terça-feira, 24 de outubro de 2017

Há algo de muito estranho

Muito estranho este sinal feito pelo motorista do veículo aos repórteres, só faltou ser CV.

O italiano Carlos Zamineta, que dirigia o carro em que estava a turista espanhola María Esperanza Jiménez Ruiz, de 67 anos, morta a tiro pela polícia, agiu de forma irônica diante de jornalistas que acompanhavam seu depoimento na Delegacia de Atendimento ao Turista (Deat). Ele fez o "V" da vitória e, em seguida, um gesto obsceno.

Um delegado que em entrevista, sem instrução pericial e sem os depoimentos já começa afalar em ação covarde por parte do policial que efetuou o disparo teria que ser imediatamente afastado, já que se acha estrela mostrando sua parcialidade no caso.


Um furgão branco furão cerco policial e, logo a seguir vem outro veículo grande, com vidros escuros que também fura o bloqueio, os policiais declaram que fizeram disparos de advertência, disparos de fuzil. Ora, um disparo de fuzil tem alcance de 3.000 metros, não perfuraria um vidro, ocasionaria o ferimento fatal na turista e cairia antes de atravessar o banco do motorista, também atravessaria o corpo dele e mais a lataria que encontrasse pela frente e sumiria ricocheteando até sumir. Se de fato o disparo saiu da arma do tenente, o projétil ricocheteou antes de atingir o veículo, sendo certa sua afirmativa de disparo para o chão.


Devemos pensar muito sobre o que houve na Rocinha, principalmente na identificação e localização do furgão branco que furou o bloqueio no episódio em que a turista foi atingida. Tudo leva a crer num cenário montado, até porque ninguém em sã consciência aceitaria levar turistas para um tour numa área em guerra, sim, em GUERRA! Mas estranhamente o motorista, que não é brasileiro, faz um sinal estranho para os repórteres, um sinal de vitória.

Turista ou cidadão de bem não fura bloqueio policial, obedece ordem de parada e não vai passear numa favela em guerra de traficantes.


5 comentários:

  1. É ótimo que isto aconteça para acordar aqueles que, doutrinados desde a infância da necessidade do Estado, possam comprovar o verdadeiro caráter parasita e criminoso do Estado. Abaixo o Estado! Conheça o ancap.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Agora eu pergunto: o que esses turistas estavam fazendo na Rocinha, que está passando por uma situação de confrontos entre facções e intervenções policiais? São uns imbecis... não bastam os problemas que a Policia enfrenta, ainda aparecem gringos pra fazer turismo na favela? O mais incrível é que o "motorista" (outro irresponsável), também é gringo! Só no Brasil... e o policial ainda é preso. Não bastasse a pressão que têm sofrido, pois na mesma manhã, dois policiais foram vítimas da gyerra que enfrentam, os policiais ficam reféns da mídia, leis injustas, políticos e artistas aproveitadores e, até mesmo, da própria Policia (delegado parcial e falastrão).
      Se fosse em um país sério, os turistas e agencia de turismo seriam responsabilizados por se colocarem em perigo.

      Excluir
  2. "É ótimo que isso aconteça..." Só esta frase é suficiente para afastar qualquer pessoa, com um mínimo de consciência, das idéias de quem a escreveu!

    ResponderExcluir
  3. Concordo, tem algo de podre no ar, isso cheira mesmo armação e para chegar a verdade esse delegado precisa ser substituído de imediato ou passar essa investigação para gente isenta, por exemplo a PF ou o Exercito.

    ResponderExcluir
  4. Infelizmente, nosso país está repleto de situações"estranhas" e absurdas!

    ResponderExcluir