sexta-feira, 13 de julho de 2018

SOBRE OS 13 DA CAVERNA TAILANDESA

Deus não costuma ser explícito em seus sinais...


Ao contrário, costuma nos sinalizar com a suavidade das coincidências discretas ou dos "acasos" programados... Enquanto o mundo se mobiliza em torcida e oração pelos meninos presos na caverna da Tailândia, fico contemplando a beleza mística de seus sinais...


Equipes especializadas de países de todo mundo se oferecendo voluntariamente para ajudar...Pessoas de todo o planeta unidas numa espécie de fraternidade universal, que de repente para e se importa com seus semelhantes mais remotos...

A mesma fraternidade humana pregada por um certo Rabi da humilde aldeia de Nazaré...

Depois de tantos séculos, o mundo para e se volta para Deus, pessoas das mais diversas religiões se irmanam numa mesma intenção, por causa de um líder e seus doze comandados, um mestre e seus doze seguidores, um técnico e seus doze jogadores...

Coincidência? Será mesmo? E se, além disso, muitos também decidem crucificar o líder, imputando a ele a responsabilidade pelo que está acontecendo, mesmo que as famílias dos garotos só reconheçam o belo trabalho feito por ele...

Contemplando tudo isso, me parecem tão claros estes sinais...


Os 12 de hoje, amedrontados, perdidos dentro daquilo que seria seu sepulcro natural, de repente se revelam ao mundo... Ali se mantiveram firmes e vivos, alimentados pela fé em seu mestre...E por causa disso ressurgem de lá, ressuscitam para suas famílias e para o mundo e da escuridão e do medo são resgatados pelo serviço amoroso de anjos anônimos...

E o mundo se maravilha com a força e com a coragem daquele grupo...

E, de repente, um deles começa a falar em inglês e os homens de todo o mundo compreendem sua fala e, mais uma vez, a humanidade se reconhece e se entende... Sem nenhum conceito comparativo, como não lembrar de Jesus e seus doze apóstolos?


Como não lembrar de seu tempo de trevas, de sofrimento, de fraqueza, de clausura, de morte e ressurreição? Como não pensar em Jesus entrando no cenáculo e trazendo paz, força e coragem a eles, nos dias que se seguiram à sua paixão?

Como não pensar em Pentecostes e no sopro do Amor Divino, ao ver aqueles fachos de luz brotando da água turva e tocando a face, a mente e o coração daqueles meninos.... Reacendendo sua esperança e sua fé!



Um mestre e seus 12.... Novamente 12 e seu Mestre...
Trazendo ao mundo uma Verdade, trazendo ao mundo um Caminho...

É possível fazer uma Vida diferente! Uma vida melhor! Fora de nossas cavernas escuras, distantes de nossos medos de ser!


Há 21 séculos um mestre convidou seus discípulos a uma excursão ao interior de si mesmos... E depois os fez pescadores de gente... E transformou o mundo...

Nos nossos dias um líder convidou seus comandados para uma excursão no interior da Terra... E da rede de solidariedade e oração formada por gente de todo o mundo, uma nova vida brotou da água através de cada um deles...


21 séculos.... Será que estamos alcançando alguma maturidade, depois de tanto tempo? Será que, finalmente, estamos entendendo um pouquinho deste Amor?

E tendo a coragem de compartilhá-lo? De vivê-lo?


Deus não costuma ser explícito em seus sinais...
Mas ao rezar por aquelas pessoas e comungar com toda a humanidade, com certeza na inspiração do Espírito Santo, pude contemplar em paz estes sinais, pude entendê-los...


Marcio Didier.

Um comentário:

  1. Excelente texto, é como Jesus Cristo declarou, "eu venci a morte".

    Abraços e parabéns pela publicação amigo.

    ResponderExcluir