sexta-feira, 30 de março de 2018

Intervencionista com razão ou sem noção?



Há cerca de dez anos no ativismo por Intervenção Militar, vejo hoje que ele já acontece. Não como em 64, pois, estamos no século XXI e num mundo globalizado onde o pensamento esquerdista está enraizado nas organizações que podem decidir sobre sanções num ato impensado de tomada abrupta de poder.
Continuo sendo intervencionista, mas usando a razão e conhecimento que me faz compreender este cenário atual. Mas ficaram na retaguarda os intervencionistas sem noção que, sem um pingo de conhecimento, acham que 64 pode ser repetido no presente.
Nas ultimas três décadas nossas Forças Armadas estiveram ao largo da política e deu no que deu. Hoje temos candidato abertamente apoiado pelas Forças Armadas, cujos Generais tão aclamados pelos Intervencionistas não omitem ser o candidato das Forças Armadas.


Temos dois dos melhores Institutos Tecnológicos do Brasil e referência também no mundo moderno, o IME e o ITA, que já foram oferecidos ao TSE para implantar o sistema de voto impresso nas urnas eletrônicas, sendo negado. Mas nossas Forças Armadas saberão usar a tecnologia para proteger a democracia espelhada no voto.


Em entrevista o General Mourão foi perguntado se existe a possibilidade dos militares voltarem ao poder, ao que respondeu: “Sim, se eleitos”. Querem afirmação mais clara do que estas palavras? O cenário está ai, exposto para quem tiver capacidade de entender.
Mais de 60% do eleitorado brasileiro é de direita, mas, 40% destes, se omitem na escolha por não verem um representante na disputa, cometem o BAN (brancos, abstenções e nulos), deixando a esquerda bem a vontade para eleger seu representante, pois eles sabem que são minoria e votam em massa.

Coronel Ênio Fontenelle, o BAN

Vejo intervencionistas incentivarem o BAN, e isso é o que a esquerda mais gosta nesse movimento moribundo. Ao lerem meus textos, se é que leem, dizem para eu tomar vergonha na cara, me xingam e ameaçam de agressão. Digo que: Ou estão a serviço da esquerda ou são incapazes de entender o atual momento. Se for por ignorância, os aconselho a estudarem superficialmente as matérias ministradas nas Escolas de Comando e Estado Maior.
Nossa Intervenção vai ser pelas urnas, fraudáveis ou não! Intervencionista de verdade confia em suas Forças Armadas!


Agora, quanto ao senhor Arthur Teixeira, que usou meu vídeo desta carreata, para ameaçar me enfiar a porrada e que deve estar presente, estou aqui a sua disposição. Esclareço o seguinte: Muitos quiseram, poucos tentaram, ninguém conseguiu.


Esta carreata foi planejada e divulgada há mais de dois meses e não devo obediência aos seus senhores senhor ArthurTeixeira.


Infelizmente esse tipo de gente está acabando com o movimento intervencionista, por ignorância ou por dolo.

Um comentário:

  1. Você sabe o que é teatro de operações?

    Não, não é uma peça teatral onde se encena uma cirurgia médica.

    Teatro de operações é a linguagem militar para CAMPO DE BATALHA!
    Em uma guerra os campos de batalha são o lugares onde estão as forças militares, as fortificações, as trincheiras e as tropas, geralmente são pontos estratégicos em alguma região dos países envolvidos na guerra, onde, teoricamente, quem tiver maior poderio militar, vence e avança no território, quanto mais território conquistado, maior as chances de se vencer a guerra.

    Em uma guerra de quinta geração, que o Brasil vive hoje, o teatro de operações mudou dos campos de batalha físicos, para outras frentes.

    Hoje o Brasil é atacado por todos os lados, e por todos os meios, o objetivo é enfraquecer o cenário político, econômico, tecnológico, psicossocial, ambiental, militar e a soberania de nosso país, através de agentes internos - essa classe política criminosa - financiada pelos agentes externos - OS MALDITOS GLOBALISTAS!

    Em uma guerra convencional existe o Tratado de Genebra, são regras e leis internacionais que definem os crimes de guerra, claro que é difícil de se comprovar tais violações ao Tratado de Genebra, até mesmo porque as testemunhas quase sempre são mortas nos campos de batalha. Em uma guerra de quinta geração não existe tratado algum, não existe regras, não existem leis, só existem interesses globais, OS INTERESSES DOS DONOS DO MUNDO e para eles VALE TUDO!

    Em uma guerra convencional, no campo de batalha, você vê, identifica e tem chance de abater o inimigo, enquanto em uma guerra de quinta geração seu inimigo é invisível, traiçoeiro, sorrateiro, poderoso, covarde e cruel.

    Não se combate um inimigo assim com bombas e chumbo grosso!

    Como combatê-lo então?

    Se é uma guerra, usa-se as técnicas da milenar arte da guerra, adaptadas ao cenário atual.
    DISSUASÃO E DISSIMULAÇÃO!

    PRIMEIRO FOI NECESSÁRIO IDENTIFICÁ-LOS, DEPOIS DESMASCARÁ-LOS, PARA SOMENTE ENTÃO DEPOIS DESMORALIZÁ-LOS, ou seja, usar as armas do inimigo contra o próprio inimigo, o resultado é esse:

    O povo, sem nem mesmo entender o que está acontecendo, sem nem mesmo conhecer e saber que estamos em uma guerra de quinta geração, sabe AGORA QUEM SÃO e odeiam nossos inimigos - ESSA CLASSE POLÍTICA CRIMINOSA E ASSASSINA, TRAIDORA DA PÁTRIA E INIMIGA DO BRASIL!

    Basta ver o fracasso do ladrão de nove dedos, hostilizado pelo povo por onde quer que vá, e ver que os políticos e seus asseclas não ousam andar livremente entre o povo.

    Mas por que será que existe um político que anda entre o povo, é aplaudido, ovacionado, adorado e carregado nas costas por esse mesmo povo que odeia os políticos?

    ESSA GUERRA DE QUINTA GERAÇÃO NÃO SE VENCE COM BOMBAS E CHUMBO GROSSO, SE VENCE COM INTELIGÊNCIA, PACIÊNCIA, DISSIMULAÇÃO, E ESTRATÉGIA SEPULCRAL!
    BRASIL ACIMA DE TUDO!
    DEUS, PÁTRIA E FAMÍLIA!
    Reinaldo Bueno Junior

    ResponderExcluir