser também uma primeira paga para aqueles que vivem nessa região, onde esses quadrilheiros foram tão bem votados. 
Bombeiros auxiliam a retirada de pedestres que ficaram ilhados durante o temporal no Jardim Botânico 

Se a sofridão fosse só desses homens, tudo bem. Mas não é. É dos pobres trabalhadores, que voltam para as suas quatro horas diárias de transporte para casa, para poderem dormir quem sabe outras quatro horas, e depois gastar mais quatro horas para chegar aos seus locais de trabalho sacrificante e desgastante, onde ganham seus salários mínimos e adiam um pouco mais suas mortes de fome.

quarta-feira, 21 de junho de 2017

Um General testemunha na defesa de Lula?

General promovido por Lula é testemunha do petista em processo da Lava Jato.

General de Divisão Expedito Alves de Lima à direita

Expedito Alves de Lima vai depor na ação penal que trata da compra de terreno pela Odebrecht, destinado ao Instituto Lula.


O general Expedito Alves de Lima presta depoimento na manhã desta terça-feira (20) à Justiça Federal do Paraná, no âmbito da Operação Lava Jato. Ele é testemunha do ex-presidente Lula, no processo que envolve a compra, pela Odebrecht, de um terreno em São Paulo para a construção do Instituto Lula. Lima serviu no Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República como diretor do Departamento de Gestão entre 2007 e 2010, até ser promovido a general pelo petista. Atualmente, ocupa o posto de general de divisão, um dos mais altos do comando do Exército. O militar se orgulha de seu passado humilde na seca da Paraíba. Ele foi admitido como engraxate em uma unidade militar no Rio de Janeiro quando tinha apenas 10 anos de idade. Lima costuma comparar sua trajetória à do ex-presidente, também de origem nordestina e que conseguiu chegar ao mais alto cargo público do país.

Considerando a possibilidade de uma eleição direta, considerando a possibilidade de afastamento do General Villas Bôas por problemas de saúde e a possibilidade de Lula voltar à Presidência, é muito oportuno esse “favorzinho” que lhe será prestado. O "favorzinho", caso Lula volte, pode lhe render mais uma promoção e o Comando da força Terrestre. Mas corre o risco de ser preso por mentir na Justiça, já que as provas contra Lula são incontestáveis.

O SOCIALISMO BRASILEIRO


O socialismo em tese deveria, pelo próprio nome, estar profundamente vinculado ao bem estar social e buscar, através do crescimento político dos trabalhadores, a diminuição das desigualdades entre classes sociais. Contudo, OBVIAMENTE ISSO NÃO TEM NADA COM O BRASIL DE HOJE.
A “democracia” brasileira hoje tem mais de 14 milhões de desempregados, uma concentração de renda bem razoável,   nível educacional baixo e uma crise na rede hospitalar pública. Fica bonito nos partidos políticos o S de social ou T de trabalhista mas a realidade da nossa democracia é que ela dá um banho de crueldade e alienação do povo quanto a riqueza da nação.
O chavão da esquerda fundamentada em parcela das idéias de Karl Marx de que a Burguesia explora o proletariado- Os ricos capitalistas exploram o povo. Eu não me sinto explorado pelos capitalistas pois é o liberalismo que gera empregos e empregados consomem sapatos, frutas, casas , carros, viagens, celulares, educação etc. Não me importa se um ser humano tenha um grande negócio  seja rico. É um princípio acumulativo. O maior fracasso é do socialismo brasileiro que gera uma carga tributária de quase 50 por cento e, de fato ,aliena o povo de seus direitos básicos- saúde,  habitação,  educação,  trabalho e segurança. 
E nós não vemos grandes perspectivas de mudar em 2018. Temos que apoiar a Justiça Federal, a PF, a Procuradoria e outros através das mídias pois a corrupção e seus corruptores são os piores criminosos. Quando desviam verbas de hospitais se igualam a assassinos hediondos pois certamente pessoas morreram e morrerão por falta de cuidados, quando desviam verbas de estradas outros morrem de acidentes, outros perdem empregos e safras por não poderem escoar , quando desviam dinheiro do ensino tomam o futuro das crianças e a qualidade de vida dos professores.
Devemos não votar mais nestes corruptos, seus amigos e indicados pois sem foro privilegiado caem fácil nas malhas da justiça,  principalmente Federal.
Outra coisa, para finalizar desejo que os corruptos sejam julgados  como criminosos comuns, pois muitos deles poderão voltar, como já voltaram, não todos, como perseguidos políticos que lutaram pela democracia e pelo povo. A maior desgraça de um país é a não punição da corrupção somado ao fim da meritocracia. A não punição da corrupção é um vírus que faz com que mais e mais pessoas fundamentem suas ações em idéias e valores distorcidos. Desejo escola, hospitais e nosso imposto sendo fonte de financiamento de empresas honestas que querem crescer empregando. Enfim, fiquemos atentos, pois as gerações futuras merecem a qualidade de vida que não temos hoje.



O Mapa da corrupção no Brasil.

Se você analisa as delações da JBS, as da Odebrecht e as das demais empreiteiras, a conclusão é mais ou menos a seguinte:
O Brasil foi dividido entre cinco grandes quadrilhas nas últimas duas décadas.


A maior e mais perigosa, diferentemente do que diz o Joesley, era a do PT. Era a mais estruturada, mais agressiva, mais eficiente e com planos de perpetuação no poder. Comandava a Petrobras, vários fundos de pensão e dividia o poder com as quadrilhas do PMDB nos bancos públicos. Sua maior aliada econômica foi a Odebrecht. O chefão supremo era o Lula. Palocci e Mantega, os operadores econômicos. Era o Comando Vermelho da política: pra se manter na presidência eram capazes de fazer o Diabo.

A segunda maior era a do PMDB da Câmara. Seus principais chefões eram Temer e Eduardo Cunha. Eliseu Padilha, Geddel Vieira Lima, Moreira Franco e Henrique Eduardo Alves eram os subchefes. Lúcio Funaro era o operador financeiro. Mandava no FI-FGTS, em diretorias da Caixa Econômica, em fundos de pensão e no ministério da Agricultura. Por causa do controle desse último órgão, tinha tanta influência na JBS. Era o ADA dos políticos - ou seja, mais entranhada nos esquemas do poder tradicional e mais disposta a acordos e partilhas.

A terceira era o PMDB do Senado. Seu chefão era Renan Calheiros. Seu guru e presidente honorário, José Sarney. Edison Lobão, Jader Barbalho e Eunício Oliveira eram outras figuras de proa. Mandava nas empresas da área de energia e tinha influência nos fundos de pensão e empreiteiras que atuavam no setor. Vivia às turras com a quadrilha do PMDB na Câmara, que era maior e mais organizada.

A quarta era o PSDB paulista, cuja figura de maior expressão era o Serra. Tinha grande independência das quadrilhas de PT e PMDB porque o governo de São Paulo era terreno fértil em licitações e obras. A empresa mais próxima do grupo era a Andrade Gutierrez, mas também foi financiada por esquemas com Alstom e Odebrecht.

A quinta e última era o PSDB de Minas -- ou, para ser mas preciso, o PSDB do Aécio. Era uma quadrilha paroquial, com raio de ação mais restrito, mas ainda assim mandava em Furnas e usava a Cemig como operadora de esquemas nacionais, como o consórcio da hidrelétrica do Rio Madeira.

Em torno dessas "big five" flutuavam bandos menores, mas nem por isso menos agressivos em sua rapinagem -- como o PR, que dava as cartas no setor de Transportes, o PSD do Kassab, que influenciava ministérios poderosos como o das Cidades, o PP, que compartilhava a Petrobras com o PT, e o consórcio PRB-Igreja Universal, que tinha interesses na área de Esportes.

Havia também os bandos estritamente regionais, que atuavam com maior ou menor grau de independência em relação aos nacionais. O PMDB do Rio e seu inacreditável comandante Sérgio Cabral, por exemplo, chegaram a ser mais poderosos que os grupos nacionais. Fernando Pimentel comandava uma subquadrilha petista em Minas. O PT baiano também tinha voo próprio. Elas se diferenciam das quadrilhas tucanas que estavam apenas circunstancialmente restritas aos territórios que comandavam -- mas sempre tiveram aspirações e influência nacionais.

Por fim, vinham parlamentares e outros políticos do Centrão, que eram negociados de maneira transacional no varejo: uma emenda aqui, um caixa 2 ali, uma secretaria acolá...

Digo tudo isso não para reduzir a importância do PT e o protagonismo do Lula nos crimes que foram cometidos contra o Brasil. Lula tem de ser preso e o PT tem que ser reduzido ao tamanho de um PSTU.
Mas ninguém pode dizer que é contra a corrupção se tolerar as quadrilhas do PMDB ou do PSDB em nome da "estabilidade", "das reformas" ou de qualquer outra tábua de salvação que esses bandidos jogam para si mesmos.


E que ninguém superestime as rivalidades existentes entre esses cinco grandes grupos. Em nome da própria sobrevivência eles são capazes de qualquer tipo de acordo ou acomodação e farão de tudo para obstruir a Lava Jato.

Por Paulo Chagas, General Exercito Brasileiro

terça-feira, 20 de junho de 2017

Aprendendo com o passado.

Marco Túlio Cícero e as lições para se conduzir um país.

Marco Túlio Cícero foi um advogado, político, escritor, orador e filósofo da República Romana eleito cônsul no ano de 63 a.C. Ele produziu uma série de textos sobre como conduzir um país, com dicas a respeito de leis, poder, liderança, amigos e inimigos, persuasão, compromisso, dinheiro, imigração, guerra, corrupção e tirania. 
Lei natural                             
No capítulo sobre "Lei Natural", Cicero oferece uma discussão sistemática sobre a teoria política. Para Cicero, "a verdadeira lei é a reta razão em harmonia com a natureza. Ela se aplica para todos em todos os lugares e tempos, para os quais é imutável e perpétua. Ela comanda cada um de nós para realizarmos nossos deveres e impedir-nos de fazer o que é errado. Isto comanda e proíbe as pessoas boas e prudentes, mas aqueles que são fracos também darão ouvidos a isto. Não é certo tentar alter esta lei. Nós não conseguimos rescindir de qualquer parte dela. Nenhum senado ou assembleia de pessoas pode nos libertar de suas obrigações. Nós não precisamos de ninguém para interpretá-la para nós."

"Não há nada como esta lei verdadeira em Roma ou outra em Atenas. Não há mudança de tal lei ao longo do tempo. Isto se aplica a todas as pessoas em todos os lugares - passado, presente e futuro", continua Cicero. "Há um mestre e legislador divino acima de todos nós que é o criador, juiz e o responsável por esta lei. Aqueles que o desobedecem estão fugindo de si mesmos e rejeitando sua própria humanidade. Mesmo se eles escampam do julgamento humano pelos seus erros, eles  vão pagar um preço terrível no final", conclui Cicero. 
No texto "Das Leis", Cicero inventa um diálogo entre ele mesmo, seu irmão e o melhor amigo, Atticus, para apresentar sua ideia de governo ideal. 
"Você compreende, é claro, que o trabalho de um líder é governar e determinar comandos justos, vantajosos para o país, e em conformidade com a lei. As leis de um estado regem um líder da mesma forma que ele rege a população. De fato, nós poderíamos dizer que um líder é a voz da lei e a que lei é um líder silencioso", aponta Cicero. 
"A norma de um governo deveria estar em harmonia com a justiça e os princípios fundamentais da natureza. o que por isto eu quero indicar que isto está em acordo com a lei. Sem tal governo, nenhuma casa ou cidade ou país nem mesmo a raça humana, o mundo natural ou o próprio universo poderiam existir. Pois o universo obedece a Deus da mesma forma que mar e terra obedecem ao universo, para que toda a humanidade esteja sujeita a esta lei suprema", conclui Cicero. 

Equilíbrio de poder
No texto "Equilíbrio de poder", Cicero destaca que o governo ideal combina as melhores qualidade de uma monarquia, uma aristocracia e uma democracia, como era o caso da Republica Romana. 
"Dos três principais tipos de governo, a monarquia é, em minha opinião, de longe a mais preferível. Mas uma moderada e balanceada forma de governo que combine todas as três é ainda melhor que a realeza. Este tipo de Estado poderia ter um executivo com qualidades preeminentes e reais, mas também conceder certos poderes tanto para os principais cidadãos quanto ao povo de acordo com seus desejos e julgamento. Este tipo de estrutura, em primeiro lugar, oferece um ótimo grau de igualdade aos cidadãos, algo que pessoas livres dificilmente realizam por muito tempo, mas que também providencia estabilidade."
"Quando um tipo de governo sozinho comanda, ele frequentemente declina para uma correspondente forma degenerada - o rei se torna um tirano, a aristocracia se torna uma oligarquia faccional, e a democracia se torna turbamulta e anarquia. Mas enquanto uma única forma frenquentemente se torna uma outra coisa, um sistema misto e balanceado permanece estável, a não ser que os líderes sejam incomumente perversos. Pois não há motivo para que um governo mude quando cada cidadão tem garantido o seu próprio papel e não há nenhuma forma degradada subjacente para a qual pode escorregar e cair."

Liderança
Há textos ainda em que Cicero aconselhava seu irmão mais novo, Quintus, indicado para governar a província romana da Ásia. 
"Então, o que eu mais te peço é que você não sucumba ao desespero ou se torne desencorajado. Não se permita ficar sobrecarregado  por um grande volume de responsabilidade. Levante-se e enfrente as dificuldades que surgirem em seu caminho ou mesmo vá ao encontro delas. A fortuna não rege a sua liderança no governo. Em grande parte, seu sucesso depende da sua própria inteligência e trabalho duro", aconselhava Marco Túlio Cícero.
"Se você fosse lançado em uma grande e perigosa guerra e seu mandato fosse estendido, eu me preocuparia mais de que os que os ventos da fortuna pudessem explodir você. Mas como eu disse, a chance tem nada ou pelo menos muito pouco a ver com a forma como você desempenha as suas funções para o seu país. Depende muito mais da sua própria coragem e moderação profunda. Eu não acho que você precise se preocupar com uma emboscada de inimigos, batalhas ferozes, abandono de aliados, falta de dinheiro ou comida para as tropas, ou que o exército se amotine contra você. Tais coisas acontecem ocasionalmente até para os os homens mais sábios, que não são mais hábeis a superar o infortúnio do que o melhor timoneiro pode dominar uma tempestade violenta. Seu trabalho é conduzir o navio do Estado de forma suave e constante. Lembre que um timoneiro que cai no sono pode quebrar o ofício. Ainda assim, se você continuar acordado, você ainda poderá desfrutar da viagem."
Em outro texto, Cícero defendeu seu amigo Publius Sestius, que havia sido acusado por inimigos.  
"Qual destino deveriam aqueles que dirigem a República fixar seus olhos e por qual caminho eles deveriam nos guiar até lá? A resposta é o que as mais razoáveis, decentes e abençoadas pessoas sempre desejam, a saber, paz com honra. Aqueles que anseiam por isto são nossos melhores cidadãos, aqueles que fazem isto acontecer são nossos melhores líderes e são considerados os salvadores de nosso país. Os que nos governam não deveriam ser tão levados pelo próprio poder político que se afastem da paz, mas tampouco deveriam abraçar uma paz desonrosa", proclamou Cícero. 
"Os princípios fundadores da nossa República, a essência da paz com honra, os valores que os nossos líderes deveriam defender e proteger com suas vidas se necessário são estes: respeitando a religião, descobrindo o desejo dos deus, dando suporte ao poder de magistrados, honrando a autoridade do senado, obedecendo a lei, valorizando a tradição, mantendo os tribunais e seus vereditos, praticando a integridade, defendendo as províncias e nossos aliados, e permanecendo de pé pelo nosso país, nossos militares e nosso tesouro."
"Aqueles que poderiam ser os guardiões de tão importantes princípios devem ser pessoas de grande coragem, grande habilidade, e grande resolução. Pois entre as multidões há aqueles que destruiriam nosso país por meio de revolução e revolta, também porque eles se sentem culpados pelos próprios delitos e pelo medo de punição, ou porque são perturbados o suficiente para se voltarem a sedição e à discórdia civil, ou, por causa de seus próprios desarranjos financeiros, eles preferem trazer um país inteiro abaixo em chamas do que queimarem sozinhos. Quando tais pessoas encontram líderes para ajudá-los com seus planos perversos, a Republica é lançada nas ondas. Quando isto acontece, aqueles pilotos que guiam nosso país têm que ficar vigilantes e usar toda a habilidade para preservar os princípios que eu mencionei, e guiar nosso país de forma segura para casa, com paz e honra."
"Senhores do juri, eu não nego que preservar a segurança do nosso país é um caminho íngreme, difícil e perigoso de caminhar. Eu estaria mentindo se dissesse que que não conheci nem experienciei os perigos deste trajeto mais do que muitos. As forças que atacam a nossa Republica são maiores do que as que a defendem. Homens imprudentes e desesperados só precisam de um estímulo para se voltarem contra o país. Mas infelizmente, pessoas decentes geralmente demoram para agir e ignoram os perigos até que a crise irrompa. Eles estão vagarosos e dispostos a permanecer em uma paz sem honra, mas a própria inação deles faz com que percam ambos", conclui Cicero.


Ao contrário de muitos, vejo a política não como um ofício de ladrões, mas tomada por ladrões. A política tal qual se iniciou antes mesmo de Cristo é uma Arte e até uma Ciência da qual não devemos nos afastar. É só olhar para pouco mais de dois milênios atrás para que achemos nossas respostas e fazer as correções.

O nome do Estado é "estado de guerra"!

Dia a dia mais vozes se levantam para classificar a situação do Estado do Rio de Janeiro como “estado de guerra”, só nossos governantes, parlamentares e juízes não vislumbram este cenário. Pelo menos enquanto não forem também vitimas diárias.

Força Nacional completa um mês no Rio, mas roubos de carga não diminuíram, diz sindicato

O reforço no policiamento, que ajudaria a reduzir o roubo de cargas, não surtiu efeito.

Como muito bem frisou o Diretor de segurança do SindiCarga, Coronel Venâncio de Moura, é preciso ação enérgica! Não é uma situação cotidiana, é um "estado de guerra"! Assim como o Coronel, muitos outros espectadores expõem suas criticas ao caos generalizado, que na segurança pública, não pode ser tratado com negligencia das leis e do judiciário.


De dentro de seus "escritórios" do crime, os "chefões" das diversas quadrilhas ditam as ordens, quem deve morrer é sumariamente executado. E assim foi com o agente penitenciário Paulo Sergio Araújo, morto quando saia de casa em seu Fiat Uno surrado que foi alvejado com dezenas de tiros. O agente era conhecido pelo seu rigor profissional, o que pode ter desagradado os "donos do escritório do crime", como também a certeza de que tem em mãos todas as informações que precisam para alcançar seus intentos, neste caso, o endereço da vitima.


Neste momento difícil por que passa o Estado do Rio de janeiro, nossos parlamentares estão a "cor dos anjos" dentro da ALERJ, não se vendo nenhum pronunciamentos deles, nem mesmo dos "oriundos" da segurança pública. E, quando algum deles surge pra expor seu comentário, se vê de inicio que só vai sair merda!

video
Só sai merda!
                                                  
No Executivo, no governo do Estado, temos um inconformado com a situação que Sergio Cabral lhe deixou, não possibilitando alçar seus planos de enriquecimento, um tal de Pezão, com destino certo na cadeia. Vice governador não temos, pois, não se sabe se ainda vivo, morto ou perambulando fora de si por ai.


Só lhe sobrou mesmo a CEDAE, que junto a parlamentares tão ou mais safados que ele, tentam "doar" uma empresa que dá lucro a preço irrisório,  mas o suficiente para "PHUDER" ainda mais o Estado e beneficiar seus bolsos ávidos por dinheiro público.

video

Os policiais seguem sua vida desigual, onde podem ser investigados por reagir a uma tentativa de assalto se vier a matar o bandido que o ameaçou de morte.

Sargento da PM é suspeito de reagir a tentativa de assalto e matar ladrão.

Três bandidos tentaram assaltar o militar, que estava fardado, e saía para trabalhar. Os outros dois ladrões fugiram.
O sargento foi conduzido para o 18º Batalhão de Polícia Militar - onde será feito auto de prisão em flagrante. O revólver, uma arma particular, será recolhido. A Corregedoria da corporação informou que vai acompanhar o caso.

Contrario a tudo, magistrado concede habeas corpus a traficante preso em flagrante, por “ausência de demonstração de perigo”, já que só foi pego com a ínfima quantidade de 4.716 Kg de drogas e dois fuzis.


Esqueceu ou nunca soube?


Um pouco de história para quem esqueceu ou nunca soube:

Em 1929, a União Soviética desarmou a população ordeira. De 1929 a 1953, cerca de 20 milhões de dissidentes, impossibilitados de se defender, foram caçados e exterminados.


Em 1911, a Turquia desarmou a população ordeira. De 1915 a 1917, um milhão e quinhentos mil armênios, impossibilitados de se defender, foram caçados e exterminados.


Em 1938, a Alemanha desarmou a população ordeira. De 1939 a 1945, 12 milhões de judeus e outros "não arianos", impossibilitados de se defender, foram caçados e exterminados.


Em 1935, a China desarmou a população ordeira. De 1948 a 1952, 20 milhões de dissidentes políticos, impossibilitados de se defender, foram caçados e exterminados.


Em 1964, a Guatemala desarmou a população ordeira. De 1964 a 1981, 100.000 índios maias, impossibilitados de se defender, foram caçados e exterminados.


Em 1970, Uganda desarmou a população ordeira. De 1971 a 1979, 300.000 cristãos, impossibilitados de se defender, foram caçados e exterminados.


Em 1956, o Camboja desarmou a população ordeira. De 1975 a 1977, um milhão de pessoas "instruídas", impossibilitados de se defender, foram caçados e exterminados.
Efeito do desarmamento efetuado nos países acima no século XX: 56 milhões de mortos.

Com o desarmamento realizado na Inglaterra e no País de Gales, os crimes a mão armada cresceram 35% logo no primeiro ano após o desarmamento. Segundo o governo, houve 9.974 crimes com armas entre abril de 2001 e abril de 2002. No ano anterior, haviam sido 7.362 casos. Os assassinatos com armas de fogo registraram aumento de 32%. Segundo as Nações Unidas, Londres é considerada hoje a capital do crime na Europa.
Tudo isso é óbvio, pois marginais não obedecem às leis. Com o desarmamento, só gente honesta como você não poderá ter uma arma.

Fonte:  Alerta Total


domingo, 18 de junho de 2017

No Rio de Janeiro da crise, carnaval deveria ser trocado por passeata de luto


No Rio de Janeiro onde falta remédio e segurança, onde a Uerj está fechada, os professores estão sem receber, há mais de 5 milhões de desempregados, querer priorizar a verba para o carnaval é de um sadismo hitleriano. Ou quem sabe não faz parte da tática do "pão e circo", dos romanos?
Aqueles que defendem que não haja corte de verba no carnaval deveriam se envergonhar, principalmente no momento em que o Brasil vê o Rio como a "caixa podre" que todo o dia expele mau cheiro.
Carnaval é a festa do povo, e é justamente o povo que está sendo humilhado, sacrificado, agredido, sem trabalho, sem escola, sem saúde... Seria muito mais justo que o carnaval fosse trocado por uma grande passeata de luto e de revolta contra os saqueadores do estado. Que não houvesse só uma quarta-feira de Cinzas. Que os outros quatro dias fossem também quarta-feira de Cinzas.
Não se aguenta mais aquele refrão que, na época, era bonito, mas que hoje seria digno de enterro: "Para tudo se acabar na quarta-feira".

O Brasil, especialmente o Rio de Janeiro, é uma eterna quarta-feira de Cinzas. Tudo já se acabou: a felicidade, o emprego, a saúde, a segurança e até a liberdade.

sábado, 17 de junho de 2017

A ESQUERDA É CRIMINOSA E SEMPRE SERÁ


Os “movimentos sociais” que fazem arruaça e terrorismo nas ruas sempre serão violentos e criminosos porque esse comportamento está no DNA deles.

Tal DNA é formado pela forte crença que o o mundo está organizado da forma errada e injusta.
O sistema de leis e costumes que nos governam seriam opressivos e não devem ser respeitados.
Todo esquerdista mantém esse desejo manifesto ou secreto de destruição completa do ordenamento natural e milenar da sociedade para imposição de uma nova ordem, da construção do “novo homem”.
Chegam ao ponto de questionar até mesmo a biologia que define o masculino e o feminino!

Para alcançar esse objetivo de remodelar a sociedade radicalmente, a esquerda aceita QUALQUER meio de ação. Não só aceita, como romantiza o crime como um ato de rebeldia. TODOS os movimentos comunistas/socialistas que chegaram ao poder em diversos países ou épocas, utilizaram alguma atividade criminosa para gerar receita e mesmo no poder continuaram a manter essas atividades para ter acesso a recursos “não contabilizados”, longe do escrutínio popular.
Stálin e Mao assaltavam trens, Cuba é um dos maiores hubs do mundo para tráfico de drogas e armas, assim como a Venezuela de Chávez e Maduro. Dilma era uma terrorista. As FARC foram os grandes financiadores da esquerda nas últimas décadas, inclusive do próprio PT. O MST e o MTST tem ligações profundas com o tráfico de drogas, recentemente a Polícia de São Paulo prendeu dezenas de líderes do movimento responsáveis pela venda de crack na Cracolândia.
Guilherme Boulos, o líder do MSTS, dizer em entrevista a Folha que o movimento é contra a violência é uma piada sem graça. O modus operandis deles é a violência e o crime.
Nessa busca para recriar radicalmente a sociedade, a esquerda produziu a morte de mais de cem milhões de mortos num século, sem contar um número muito maior de vítimas que não morreram mas passaram por sofrimentos terríveis.
Somente entendendo o nível de psicopatia da esquerda é possível combatê-la.
Já os conservadores acreditam que existem sim muitos problemas no mundo, mas eles devem ser resolvidos sem a ruptura com a base moral e legal da sociedade, construída tijolo a tijolo por milênios. O sistema deve ser reformado ao longo do tempo, não destruído e recriado do zero.
Por isso que um protesto que reuniu milhões de conservadores em todas as grandes cidades do país não registrou sequer um ato de violência ou depredação, enquanto dezenas de esquerdistas “protestando” produzem o caos.
Qualquer pessoa normal perceberia isso em poucos segundos. Mas no Brasil, onde a esquerda dominou as escolas, boa parte das igrejas, universidades, a imprensa, os sindicatos, o governo, entre outras esferas da organização política, fica mais difícil perceber a deterioração da sociedade.
O fato de ser impossível andar nas ruas do Brasil hoje em dia, sem o grande risco de sofrer algum tipo de violência e até mesmo de ser assassinado, não representa a falência completa do projeto socialista, impresso fielmente na Constituição de 88, mas sim o seu SUCESSO ABSOLUTO, pois esse sempre foi o objetivo: o caos.
Para recriar a nova sociedade, a antiga precisa ser destruída. Isso está conscientemente ou inconscientemente na cabeça de todo esquerdista.
Qualquer pessoa inteligente sabe que a reconstrução dessa nova sociedade é impossível, mas o movimento cria uma boa desculpa para os líderes socialistas arregimentarem as massas e manter o poder absoluto, esse sim o verdadeiro objetivo dessa porcaria toda.
A ÚNICA postura que pode reverter a falência da sociedade brasileira é a completa INTRANSIGÊNCIA com essa turma de psicopatas. Eles são os inimigos das pessoas de bem e os responsáveis pela nossa tragédia e devem enfrentar a sistemática oposição em todos os momentos, e a LEI quando ultrapassarem os limites.
Quando as pessoas de bem entenderem isso, teremos uma chance.