terça-feira, 19 de setembro de 2017

Não foi um aviso, foi um ULTIMATO!

A Instituição Exercito Brasileiro está acima de seu Comandante, que se em algum momento não o representar, há razões para que aconteça a “quebra da hierarquia” em seu nome.




Em 2015 já havia postado texto com essa indicação e hoje não só a “Quebra da Hierarquia” aconteceu como também a Intervenção. Sim, Intervenção!


Desde o inicio da “Lava Jato” o Brasil pretendia limpar o País democraticamente, com respeito as Instituições enquanto elas cumprissem seu papel constitucional. Mas ela, representadas por seus componentes, não corresponderam. O acusa não acusa e o prende solta de políticos com notável “saber criminoso” em conluio com um STF manipulável e sem o “notável saber jurídico”, propiciaram uma reação.


E a reação foi na pessoa do General Antonio Hamilton Mourão, que falou em nome do Comando do Exercito Brasileiro.

A Instituição Exercito Brasileiro goza de conceito junto a sociedade, mas, este conceito vem caindo dia a dia na medida em que não se manifesta contra o que está acontecendo. Se por um lado a Polícia Federal cumpre seu papel respaldada pelos Promotores e Juízes da Lava Jato, de outro o STF montado por indicados políticos destrói o que foi feito.


O General Mourão começou a se pronunciar anos atrás, quando Comandava o Comando Militar Sul,declarando que era preciso um "desperta para a luta patriótica". Após isso foi transferido para Brasília, lugar chave para que se fortificasse seus laços e motivasse seu pronunciamento atual.


Ora, que general iria publicamente se pronunciar sobre política, na ativa, fardado e em conformidade com seus colegas do alto comando do E.B. sem estar devidamente apoiado? Só um louco! Embora tomadas por delinquentes lesa pátria, as instituições ainda possuem componentes insatisfeitos, componentes que têm suas vozes caladas pela maioria corrupta, uma maioria que mata se contrariada. São estas pessoas que estão ao lado de Mourão, sendo elas do Congresso Nacional e do Judiciário.


"Ou retiram da vida pública esses elementos envolvidos em ilícitos, ou então nós teremos que impor isso!" (General Antonio Hamilton Mourão)

O General Mourão não falou por ele, falou pela Instituição a que pertence, falou com o compromisso que todos fizeram junto à Pátria.

A esquerda se assanhou e começa a se manifestar, os corruptos estão em polvorosa. O ultimato pode ser cumprido se necessário!


Os jornais também começam a se pronunciar, inclusive sugestionando punição, como se esse poder lhes pertencesse ou que pudessem ditar as ordens. 

Mais à frente teremos ideia mais solidificada sobre as consequências da fala do general Mourão, ou o País se acerta ou acertamos nós.

Obs: Não esqueçam que a Maçonaria esteve presente em todas as mudanças ocorridas no Brasil.


4 comentários:

  1. Os políticos estão esperando como siri na água quente.

    ResponderExcluir
  2. Tempo de recados já passaram. Agora é ultimato. Adsumus Gen. Mourão.

    ResponderExcluir
  3. Bastou um miado do gato para os ratos se alardearem, mas não vejo outra meio de se livrar dessa infestação de roedores.

    ResponderExcluir