quinta-feira, 22 de junho de 2017

O crime nas asas da FAB

Rocha Loures voou em avião da FAB para buscar mala com R$ 500 mil, aponta PF.

Há décadas vemos "delinquentes" políticos usando e abusando dos aviões de nossa Força Aérea, os quais sem o menos escrúpulo usam até para irem com família e convidados a festas de casamento que nada tem de oficial. Mas usar a FAB para cometer o crime já é demais!

Luís Cláudio Lula da Silva, filho do presidente, usou avião da FAB (Força Aérea Brasileira) com 14 amigos. Foi durante as férias de 2004. O deputado Eduardo Paes (PSDB-RJ) tentou de todos os modos verificar a veracidade da história. Só conseguiu confirmar a mordomia junto ao Gabinete Institucional da Presidência da República. Antes, havia feito sucessivos requerimentos à Secretaria-Geral da Presidência da República, Ministério da Casa Civil e Ministério da Defesa. Ninguém admitia o uso do avião oficial. Mas existiu. 

O ex-assessor do presidente Michel Temer, o também ex-deputado Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR), pegou carona com o ministro Gilberto Kassab, da Ciência e Tecnologia, em um avião da Força Aérea Brasileira (FAB) de Brasília para São Paulo, onde recebeu no dia seguinte 10 mil notas de R$ 50 que totalizaram os R$ 500 mil na mala de propina da JBS.
Desde o momento em que decolou de Brasília, às 19h, Loures já estava sendo monitorado pela Polícia Federal, com a autorização do ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal (STF). As informações sobre o voo integram o relatório da Polícia Federal que tem Temer e Loures como investigados e foram divulgadas nesta quinta-feira (22) pelo jornal O Estado de S.Paulo.
A PF também concluiu que Rocha Loures tinha uma grande preocupação de chegar a São Paulo no horário marcado. Por isso, mesmo com a possibilidade de voar em avião da FAB, o ex-assessor de Temer solicitou à sua assessora na Câmara, identificada como Alessandra, que utilizasse verba pública parlamentar para comprar uma passagem em voo comercial, caso houvesse algum imprevisto com a carona de Kassab.
“Entende-se uma preocupação em embarcar em tal dia, inclusive existe a menção a um jantar as 20 horas em São Paulo”, registrou a PF no relatório. “No mesmo diálogo, Rocha Loures menciona manter o voo com Kassab.”. Loures pediu à assessora que providenciasse "volta no outro dia, ou seja, após o encontro com Ricardo Saud", indica a PF, em referência ao lobista da JBS que entregou o dinheiro ao ex-deputado.

2 comentários:

  1. Isto dispensa comentario vai além do imaginario,só existe um jeito intervenção militar

    ResponderExcluir
  2. Engraçado ver o Eduardo Paes tentando investigar um ato ilicito de outro....se ele mesmo tem cabo preso com a corrupçao. No casamento da propria filha, em finais de 2016, Eduardo Paes alugou o salão do restaurante Plage, no Parque Lage-RJ....pelo periodo de 2 dias...pagando a "bagatela" de 500 mil reais. Apenas pelo reais, imagine o custo de ttodaa logistica por dois dias de festa em ambiente de luxo????? Claro que o salario de prefeito nao daria para tal...e mais obvio ainda que proveio de corrupçao.

    ResponderExcluir