segunda-feira, 12 de março de 2018

Quem tem medo de Bolsonaro além da imprensa?



Os dois piores conselheiros da imprensa atual são: o medo e o desespero. Elementos presentes na candidatura Bolsonaro. Um candidato sem dinheiro, sem partido e sem máquina propagandista, mas com incontáveis potenciais eleitores.
Ao ler a reportagem desonesta da revista IstoÉ tive a certeza de que os dois fatores acima determinarão o que será dito ou escrito contra o candidato.
Resgatam falas infelizes, deturpam citações, interpretam “cumpañeramente” o que lhes convém, manipulam fotos com semblantes beirando a raia da esquizofrenia e, sobretudo, tentam imprimir uma imagem de um homem-demônio para criar uma repulsa quase leprosa nos brasileiros.
Tudo isto para afastar sua tendência atual: ser o único nome capaz de enfrentar a velha política nacional, que está disposto a enfrentar as graves consequências e os reflexos da degeneração sócio-econômico-moral vivida pelo Brasil.
Bolsonaro não é perfeito e não está imune a críticas – é bom que seja questionado de forma séria e saudável, isto faz parte da democracia. Como ele mesmo disse: “Messias é só no nome, não sou salvador da pátria”. Entretanto, o que o mainstream brasileiro faz é absolutamente desonesto e seletivo. Primeiro, porque distorce o contexto e relativiza o estado de barbárie do Brasil atual – que deverá obrigatoriamente ser enfrentado por mãos firmes, não contaminadas pela praga do politicamente correto. Segundo, porque tivemos num passado não tão distante, políticos que pleitearam ( e levaram) a Presidência da República que falaram frases infinitamente mais infelizes e jamais foram rotulados de “ameaça totalitária”.
Vale lembrar das “brincadeirinhas” ( para a imprensa ) do mestre Lula da Silva elogiando genocidas como Adolf Hitler e Mao Tse Tung – dois assassinos totalitários que o Lulinha Paz & Amor nutre confessa admiração. Vale refrescar a memória meio enferrujada dos nossos queridos jornalistas, quando o sociólogo prafrentex FHC chamou os aposentados brasileiros “carinhosamente” de vagabundos. Vale não esquecer do inclusivo Lula se referindo grosseiramente a suas feministas de plantão como mulheres daquilo duro, ou ainda dizendo que Pelotas é polo exportador de homossexuais.

Afinal…A lista é longa e memorável. Mas a seletividade norteia nossos iluminados escrevinhadores que se julgam os únicos, hoje, a influenciar a opinião alheia. Todavia, qualquer um poderá ter acesso ao que foi dito pelos nossos amados ex-presidentes, basta uma simples consulta.
Na atualidade, acusam Bolsonaro de “ignorância econômica” e aí mais risível torna-se o libelo de seus detratores. Tivemos dois presidentes analfabetos nos últimos anos e isto nunca foi motivo para qualquer questionamento e/ou impeditivo. Mas, enfim, algo precisa ser dito em um país de economia ARRASADA pelo socialismo. Assim, o tema não poderia ser ignorado. Compreensível a tentativa.
Enquanto o “democrático” e já condenado candidato Lula regurgita seu ódio contra a democracia e promete “regulamentar a mídia” ( outro nome para a censura); perseguir juízes que cumprem a lei – e que tiveram a inaceitável audácia de interromper seu projeto de poder, descortinando as maracutaias de sua quadrilha – o candidato que posta-se como uma ameaça autoritária é, claro, Jair Bolsonaro.
Bom, os dois conselheiros da imprensa acima citados – o medo e o desespero – serão decisivos para desmoralizar ainda mais a desacreditada imprensa nacional – a mesma que durante décadas, anos e muitos carnavais foi servil ao projeto mais audacioso e covarde que o Brasil já teve: o da implantação do socialismo cucaracha, aquele que também distribuiu gordos pixulecos para nossos “isentos” palpiteiros leninistas e stalinistas que confortavelmente sentaram-se nas redações dos jornais e hoje coordenam a jovem moçada atrasada em Woodstock, para que ela continue a enganar o povo brasileiro. Resta saber se conseguirão!
Não é de hoje que a propaganda é alma do negócio. Estes formadores de opinião de araque são os únicos que ainda não perceberam que o Brasil defendido pela imprensa é justamente tudo aquilo que não mais queremos. A maioria dos nossos jornalistas está trabalhando para aqueles que podem eleger Jair Bolsonaro. O “mito” que realmente existe chama-se o “mito da imprensa isenta”, nada mais.
Ademais, toda arrogância tende a ser castigada.


Nenhum comentário:

Postar um comentário