quarta-feira, 30 de maio de 2018

A Intervenção Militar é você que faz!


Há 54 anos, pediram Intervenção Militar. Foram ouvidos. O Brasil foi salvo, mas teve que pagar um preço. Ao longo dos anos, a Intervenção virou “golpe” e o governo militar, “ditadura”. Os heróis foram abandonados, esquecidos e injuriados... viraram “torturadores e fascistas”. Quem abraçou a carreira militar, tem que conviver com salários abaixo do medíocre, face às enormes responsabilidades com que têm de lidar, usualmente é “amordaçado” para não se manifestar como cidadão, é caçado e morto na “cidade maravilhosa”, não têm equipamentos, armamento e munição para estarem preparados para fazer o que deveriam e tem que ver seus filhos aprenderem nas escolas que as FFAA eram o “lado inimigo” enquanto Marighelas e Dilmas eram “bravos heróis que lutaram por liberdade” e a “Comissão da Verdade” prova isso só com palavras...

Não votar é colaborar muito para que a esquerda eleja um governante.

Pois bem. A História evolui, mas é cíclica. O Brasil se vê nas entranhas de um poço e continua cavando. Alguns pedem desesperadamente por Intervenção Militar sem saber ao certo o que é e pra que serve. Pois eu digo: Resolvam o problema com o “voto direto” que tanto pediram após abandonarem e cuspirem naqueles que os salvaram. Suportem as convulsões de um organismo adoecido, pois não aceitaram remédios amargos antes! Hora de ser “brasileiro com muito orgulho e muito amor”!

Se a sociedade quisesse heróis, teria sido justa na História. Hoje a sociedade não necessita de salvação, mas sim de evolução. Na beira do penhasco, ou se extingue ou se evolui. Não quero estar sentado numa cadeira, em 30 anos, respondendo como um criminoso, só porque fiz o que tinha de fazer pra salvar o meu país.
Autor: Marcelo Gonçalves

"Nós não somos a solução dos problemas do País, nós não somos a sua representatividade legal nem constitucional", diz militar

Ten Cel Ref  Regina Moézia

Intervencionistas nas portas dos quartéis se lamuriando e com eles milhões nas redes sociais. Clamam para que os militares resolvam o problema político do brasil, mas estiveram ausentes da política por décadas. Estão como criancinhas que depois de fazer algo errado procuram desesperadamente alguém que conserte a merda que fizeram. Ora, a Sociedade tem que amadurecer! Refitam! Qual é a saída democrática para a situação? Embora os diversos militares intervencionistas ativos durante anos estejam apontando o caminho, hoje os taxam de covardes. 

General Mourão

General Mourão

General Heleno e Mourão, Coronel Ênio Fontenelle estão entre eles e apostam nas urnas que os intervencionistas teimam em dizer "fraudáveis" para justificar seu repúdio e não assumirem suas responsabilidades. As urnas não são fraudáveis, foram fraudadas! Fraudadas na medida em que do universo eleitoral, onde 66% é de direita, destes mais da metade comete o BAN (votos em Branco, Abstinência e Nulos), deixando a minoria de esquerda bem a vontade para eleger um governante no País. Se confiam nas Forças Armadas para assumir a direção do País, deveriam confiar também em seus Institutos Tecnológicos IME e ITA na garantia de lisura nas eleições, afinal nunca se viu tantos militares se lançarem candidatos numa eleição como esta que está para acontecer. 

General Heleno

Os ajude a fazer a Intervenção Militar, pois, com tomada abrupta de Poder não acontecerá, ouça os sinais que estão nos dando. Não estamos em 64, estamos no século XXI!

3 comentários:

  1. Ok,mas é OS RATOS DO STF, COMO VAMOS ELIMINÁLOS ?

    ResponderExcluir
  2. As urnas nao são fraudaveis, 34 partidos politicos de esquerda, Ursal , Unasul Foro de São Paulo, Guerrilheiros
    Mensalão petrolão BNDS tudo ilusão.
    Chico Trevas
    Confia em um governo comunista. faz me rir

    ResponderExcluir
  3. lamentavel que os militares pensem dessa forma...uma falha não justifica outra..somos todo povo...iclusive os militares

    ResponderExcluir