quinta-feira, 20 de julho de 2017

O magistrado cada vez mais longe dos anseios do povo


Uma elite sendo criada? Sim, uma elite dependente e submissa às benesses que o Legislativo possa lhes conceder. E como diz uma máxima, “ninguém dá nada sem querer algo de volta”, imaginamos o que esta “Lei Orgânica da Magistratura” pode alcançar numa temporada de corrupção e corruptos ávidos por escapar do encarceramento e de uma dura pena pecuniária.


Decisões absurdas nos chegam ao conhecimento todo dia. Traficante preso com armas, munições e 130 quilos de drogas tendo tratamento de viciado, os atrasos e não pagamento de salários de servidores do Rio de Janeiro tendo tratamento de “mero aborrecimento”, fizeram o que fizeram no Estado do Rio de Janeiro por mais de dez anos consecutivos sem que o MPRJ e TJRJ tomasse qualquer iniciativa que detivesse o assalto bilionário dos cofres do Estado. Isto se chama o retorno pelas “benesses” concedidas.

Assim como é feito entre o Executivo e Legislativo, com o toma lá, dá cá; o Judiciário se quedou em levar sua parcela de “dividendos”. Mas não pode vir como “caixa 2”, não pode ser propina, tem que ter respaldo legal. Por mais absurdo que possa parecer.


A drenagem de recursos da população para um grupo de profissionais vorazes e poderosos que hoje detêm, virtualmente, o direito de fazer o que quiserem, com qualquer um. E esse qualquer um somos nós, pobre povo pagador de impostos, reféns do governo que paga “feitores” que não nos deixam rebelar, não nos deixam ter Justiça.


O juiz encara como “inferiores” os que deveria ver como semelhantes  a quem, em tese, deveria servir. A condição de juízes passa a funcionar como um título nobiliárquico, como se um concurso público justificasse a formação de uma “nobreza” funcional à qual os plebeus devem obediência e vassalagem.


Construíram uma “nobreza” comprada, ao invés de juízes togados para dirimir conflitos de interesses, uma “nobreza” servil aos também “nobres corruptos”, que muito bem souberam corromper quem não deveria ser corruptível.




Nenhum comentário:

Postar um comentário