segunda-feira, 23 de outubro de 2017

PSOL articula Boulos para Presidência

Após desistência do deputado Chico Alencar, dirigentes da sigla já falam explicitamente no nome do líder dos sem-teto para a disputa de 2018.

Boulos se reúne com Ministro de Temer, às escondidas, suplicando não ficar sem a "boquinha" que lhe garante viver sem trabalhar, Imprensa Viva

O líder do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guilherme Boulos (sem partido), entrou na mira do PSOL para disputar a Presidência da República nas eleições do próximo ano. Após o deputado Chico Alencar (PSOL-RJ) declinar da possibilidade de disputar o Palácio do Planalto, lideranças do partido que evitavam falar abertamente no nome de Boulos por respeito ao parlamentar passaram a defender o líder dos sem-teto como representante da sigla na disputa de 2018. 

Em entrevista à TV Estadãonesta terça-feira, Boulos evitou o assunto, mas não admitiu nem descartou a possibilidade de se candidatar pelo PSOL. “Nesse momento estou focado em ajudar a organizar o processo de resistência ao desmonte do governo (Michel) Temer em relação aos direitos sociais, fazendo mobilizações como, por exemplo, a ocupação em São Bernardo do Campo e também em um debate mais amplo de projeto para o País”, disse.

Anti-Bolsonaro. Na entrevista à TV Estadão, Boulos fez duras críticas à provável candidatura do deputado Jair Bolsonaro (PSC-RJ) à Presidência, representante da extrema-direita na corrida eleitoral do próximo ano. Segundo Valente, é natural que o candidato do PSOL polarize com Bolsonaro.


De acordo com Valente, o objetivo do PSOL ao buscar Boulos é ampliar o alcance eleitoral do partido para outros setores da esquerda e deverá fazer exigências caso ele aceite o convite. “A possibilidade de filiação dele é uma opção política e partidária e vai exigir compromissos de longo e médio prazos”, disse.
O PSOL não quer esperar a definição sobre a candidatura de Lula e deve cobrar de Boulos uma resposta até no máximo o início de 2018. Embora parlamentares do PSOL digam que a maioria do partido apoia a filiação do líder dos sem-teto, a pré-candidatura de Boulos já enfrenta resistências. “Boulos atua no espectro do PT. Não amplia para o PSOL e nos coloca em uma situação ambígua”, disse o professor universitário Nildo Ouriques, que se apresentou como pré-candidato do PSOL para 2018.

Um comentário:

  1. Nunca ouvi falar e certamente não ganha.
    Em tempo: Por que será que a maioria das autoridades BRASILEIRAS tem sobrenome estrangeiro ?

    ResponderExcluir