domingo, 12 de novembro de 2017

É comunista? Matou milhões? PSOL apoia!

Aniversário da Revolução Russa é comemorado sem entusiasmo em Moscou.

Com "capitalizados pelo capitalismo" e outras burrices, o Deputado Estadual Eliomar Coelho, pelo PSOL-RJ (pra variar), defendeu o regime que mais matou pessoas no mundo na TV estatal russa "RT". Será que vai sair nos jornais?
A Revolução Bolchevique de Outubro de 1917 completou um século nesta terça (7) sem grandes eventos na Rússia, país berço do levante. A data foi intencionalmente ignorada pelo governo, esquecida pela população e timidamente celebrada pelos comunistas. 
O Partido Comunista da Federação Russa (KPRF) organizou uma marcha no centro de Moscou reunindo os correligionários russos e os estrangeiros que viajaram até a Rússia para a celebração da efeméride. 
Além da onipresente bandeira vermelha comunista, as bandeiras do Brasil e da Catalunha foram as mais presentes na marcha do centenário da Revolução Bolchevique. As delegações de Itália, Grécia, Turquia, Argentina, Chile, China, Cuba e Vietnã também eram numerosas. 
Os pôsteres de Vladimir Lênin (1870-1924) disputavam em popularidade com os do ditador Josef Stálin (1878-1953), do guerrilheiro Che Guevara (1928-67) e, em menor escala, do filósofo socialista Karl Marx (1818-83). 
A Prefeitura de Moscou fixou um limite de 5.000 participantes para a manifestação, mas o espaço reservado para ela não estava completamente cheio, apesar da presença de comitivas comunistas de todo o mundo. 
As pautas políticas nacionais foram lembradas durante o encontro. Os comunistas brasileiros, por exemplo, aproveitaram a marcha para demonstrar descontentamento com o governo Temer. Os gritos de "Fora, Temer" ecoaram diversas vezes. 

Em entrevista à TV estatal russa, o deputado estadual Eliomar Coelho (PSOL-RJ) disse que "nós vivemos em um mundo comandado pelas políticas neoliberais, que não estão resolvendo problema nenhum do mundo". Para ele, a luta dos bolcheviques continua válida. A deputada federal Jandira Feghali (PCdoB-RJ) também está na capital russa. 

Em seu perfil em redes sociais, ela disse que "a luta operária é mais necessária do que nunca", lembrando que "faltam quatro dias para o início da reforma trabalhista no Brasil". 
“Para pesquisadores da história soviética, nenhum problema é maior do que o stalinismo. Como era possível que a Revolução de Outubro de 1917, que parecia prometer a liberdade e igualdade humanas, resultou não em uma utopia comunista mas em uma ditadura stalinista? Por que essa tentativa de criar uma sociedade perfeita levou aos gulags, expurgos sangrentos e níveis de repressão estatal sem precedentes?”, questiona o historiador David Hoffmann, da Ohio State University, na introdução da coletânea “Stalinism: the Essential Readings” (Stalinismo: Leituras Essenciais, sem tradução no Brasil). 
A maior parte das atrocidades cometidas no período soviético, inclusive os crimes de guerra durante o confronto com os nazistas, ocorreram sob o olhar do ditador mais sangrento de sua história. Mas, embora em menor intensidade, a União Soviética continuaria a reprimir opositores muito tempo depois da morte de Stalin – até às vésperas de seu colapso final. 

1. O Terror Vermelho 


A primeira violência veio acompanhada da Guerra Civil que marcou os anos iniciais da Revolução. Oficialmente, o “Terror Vermelho” foi o período de perseguições deliberadas por parte dos bolcheviques contra seus adversários políticos, entre setembro e outubro de 1918 – cerca de 10 mil pessoas pereceram nos assassinatos massivos do período. Mas muitos historiadores vão além e argumentam que o Terror deveria compreender todo o período de conflitos, desde o início da Revolução, em 1917, até o triunfo definitivo dos comunistas em 1922. 
Estima-se que, durante a totalidade da Guerra Civil, além daqueles mortos nas batalhas, pelo menos 100 mil pessoas tenham sido executadas por motivação política, acusadas de colaborar com o czarismo e conspirar contra a Revolução. A repressão foi marcada por torturas com requintes de crueldade. O historiador britânico Orlando Figes, autor do livro “A tragédia de um povo: A Revolução Russa, 1891-1924”, diz que as técnicas lembravam aquelas da Inquisição Espanhola – em algumas cidades, houve registros de escalpelamentos, empalamentos e fogueiras humanas. 

2. Perseguição aos kulaks e aos cossacos 


Os kulaks compunham uma classe de proprietários rurais relativamente ricos para os padrões do país, contando com mais terras e a capacidade de contratar agricultores assalariados. Camponeses que haviam enriquecido após as reformas sociais ocorridas no Império Russo em 1906, os kulaks estiveram entre os primeiros grupos a serem tachados de “inimigos do povo” e serem perseguidos, expropriados e deportados após a Revolução, considerados um dos símbolos do capitalismo no campo. 
Nos primeiros anos do novo regime, a definição de kulak foi ampliada e, em muitos casos, passou a abranger qualquer camponês que se negasse a ceder suas colheitas às tropas soviéticas – e, mais tarde, até mesmo para camponeses que, sem ser exatamente ricos, possuíam mais recursos do que a média. O processo de “deskulakização” se tornou ainda mais violento após a ordem emitida por Stalin no final de 1929, ordenando que os kulaks fossem “liquidados” enquanto classe. Estima-se que até 5 milhões de pessoas tenham perdido a vida entre a Revolução e 1933, data que os historiadores costumam apontar como o fim do processo. 
Os cossacos, por sua vez, eram comunidades historicamente formadas por camponeses que haviam fugido da servidão em locais como Polônia, Lituânia, Rússia e Ucrânia. Com um forte viés militar, os cossacos passaram longo tempo oferecendo seus serviços ao Império Russo em troca da manutenção da sua autonomia. Tendo defendido majoritariamente as forças mencheviques e o Exército Branco em 1917, foram reprimidos e perderam sua autonomia após a vitória dos revolucionários: estimativas conservadoras indicam que pelo menos 10% da população de 3 milhões foi deportada ou morta nos anos seguintes à Revolução. 

3. A fome no Tartaristão (1921-22) 


Ocorrida entre 1921 e 1922, a primeira grande fome russa após a queda dos Romanov é considerada uma soma de fatores que vão além dos erros das políticas comunistas: se é verdade que Lenin vinha confiscando alimentos em nome da Revolução, pesquisadores argumentam que a principal causa da fome foram as dificuldades de distribuição que vinham desde a Primeira Guerra Mundial e as grandes secas ocorridas em 1921. Foi um dos períodos mais sombrios na Rússia pós-revolucionária, com registros de atos de canibalismo em algumas das áreas afetadas. 
Na época, a comunidade internacional considerou a fome uma tragédia humanitária sem grande influência da nova ditadura, e ofereceu enorme apoio, enviando toneladas de alimentos. Mesmo assim, documentos do período indicam que, em algumas regiões, os esforços para debelar a fome foram deliberadamente mais lentos, em um ato de limpeza étnica: no final dos anos 80, em meio à abertura dos arquivos soviéticos, o historiador ucraniano radicado no Canadá Roman Serbyn apontou que a fome havia sido causada e intensificada por ações humanas propositais. 
Esse seria o caso, sobretudo, do Tartaristão, região às margens do rio Volga habitada pelo povo tártaro. Com um nacionalismo perigoso aos interesses revolucionários, motivo que tornava sua eliminação “necessária”, os tártaros sofreram perdas proporcionalmente muito maiores que o restante da Rússia – representariam até 2 milhões dos 5 milhões de vidas que, se acredita, foram perdidas no período. Ao final da grande fome, cerca de um quarto dos habitantes do Tartaristão havia perecido ou emigrado. 

4. O Holodomor (1932-1933) 


Se as secas ainda são debatidas como a principal causa da fome na década de 20, o Holodomor (ucraniano para “matar pela fome”) é muito menos dúbio: tendo sua existência negada oficialmente pelo governo soviético até a abertura provocada pela Glasnost na década de 80, a grande fome ucraniana hoje é formalmente reconhecida como um ato de genocídio por países como Austrália, Canadá, México e Portugal. A Rússia, embora admita atualmente que o Holodomor ocorreu, continua negando que tenha sido uma política deliberada de extermínio da população ucraniana. 
Stalin temia o nacionalismo ucraniano como um movimento capaz de fragmentar a jovem União Soviética e, no longo prazo, colocar em risco a própria sobrevivência do comunismo. A retirada gradual de alimentos da região – uma área produtora de cereais e grãos – e a lenta resposta à fome, quando ela se tornou endêmica, teriam como objetivo enfraquecer decisivamente qualquer resistência aos desígnios de Moscou. 
O total de mortos no Holodomor varia de acordo com as estimativas – chegando até a 12 milhões em alguns cálculos. Em 2010, o Tribunal de Recursos de Kiev concluiu uma investigação afirmando que a perda demográfica da Ucrânia no período ultrapassou 10 milhões de pessoas – quase 4 milhões vitimados diretamente pela fome, e o restante causado por nascimentos que deixaram de ocorrer em função da desnutrição. 

5. Gulag 


Gulag era, originalmente, uma sigla. Vinha de Glavnoye Upravleniye Lagerej, nome resumido, em russo, para a Administração Central dos Campos de Trabalho Corretivo e das Colônias de Trabalho. Era o local onde acabavam criminosos comuns e também os políticos – que poderiam ser desde opositores reais até pessoas inocentes acusadas de conspirar contra a Revolução. 
Com o tempo, gulag tornou-se uma palavra destinada a descrever os próprios campos, popularizada pelo escritor (e dissidente) soviético Aleksandr Solzhenitsyn, ganhador do Nobel de Literatura de 1970 e autor do clássico “O Arquipélago Gulag” (1973), livro em que denuncia as condições subumanas dos campos de trabalho forçados. Solzhenitsyn, que permaneceu oito anos preso em um gulag, foi expulso da URSS em 1974, após a publicação de seu livro sobre as colônias penais, que descrevia como lugares onde se trabalhava até morrer de exaustão. 
O primeiro gulag, o de Solovski, foi criado em 1919 e apenas um ano depois já havia 100 mil pessoas presas em campos similares espalhados pela Rússia – a maioria deles localizados nas regiões mais inóspitas da Sibéria. Pelo menos 476 campos existiram em algum momento na URSS, a maioria deles durante o período stalinista. Os gulag não funcionavam apenas como depósito de criminosos e opositores políticos: segundo a historiadora Galina Ivanova, também tinham uma importância gigantesca na economia soviética. Pouco antes do início da Segunda Guerra, 76% do estanho e 60% do ouro extraídos na União Soviética vinham dos campos de trabalhos forçados. 
Acredita-se que, até o final da vida de Stalin, mais de 14 milhões de pessoas tenham passado pelos campos. Alguns eram mais inóspitos do que outros: os campos às margens do rio Indigirka, por exemplo, chegavam a registrar temperaturas na casa dos 70 graus negativosdurante o inverno e eram tido como os piores de todos. Após a morte de Stalin, os campos foram sendo gradativamente fechados e os prisioneiros receberam anistias. A instituição burocrática conhecida pela sigla Gulag foi formalmente fechada em 1960, mas colônias de trabalhos forçados continuaram a existir até o final da década de 80. 
O último campo, conhecido como Perm-36, operou até dezembro de 1987 – e permanece como o único antigo gulag ainda existente, após a destruição dos demais pelos governos soviéticos. Próximo aos montes Urais, o Perm-36 foi convertido em um museu e ainda está aberto para visitação, mas cortes no orçamento do governo russo vêm ameaçando seu funcionamento nos últimos anos. 

6. Yezhovshchina: os Grandes Expurgos 


Grande parte dos crimes atribuídos a Josef Stalin parece marcada por uma paranoia permanente: o medo de ser traído e derrubado do poder, por inimigos estrangeiros ou internos – frequentemente, dentro do próprio Partido Comunista. O assassinato de Trotsky, em 1940, perseguido até o México, é um dos episódios mais famosos da caça interminável de Stalin a aqueles que considerava inimigos políticos, mas a busca havia começado muito antes. 
Um dos períodos de maior perseguição interna começou após o 17º Congresso do Partido Comunista da União Soviética, em 1934, que mais tarde ficaria conhecido como o “Congresso dos Condenados”. Na ocasião, a reeleição de Stalin como secretário-geral era mera formalidade, mas a contrariedade em relação às suas políticas ficou clara quando se apuraram os votos para o Comitê Central: acredita-se que mais de cem delegados do PCUS tenham dado votos negativos ao nome de Stalin (o número exato foi apagado dos registros por ordem do ditador), enquanto somente três votaram contra Sergei Kirov, líder do Partido em Leningrado (atual São Petersburgo) e um dos favoritos para “renovar” o comunismo. 
Poucos meses depois, Kirov apareceu assassinado em circunstâncias misteriosas. Stalin, possivelmente o mandante do crime, usou a morte como pretexto para anunciar que havia traidores dentro do PCUS e “expurgos” eram necessários. Nos anos seguintes, mais de 600 mil membros do Partido e do Exército Vermelho seriam presos ou mortos. Dos 139 membros do Comitê Central eleitos no 17º Congresso, 98 foram executados sumariamente. Os Grandes Expurgos também ficaram conhecidos como Yezhovshchina (literalmente, “fenômeno Yezhov”), por conta de Nikolai Yezhov, chefe da NKVD, a polícia secreta soviética que coordenava a perseguição. Mas, no fim das contas, nem Yezhov escapou da ira de Stalin: após desagradar o ditador, o próprio inquisidor soviético perdeu seu cargo, acabou preso e foi executado em 1940. 

7. Intervenção na Mongólia (1937) 


O controle da União Soviética sobre países-satélite começou desde muito cedo. A Mongólia havia se tornado uma nação independente em 1911, após escapar ao domínio da Dinastia Qing (a última casa imperial chinesa que, em declínio, veria a China se tornar uma república no ano seguinte), e em 1924 se tornou um país socialista. 
Desde o início, os mongóis estiveram sob o domínio do Kremlin. Quando Stalin iniciou os seus expurgos, o ditador Khorloogiin Choibalsan pediu apoio à NKVD para fazer o mesmo em seu país. 
Em solo mongol, os “inimigos da revolução” eram principalmente os budistas: entre 20 mil e 35 mil pessoas foram mortas, incluindo lamas, e mais de 700 mosteiros foram destruídos. Mas até ex-líderes socialistas foram vítimas da perseguição indiscriminada: os ex-primeiro-ministros Peljidiin Genden e Anandyn Amar também foram executados. Choibalsan, a exemplo de Stalin, continuaria no poder até sua morte, em 1952. 

8. Invasão à Polônia (1939) 


Assinado secretamente por nazistas e soviéticos em 23 de agosto de 1939, o Pacto Molotov-Ribbentrop seria depois justificado por Stalin como uma ação necessária para proteger o seu país. Mas o tratado era mais do que um acordo de não-agressão entre alemães e comunistas: também garantia a partilha da Polônia entre os dois lados. Hitler invadiu pelo lado ocidental no início de setembro, no episódio que marcou o começo formal da Segunda Guerra Mundial na Europa. Stalin deu início à sua invasão, desde o oriente, dezesseis dias mais tarde. 
Já combalida pela resistência aos nazistas, a Polônia caiu rapidamente sob o jugo de Moscou. O território foi anexado pela URSS e, de imediato, mais de 300 mil pessoas foram deportadas à Sibéria. Calcula-se em torno de 150 mil as vítimas fatais desse período inicial. A Polônia só teria sua soberania formal devolvida ao final da Segunda Guerra, e mesmo assim como uma fachada: seria um dos mais importantes estados-satélite da União Soviética até a ascensão do movimento Solidariedade e a eventual queda da Cortina de Ferro. 
Ainda na Segunda Guerra, a parceria inicial entre Hitler e Stalin logo seria deixada de lado, também por causa da Polônia: em 1941, os alemães invadiram o lado soviético do país, iniciando sua investida na direção da Rússia. O fim do pacto de não-agressão entre nazistas e comunistas levou a algumas das mais sangrentas batalhas do período – e, dos dois lados, a alguns dos piores crimes de guerra já registrados. 

9. Massacre de Katyn (1940) 


Logo após a invasão à Polônia, Stalin decidiu cortar qualquer resistência pela raiz, executando sumariamente os principais líderes políticos e militares do país. A URSS passaria meio século negando seu envolvimento no crime de guerra, afirmando que o massacre havia sido obra dos nazistas, mas reconheceu sua responsabilidade em 1990 – já no fim do comunismo. 
Em 2010, o governo russo aprovou uma declaração culpando Stalin e outros altos oficiais soviéticos por ter dado a ordem do massacre. Mais de 20 mil pessoas foram mortas em diferentes lugares da União Soviética, mas o episódio passou a ser conhecido pelo nome em que a primeira vala comum foi encontrada, a floresta de Katyn, na fronteira entre a Rússia e a Bielorrússia. 

10. Massacre de Teodósia (1942) 


Localizada na Crimeia, região foco de disputas territoriais até hoje (pertencendo oficialmente à Ucrânia, mas ocupada pela Rússia desde 2014), a cidade de Teodósia já esteve sob o domínio de gregos, mongóis, tártaros, genoveses, otomanos e russos. Também uma zona disputada na Segunda Guerra, esteve sob ocupação alemã até o final de 1941, quando foi recuperada pelo Exército Vermelho. 
Ao tomar Teodósia, os militares soviéticos encontraram um hospital repleto de soldados nazistas convalescendo, e os assassinaram massivamente. O crime de guerra foi descoberto após as tropas alemãs reconquistarem a cidade, cerca de três semanas mais tarde, e encontrarem em torno de 150 soldados da Wehrmacht mortos, alguns ainda nos leitos do hospital, outros atirados pelas janelas e empilhados na praia próxima. 

11. Massacre de Grischino (1943) 

Os soviéticos capturados pelos nazistas acabavam se tornando vítimas de alguns dos piores crimes da Segunda Guerra Mundial – e o Exército Vermelho acabava respondendo da mesma forma. 
O massacre de Grischino ocorreu na Ucrânia, no início de 1943, quando 508 prisioneiros de guerra e 88 civis foram assassinados brutalmente pelas tropas soviéticas. 
Os corpos foram encontrados depois com mutilações terríveis: segundo testemunhas, vários soldados tiveram suas genitais arrancadas e colocadas em suas bocas; enfermeiras alemãs também foram encontradas com os seios cortados e com sinais de estupro. 

12. O “estupro de Berlim” 


Durante a conquista da Alemanha no final da Segunda Guerra, soldados enfurecidos do Exército Vermelho queriam vingança das atrocidades cometidas pelos nazistas durante a campanha no front oriental. 
Entre as memórias que traziam da invasão alemã à União Soviética estavam os estupros massivos das mulheres locais. Um dos crimes mais vis da guerra, a violência sexual ocorreu tanto por parte de tropas aliadas quanto do Eixo – em anos recentes, nova documentação revelando atrocidades cometidas por americanos, britânicos e franceses, além dos soviéticos, ajudou a jogar luz sobre atrocidades que na época não foram reportadas por muitas das mulheres, envergonhadas e amedrontadas. 
A memória alemã, porém, guarda os soldados soviéticos como os mais violentos desse período, e atribui a isso o sentimento de vingança em relação ao que havia acontecido em suas cidades. O Memorial Soviético de Guerra, em Berlim, é conhecido informalmente por muitos germânicos como a “Tumba do Estuprador Desconhecido”. O número de mulheres estupradas na Alemanha ou de crianças nascidas dessas violações permanece desconhecido, mas alguns historiadores estimam o número em 100 mil, apenas em Berlim. 
A violência foi tamanha que mesmo Stalin achou necessário colocar limites em suas tropas: segundo Oleg Rzheshevsky, um dos diretores da Associação Russa de Historiadores da Segunda Guerra, mais de 4 mil oficiais do Exército Vermelho foram condenados à morte pelos crimes contra civis alemães nos primeiros meses de 1945. 
Em seu poema épico “Noites prussianas”, Aleksandr Solzhenitsyn escreveu sobre os estupros que testemunhou enquanto lutou pelo lado soviético na Segunda Guerra, e o sentimento de vingança que pairava em relação às atrocidades cometidas pelos nazistas durante a invasão à Rússia: 

“A pequena filha está no colchão,/ Morta. Quantos a possuíram/ Um pelotão, talvez uma companhia?/ Uma menina tornou-se uma mulher,? Uma mulher transformou-se num cadáver./ Tudo se resume a simples frases:/ Não se esqueçam! Não perdoem!/ Sangue por sangue! Dente por dente!” 

13. A “esquizofrenia progressiva” 

Andrei Snezhnevsky

Opor-se ao governo não era apenas ilegal: em muitos casos, era visto como uma doença. O uso político da psiquiatria pelo governo soviético intensificou-se nos anos 50, por influência de Andrei Snezhnevsky. Por pressão do governo e do próprio Snezhnevsky, psiquiatras ligados à Academia Soviética de Ciências Médicas passaram a rejeitar as descobertas científicas que vinham sendo feitas no país e no exterior e se filiar ao conceito de “esquizofrenia progressiva” – um instrumento vastamente utilizado para desqualificar opositores publicamente. 
A “esquizofrenia progressiva” trazia sintomas que, convenientemente, se assemelhavam ao comportamento de um típico opositor do regime: demonstrar pessimismo, não conseguir se conformar à ordem social existente e tentar questionar as autoridades seriam sintomas claros de que um paciente estaria desenvolvendo a fictícia desordem psiquiátrica. 
Foi também uma forma de fazer a repressão chamar menos atenção da comunidade internacional: os diagnósticos, crescentes após o fim do stalinismo, permitiam enviar os dissidentes a hospitais psiquiátricos em vez dos velhos gulags, que vinham sendo fechados progressivamente – e davam a possibilidade de confinar indivíduos indesejáveis por períodos indeterminados, muito além das penas comuns. 
Os dados foram ocultados pela ditadura e só nos anos 90 comissões investigadoras começaram a mensurar a dimensão da repressão por vias psiquiátricas. Os números de afetados variam enormemente: alguns pesquisadores dizem que não teriam sido mais que 200 pessoas, outros acreditam que o número poderia passar de 20 mil internados em hospitais psiquiátricos por demonstrar um comportamento contrário ao governo
A corrupção da psiquiatria não caiu por terra totalmente com o fim do regime comunista, e ainda hoje opositores de Vladimir Putin se deparam com a velha realidade. Em 2012, as integrantes da banda punk feminista Pussy Riot, conhecida por suas críticas ao governo, passaram por avaliação psiquiátrica a pedido da procuradoria, que usou o controverso diagnóstico de “transtorno de personalidade” para pedir seu isolamento da sociedade. 

14. Deportações internas 


Entre as políticas para facilitar a conquista de novas Repúblicas Soviéticas para compor a URSS, estava a deportação massiva e forçada de pessoas identificadas de alguma forma como inimigas da Revolução – geralmente, setores “burgueses” e membros da intelligentsia local. Os lugares em que os deslocamentos obrigatórios foram impostos de maneira mais sistemática foram os países do Báltico (Estônia, Letônia e Lituânia). 
Ocupados durante a Segunda Guerra, eles se tornaram os membros da União Soviética menos afeitos a fazer parte do país – enquanto a maioria das outras repúblicas havia tido uma revolução interna antes, a anexação do Báltico foi forçada desde o início. 
As deportações, geralmente para a Sibéria, ocorreram ao longo de vários anos, mas tiveram algumas ondas principais: a Deportação de Junho, em 1941; a Operação Priboi, em 1949 e a Operação Osen, em 1951, são algumas das mais famosas. 
Vendidas como uma nova campanha de deskulakização, elas deslocaram em torno de 150 mil pessoas e dizimaram a resistência aos comunistas, especialmente o grupo guerrilheiro “Irmãos da Floresta”. Após a morte de Stalin, muitos habitantes foram autorizados a voltar, mas estima-se que cerca de 60% dos deportados já tinham morrido – e muitos outros acabaram fundando vilarejos na Sibéria, onde permanecem até hoje. 
Outros deslocamentos forçados tiveram um forte componente racista: buscando a “russificação” de territórios, a ditadura stalinista promoveu a limpeza étnica de grupos regionais, substituindo-os por aqueles que considerava menos resistentes à sua política. Quase 100 mil membros do povo kalmyk, originário do sudoeste da Rússia, foram deportados na Operação Ulussy de 1943, e metade deles morreu na Sibéria antes de um decreto autorizá-los a voltar para casa, treze anos depois. 
A violência das deportações foi tamanha que a própria URSS, já próxima do fim, acabaria reconhecendo como um crime contra a humanidade – identificando-as como uma “ação bárbara do regime de Stalin”. Em novembro de 1989, o Soviete Supremo condenou as deportações como algo que “contradiz as fundações da lei internacional e a natureza humanista do sistema socialista”. 

15. Repressão à Revolução Húngara (1956) 


Com o final da Segunda Guerra, a Europa passou a conviver com a ideia da Cortina de Ferro. “De Stettin, no Báltico, a Triste, no Adriático, uma ‘Cortina de Ferro’ desceu sobre o continente. Atrás daquela linha estão todas as capitais dos antigos estados da Europa Central e Oriental. Varsóvia, Berlim, Praga, Viena, Budapeste, Belgrado, Bucareste e Sofia; todas essas cidades famosas e as populações ao redor delas estão agora naquilo que eu chamo de esfera soviética, e todas estão sujeitas, de uma forma ou de outra, não apenas à influência soviética, mas a um controle muito alto e em alguns casos crescente desde Moscou”, disse o premiê britânico Winston Churchill, nos estertores da Guerra Mundial. 
A Revolução Húngara de 1956 seria o primeiro grande questionamento ao domínio soviético vindo de trás da Cortina de Ferro – a tentativa inicial de um estado-satélite de Moscou tentar recuperar a sua soberania e autodeterminação. 
Foi, também, um teste de fogo para detectar qual seria a nova postura do Partido Comunista após a morte de Stalin, que naquele ano havia sido denunciado pelo seu sucessor, Nikita Khrushchev. 
O que começou como uma revolta estudantil tomou proporções nacionais após um manifestante ser morto pela polícia estatal húngara, a ÁVH. Nos dias seguintes, milícias armadas anti-soviéticas começaram a bater de frente dom as tropas locais e com os soldados do Exército Vermelho presentes no país.  
Embora o governo húngaro inicialmente tenha anunciado o interesse em negociar uma saída dos soldados soviéticos, logo a revolta passou a ser reprimida com violência, acabando em 10 de novembro de 1956, apenas dezoito dias após o seu início. 
Ao todo, cerca de 3 mil húngaros foram mortos nos conflitos, e outros 200 mil se exilaram. O número de asilados políticos incluía até mesmo os craques da Seleção Húngara, vice-campeã mundial dois anos antes. Boa parte do time defendia o Honvéd de Budapeste e estava na Espanha para uma partida quando a revolta estourou, decidindo jamais voltar. Ferenc Puskás, maior jogador húngaro da história, acabaria assinando contrato com o Real Madrid e chegaria a defender a Seleção Espanhola. 
Dois anos após o levante, aqueles que Moscou consideravam os principais líderes foram gradativamente executados, entre eles Pál Maléter, o líder militar dos revolucionários, e Imre Nagy, o primeiro-ministro húngaro no momento em que a revolução estourou, considerado um “traidor”. 
A violenta repressão, somada à denúncia do stalinismo ocorrida mais cedo naquele ano, abalou muitos membros do Partido Comunista ao redor do mundo, que nos anos seguintes passariam a questionar os rumos dados pela URSS à Revolução. 

16. Intervenção na Primavera de Praga 1968 


Um novo questionamento ao domínio soviético sobre o Leste Europeu ocorreu na Tchecoslováquia entre janeiro e agosto de 1968. 
Alexander Dubcek havia sido eleito Primeiro Secretário do Partido Comunista do país e passou a implementar uma série de reformas que reduziam a centralização do poder e da economia, ensaiando uma abertura em relação ao Ocidente. 
Moscou buscou negociar a interrupção das reformas nos bastidores e, diante da recusa do governo de Praga em ceder sua autonomia, mais de meio milhão de soldados das nações ligadas ao Pacto de Varsóvia invadiram a Tchecoslováquia na madrugada de 21 de agosto.  
A intervenção militar foi uma demonstração de força e um alerta a outros países. Marcava o início do que ficaria conhecido como a Doutrina Brezhnev (Leonid Brezhnev havia derrubado Khrushchev e passado a comandar a URSS em 1964): segundo ela, a autodeterminação dos povos e a soberania das nações podiam ficar de lado se o socialismo estivesse ameaçado – neste caso, a ameaça não era apenas ao país em que as reformas ocorriam, mas a todas as nações sob a esfera soviética. 
Relativamente, a invasão soviética de 1968 não teve um derramamento de sangue tão grande quanto outros episódios dessa lista: foram registradas 137 mortes de civis. Alexander Dubcek também não foi removido imediatamente de seu posto – isso só ocorreria em abril de 1969, após a Tchecoslováquia vencer a URSS na final do Campeonato Mundial de Hóquei e a multidão usar a celebração do título como pretexto para tomar as ruas em protesto contra a ocupação do Exército Vermelho. Mas o encerramento forçado da Primavera de Praga indicava que tempos duros voltariam à vida cotidiana: quase 300 mil tchecoslovacos fugiriam do país nos anos seguintes. 
Como havia ocorrido em 1956, a ocupação de 1968 também foi um momento de ruptura para comunistas e socialistas ao redor do mundo, que passaram a criticar cada vez mais abertamente as políticas de Moscou. 

17. Janeiro Negro (1990) 


Depois de tentativas frustradas nas décadas anteriores, a Cortina de Ferro acabaria sendo derrubada rapidamente no final dos anos 80. A partir de 1989, regimes comunistas do Leste Europeu foram se esfacelando um a um, e a onda de mudanças chegou também à União Soviética, onde a Perestroika e a Glasnost de Mikhail Gorbachev haviam aumentado a liberdade de questionar o governo e reduzido os níveis de repressão que costumavam sufocar os movimentos opositores. 
Quando ficou claro que a situação estava saindo de controle, o governo soviético chegou a reviver a mão pesada de outros tempos, matando centenas de manifestantes em episódios como os protestos de Jeltoqsan, no Cazaquistão (1986), e a chamada Tragédia de 9 de Abril, na Geórgia (1989). Um dos episódios mais conhecidos da queda da URSS foi o chamado Janeiro Negro, quando pelo menos 90 pessoas foram mortas durante a repressão aos protestos que pediam a independência da então República Socialista Soviética do Azerbaijão, em janeiro de 1990. 
A repressão no Azerbaijão foi duramente censurada por oficiais do Kremlin, que proibiram a circulação da mídia impressa e destruíram o fornecimento de energia à TV e rádio estatais na capital, Baku. 
Mesmo assim, a Rádio Free Europe, mantida com financiamento norte-americano, conseguiu emitir as notícias para o restante do mundo, gerando protestos em escala global. O Azerbaijão decretaria sua independência formal em outubro de 1991. A União Soviética implodiria definitivamente dois meses mais tarde, quando a bandeira vermelha foi baixada em Moscou pela última vez, em 26 de dezembro de 1991.

Fonte de consulta: Gazeta do Povo



Nenhum comentário:

Postar um comentário