sexta-feira, 10 de agosto de 2018

O debate sem delongas.


O debate foi proveitoso, não que fossem apresentadas propostas viáveis por parte dos sempre candidatos, mas nos trouxe a certeza de que os discursos são sempre os mesmos e, embora tenham participado do governo, não viabilizaram soluções.

São mais de 300 projetos de Bolsonaro, que se não foram aprovados, é culpa da merda que Boulos representa.


Boulos, um "bolo fétido" jogado nesta disputa, começou o ataque a Bolsonaro, tocando numa questão já resolvida onde um jornal tentou jogar uma acusação sem fundamento. Logo Boulos, um invasor de propriedade alheia, que almeja lucros com os já combalidos necessitados que ele usa.


Alckmim, fala em "guarda nacional", mais parecendo estar disposto a legalizar a ainda inexistente Força Nacional, que nem sequer consta na Constituição como força de segurança. O PCC está registado no seu passado, bem como a merenda escolar.


Nos faremos, nós vamos levar, nosso projeto de governo, nossa administração, eu fui, eu fiz, eu farei...........foram os discursos usuais deles. Mas, quando tiveram oportunidade, nada fizeram.

Alvaro Dias pareceu ter feito um cursinho de teatro, com sua voz postada como se interpretasse um personagem que a todo custo tenta se fazer convincente. Mas sua cara cheia de botox, o fazendo mais parecido com a caranca do "Coringa", personagem do filme Batman, o deixa um tanto fantasioso.

Só faltou a maquiagem

Daciollo ainda bem crú para entrar numa disputa desta monta, pareceu mais ter sido lançado como uma "vingança" a Bolsonaro por ter descartado o Patriota como seu partido. No estágio de guerra em que nos encontramos, a educação a priori não vai resolver, pois, com os atrativos do crime nossos jovens de comunidades comandadas pelo crime, o verão como seu atrativo principal. Combater esta guerra, neutralizando os que insistirem no confronto armado e, só depois de reduzi-los ao estafe de criminosos, é que a educação será valorizada e buscada pelos jovens carentes.

Daciolo usa o discurso que agrada os intervencionista, principalmente os que ainda teimam em não votar. Mas sua colocação foi correta tocando neste assunto, já que Ciro já se mostrou grande admirador de Lula e de ditadores comunistas

Marina? Nem há o que falar sobre este personagem fictício também envolvido em falcatruas.


Ciro Gomes usou um discurso apaziguador, tentando desmanchar aquela imagem do "coronel" ameaçador que ele construiu nos seus momentos de sanidade duvidosa.



Meirelles? FODA-SE ele!!!


Seria um tanto suspeito se eu elogiasse Bolsonaro aqui, pois sou seu fã e difusor gratuito de sua candidatura. Mas seu discurso, ainda que longe do "politicamente correto", usando a linguagem que queremos ouvir, foi o que mais agradou, passando o corte rápido quando foi preciso.


2 comentários:

  1. Bolsonaro foi a realidade entre ridículos e dissimulados. Aquueles que tentam a desmoralização de Boldonaro e produzem teorias para limpar as lamas, fétidas, social e administrativa que produziram e das quais se alimentam.

    ResponderExcluir
  2. Bolsonaro foi a realidade entre ridículos e dissimulados. Aqueles que tentam a desmoralização de Bolsonaro e produzem teorias para limpar as lamas, fétidas, social e administrativa que produziram e das quais se alimentam.
    Texto corrigido.

    ResponderExcluir