sexta-feira, 2 de março de 2018

O "TUDO POR DINHEIRO" na PMERJ.


Sou o marido da Louzada, apesar de ser avesso a redes sociais, estou usando a da minha esposa para emitir minha opinião.
O que é um porta voz ? Na teoria creio que o porta voz de uma tropa, já tão sofrida como é a da PMERJ, deveria ser aquele que transmiti os anseios do soldado mais recruta até os do policial mais antigo .

Na prática porém o porta voz da Polícia Militar do RJ não tem uma missão tão nobre, já que recebe uma gratificação bem alta para ser marionete do governador e chega ao ponto de coagir e punir qualquer policial que critica o governo, a fim de garantir mais de 20 mil reais mensais na sua conta bancária .
Acompanhei a minha esposa desde a hora que o major Ivan Blaz enviou ,via zap ,a seguinte mensagem : "Camarada, boa tarde. Preciso que você venha buscar seus DRDs pendentes aqui na CCOMSOC, assim como o novo, referente a sua entrevista . " , e também quando o major Ivan Blaz ordenou que policiais, através de inúmeros planos de chamada, fossem ao nosso lar para, como custumam dizer, "panhar ela em casa", como se ela fosse alguma bandida foragida.

Entrevista da Cabo Louzada, ela disse mentiras?
Ao chegarmos lá, contra a minha vontade, pois alertei a Flávia que ela está de licença médica e não era obrigada atender tal ordem absurda, ficamos desde às 13 horas até às 18 horas retidos na CCOMSOC. Reclamei inúmeras vezes que ela era gestante, com quadro de risco, hipertensa e já estava há horas sem se alimentar, porém para minha surpresa uma major feminina, quando resolvi tomar atitude de irmos embora, recebeu um telefonema e disse ser o major Ivan Blaz ordenando a condução forçada da minha esposa para a Corregedoria, isso já às 18 horas não se sentindo bem, o resto vocês já sabem .
O major Ivan Blaz se indignou com a minha esposa por ela ter criticado o governador, indignação que não vi ele ter quando o mesmo governador comparou policiais mortos no RJ com galinhas e tão pouco quando policias militares ficaram sem seu 13° salário de 2017 até o momento. A energia que falta a ele na hora de defender a sua tropa desse governo omisso, sobrou na hora de defender com unhas e dentes a imagem ( imaculada?) do governador de vulgo Pezão.
O major Ivan Blaz extraiu DRD para minha esposa no qual ele próprio escreveu o que julga ser a " transgressão gravíssima" cometida por ela :
" Concedeu entrevista pronunciando-se de forma desrespeitosa sobre autoridade civil, o governador do Estado, censurando-o e procurando desconsiderá-lo".
Minha esposa está sendo punida pelo porta voz da PMERJ por censurar e desconsiderar o governador Pezão, porém como classificar o que o Pezão tem feito com todos os policiais militares e seus familiares? Como não desconsiderar um governador cujo chefe, Sérgio Cabral ,é o maior bandido da história do Rio de Janeiro?
Se essa foi a transgressão tão grave, segundo o major Ivan Blaz, que minha esposa cometeu e por isso ela foi punida por ele por mais de seis horas sem poder se ausentar da CCOMSOC e após ainda ser conduzida contra a vontade, já passando mal, a Corregedoria, posso dizer com todo orgulho do mundo que essa transgressão ela deve carregar como uma medalha, porque ela sim foi uma porta voz de verdade, ela falou o que está entalado na garganta de uma tropa inteira, vítima dos desmandos do governador ,que foi braço direito de um condenado da justiça .
A diferença é que minha esposa é porta voz da tropa por amor, "bota a cara para bater para defender os seus" sem receber nada por isso, já o major Ivan Blaz para ser porta voz ( cargo indicado, que passa pelo crivo do governador e da direito a ele receber uma gorda GRATIFICAÇÃO capaz de fazer seu salário ultrapassar os 20 mil reais mensais e ser maior do que o de um coronel ) ganha muito bem para isso ,e para permanecer nesse cargo tem que servir os interesses sórdidos do governo, e para isso se presta ao papel de submeter uma mulher grávida de gêmeos a tudo que ele submeteu a minha esposa, somente para defender a honra do governador Pezão, mas será que existe defesa para o indefensável?
Não sou policial militar, mas diante do amor exacerbado que minha esposa tem por essa corporação, é impossível não admirar esses bravos guerreiros e sentir tristeza, pois uma tropa de heróis merecia ter um porta voz que defendesse os seus e não um que defende o governador que faz o que todos sabem, não só com policiais, mas com toda sociedade carioca.
E você major Ivan Blaz é digno de pena , porque a minha esposa vai poder falar para os nossos filhos,sem medo, toda a história de coragem a qual ela tem e do amor genuíno que ela possui pela sua corporação e pelos seus " irmãos de farda ", como ela custuma falar, já você terá que esconder dos seus essa parte vergonhosa da sua vida, que é defender um governador que é responsável pela morte dos que vestem a mesma farda que você, afinal as condições desumanas que os policiais trabalham e os tornam vulneráveis a morte, é culpa daquele homem que te colocou no cargo de porta voz e paga sua gorda gratificação, aquele homem que para defende-lo você foi capaz de colocar em risco a vida de uma mulher e das duas crianças as quais ela carrega no seu ventre , crianças essas que ainda não nasceram porém já aprenderam como pode ser prejudicial um homem ligado aos interesses políticos, um homem capaz de virar as costas para os seus pares afim de se manter no cargo e receber uma generosa gratificação.

Do que o Major Ivan Blaz está sendo acusado? Veja aqui

No momento em que a segurança pública do estado vive sua maior crise, a marca mais famosa da Polícia Militar do Rio, o Bope, serve para que dois oficiais da corporação, um deles relações-públicas da própria PM, vendam treinamento para CIVIS. 
A Corporação é o seu negócio lucrativo - Veja aqui!


Embora negue sua participação com fins lucrativos nas empresas, dizendo ser palestrante convidado, a denuncia foi enviada a Corregedoria PMERJ e ao Ministério Público RJ, mas, até o momento não se pronunciaram como não se pronunciarão com a mesma presteza que fizeram com uma mulher doente, de licença médica, grávida, que precisou de cuidados médicos devido ao sofrimento imposto dentro do QG PMERJ. 
Corregedoria PMERJ de posse de denuncia não teve a mesma "presteza" aplicada quanto a Cabo Louzada - Veja aqui!


Por muitas vezes o Major Ivan Blaz foi merecedor de elogios por suas declarações com criticas aos que denigrem a imagem da PMERJ, na maioria das  oportunidades se colocando como “policiólogos” detentores de uma imbecilidade sem tamanho. Custo acreditar nas acusações deste marido de uma policial militar, pois, o Major Ivan Blaz em sua posição de porta voz da PMERJ poderia no máximo ter participado a sua suposição de transgressão disciplinar praticada pela Cabo PM Louzada e não ter tomado as medidas imputadas a ele, configurando, se confirmadas, abuso de autoridade e até tortura. Que se manifeste sobre esta acusações GRAVES, correndo o risco, se culpado, ser mais um ser subserviente aos desmandos cometidos na Corporação. Os que ele acusa estão rondando e cooptando oficiais superiores para serem seus porta vozes maléficos.





3 comentários:

  1. Ele morava aqui em Campo Grande sempre foi colado com esse pessoal,da milicia que aqui existe,e o desvio de dinheiro público que aqui existe,sempre souberam que o TCP estava me puxando sabendo,em 2014 o Peixe expulsou todo de lá.Quero ver é me prender.....

    ResponderExcluir
  2. Ele morava aqui em Campo Grande sempre foi colado com esse pessoal,da milicia que aqui existe,e o desvio de dinheiro público que aqui existe,sempre souberam que o TCP estava me puxando sabendo,em 2014 o Peixe expulsou todo de lá.Quero ver é me prender.....

    ResponderExcluir
  3. Ele morava aqui em Campo Grande sempre foi colado com esse pessoal,da milicia que aqui existe,e o desvio de dinheiro público que aqui existe,sempre souberam que o TCP estava me puxando sabendo,em 2014 o Peixe expulsou todo de lá.Quero ver é me prender.....

    ResponderExcluir