terça-feira, 31 de julho de 2018

E conhecereis a verdade, e a verdade vos libertará. João 8:32


Em 1989 uma figura até então desconhecida surgia no cenário político nacional, o Dr. Enéias. Nascido em 1938, Enéas foi militar do Exército. Formou-se em Matemática, Física e
Medicina, especializando-se em cardiologia, sendo autoridade nacional na área. O médico resolveu fundar o PRONA depois que sua ex-mulher, cansada de suas reclamações a respeito da situação política do país, sugeriu que ele fundasse um partido e se candidatasse a presidente.
Enéas recolheu assinaturas de 112 alunos, ex-alunos, amigos e colegas de profissão e fundou o partido, que obteve o registro provisório em 29 de junho de 1989 com o número 56. Em pouco tempo, o PRONA já estava organizado em 14 unidades da federação e 110 municípios.
Criticando a Constituinte, prometendo fazer um governo “com determinação e decisão”, falando de ordem e usando a frase “Não aguento mais o que está aí” em sua propaganda, Enéas conseguiu atrair significativa parcela do eleitorado, notadamente os de perfil conservador. Dispondo de poucos segundos no horário eleitoral, o bordão “meu nome é Enéas” tornou-se marca registrada de sua carreira política.
Enéas levantou temas morais em sua propaganda, como a defesa da família contra “cenas de lascívia” na televisão, em horário nobre. Defendeu também o “Estado soberano, que detenha controle das questões estratégicas”. Em diversas ocasiões, criticou os institutos de pesquisa, que colocavam-no entre os “nanicos”. Defendeu também, durante seus programas de TV, a saúde pública e a previdência social. Um levantamento do Jornal do Brasil mostrou que os candidatos mais criticados por Enéas foram Lula e Fernando Henrique. Os temas mais abordados pelo candidato do PRONA foram ética, saúde e educação.
Pois bem, Enéias foi um crítico da política e dos políticos, uma novidade que se apresentava e certamente alcaçaria a Pr4esidencia da república do Brasil se algo não fosse feito. Em 2002 o Dr. Enéias obtém a retumbante votação de 1.600.000 votos, a mídia amestrada, composta por escribas de aluguel, regiamente pagos pelos "donos do mundo", iniciou uma sucessão de ataques brutais contra o Dr. Enéas e seus correligionários, procurando desqualificar, a qualquer preço, a magnífica vitória alcançada. 


Amado por uns, nem tanto por outros, mas respeitado por todos os brasileiros que amam sua Pátria. Pelas suas atitudes, discursos e idéias, ele provocava polêmicas e paixões. Porém, ninguém, em sã consciência, pode negar sua cultura universal, sua inteligência acima do normal, sua postura ética e moral inatacável, sua coragem física e intelectual, sua honestidade pessoal, sua generosidade, até em demasia, e, acima de tudo, seu incomensurável amor à Pátria. O Dr. Enéas não era um político, na acepção vulgar do termo. Ele estava político, mas, na realidade, era um emérito professor, um educador de mão cheia e um cardiologista de escol. Formado em Medicina, possuía o mestrado em cardiologia. Seu amor pelo conhecimento levou-o a fazer ainda cursos superiores em ciências exatas (matemática, física) na Uerj. Um dos seus passatempos prediletos era o estudo de idiomas estrangeiros, de Teoria Geral do Estado e Filosofia, além de ser um brilhante mestre na língua portuguesa. Era um cientista, adepto da ciência política. Foi um verdadeiro gênio na comunicação de massas. Quem conseguiria, sempre com poucos segundos no horário eleitoral gratuito (e apenas com isto), sem apoio de grupos empresariais ou financeiros, sob ataque permanente da mídia amestrada, obter a terceira votação para a Presidência da República em 1994, ultrapassando figuras expressivas da política nacional, como Leonel Brizola, Orestes Quércia e outros? Em 2002 obteve a maior votação já conseguida por um candidato a deputado federal (mais de 1,5 milhão de votos). Assim, catapultou mais cinco deputados federais em São Paulo, sendo traído por quatro deles menos de um ano após a posse. Orador de massas, conquistava a população com sua franqueza, criatividade e contundência. Debatedor invicto, lembrava o grande polemista governador Carlos Lacerda. Não era adepto da práxis política tradicional, nem ambicionava o poder como fim. Sempre se preocupou em elaborar e apresentar projetos nacionais, objetivando alcançar o bem comum. Tivemos a honra de participar destes trabalhos em companhia de ilustres companheiros e colegas a quem deixamos de nomear para não cometer a injustiça da omissão. Após 13 anos de convivência constante conosco e com outros colegas economistas, era capaz de discutir economia em profundidade com interlocutores de peso. Aprendia facilmente, pois era um excepcional mestre, tendo ministrado 65 cursos de pós-graduação na área da eletrocardiografia para dezenas de milhares de médicos. Entrou para a vida pública motivado pela indignação com o caos já vivenciado por nossa Pátria em 1989. Movido pelo idealismo fundou o Prona (Partido de Reedificação da Ordem Nacional). Sua postura nacionalista em defesa da soberania e da independência econômica do Brasil atraiu o ódio do sistema financeiro internacional (os chamados "donos do mundo") que, através de seus representantes na mídia amestrada, procurava desqualificá-lo de diversas maneiras. Todas as denúncias caíram, mas voltavam a ser veiculadas para erodir sua imagem. A maioria dos entrevistadores era declaradamente hostil a ele, em virtude de sua posição de confronto com o sistema, principalmente quando foi candidato a presidente. Esta tendência amainou-se em 2002, quando desistiu da candidatura à presidência e mais ainda agora, a partir do conhecimento público da grave enfermidade que o atacou. Na medida em que representava menos risco ao status quo, passou a ser menos maltratado pelos sicários do capital internacional. Apesar de ter sido alcunhado de autoritário e outros absurdos, era, no trato pessoal, extremamente educado, lhano, democrático, atencioso e generoso. Quase sempre se sacrificava para atender às inúmeras demandas que lhe eram trazidas frequentemente por diversas pessoas, próximas ou não. Sua postura em relação à imprensa era apenas uma reação natural de defesa, tendo em vista as desagradáveis experiências sofridas. Como todo ser humano, possuía seus defeitos. Seus adversários já exploraram exaustivamente qualquer vislumbre deles, portanto não serão objeto de análise neste espaço. Somos amigos do Dr. Enéas e, para nós, amigos não possuem defeitos. Agradecemos ao Grande Arquiteto do Universo pelo privilégio de tê-lo conhecido e com ele ter trabalhado em prol do Brasil. Era um brasileiro ímpar, patriota como poucos, incorruptível aos cantos das sereias que representam os interesses daqueles que nos dominam. Perdemos um verdadeiro líder, um excepcional nacionalista, cuja ausência terrena será muito sentida por todos os brasileiros verdadeiramente amantes da nossa Terra. Mas temos a certeza de que seus ideais permanecerão vivos na mente e na ação de nosso povo, inspirando nossa luta para recuperar a dignidade perdida. Marcos Coimbra Membro do Centro Brasileiro de Estudos Estratégicos (Cebres), professor aposentado de Economia da Uerj e conselheiro da ESG.
Monitor Digital


Tudo bem que você não goste de ler e pesquisar os candidatos. Mas pelo menos aguce sua curiosidade vendo este vídeo. Quebre a "banca"!


29 anos depois tudo se repete. a mídia continua ditando com seu "poder" sobre os que nada sabem, nada leem e nada ouvem. só emitem opiniões com os argumentos ditados por quem deveriam combater e, assim agindo, se tornam excelente colaboradores da anomalia que tomou conta do Brasil. O brasileiro, desinformado e usado como idiota útil, tem preguiça de ler e de ouvir; preferem repetir o que lhe é impregnado pela mídia amestrada que teme a mudança contrariando seus interesses.

Assim acontece com Bolsonaro, herdeiro das ideias de Enéias, ideias que não morreram com ele, estarão sempre presentes pois foram marcantes e despertaram uma grande sociedade carente de verdadeiros Lideres. 



Temos como exemplo a recente eleição de Donald Trump nos Estados Unidos, de como se comportou a mídia do mundo todo contra aquele que afetarias o sistema esquerdista que estava sendo implantado lá. No final perderam, perderam para o conhecimento, perderam para o desejo de saber a verdade.

Um comentário:

  1. Ótima lembrança! A diferença é que Bolsonaro terá vida longa e vai colocar a nossa pátria nos trilhos que a levaram para o rumo do crescimento
    as grandes nações.

    ResponderExcluir