quarta-feira, 31 de outubro de 2018

Bolsonaro admite não resolver certos problemas!


Bolsonaro admite que não vai conseguir resolver alguns problemas que se arrastam há anos:
- Folga no volante de Kombi


- Trambulador de Opala


- Carburador de XT 225


- Vazamento de Óleo em Harley


- Batida de válvula de gol g5


- Quebra de pivô da linha GM... Opala Chevette C10


- Contra golpe de pedal de XLX


- Rachadura no cabeçote de fusca rebaixado


- Dono de Chevette sem pé molhado


- Barulho na tampa traseira de veraneio e passat 3 portas


- Ferrugem na tampa da mala do gol 1.0 quadrado


- Ferrugem no numero do chassi do Uno Fiesta


- Explosão de Marea


- Rachadura do cabeçote da moto CB300.


O RESTO DEIXA COM ELE!

Os petistas ainda não entenderam o que aconteceu?


Os petistas ainda não entenderam o que aconteceu?
Eu explico:
A leitura real das urnas que os PTistas não conseguem enxergar.
Quem venceu a eleição fomos nós e não o Bolsonaro.
Nós vencemos a eleição pra ele.
Nós vencemos sem partido.
Nós vencemos sem Jornal Nacional.
Nós vencemos sem Exércitos do MST e cia Ltda.
Nós vencemos sem dinheiro.
Nós vencemos sem horário político e propagandas milionárias.
Nós vencemos sem a presença do candidato, 30 dias hospitalizado.
Nós vencemos sem Temer, FHC, Marina, Ciro, Alckmin, Barroso, Tófolli, Chico, Caetano, Segunda Instância, Folha, Estadão e o Diabo a Quatro.
Pra falar a verdade eu não sei como vencemos, o que sei é que vocês erraram o alvo, erraram feio, perderam um tempo danado tentando achar uma culpa no Capitão e não perceberam que o inimigo éramos nós e não ele. 


Vocês esqueceram toda a tortura que nos fizeram durante esses 16 anos. Seus ídolos nos fizeram de idiotas e vocês riram da nossa cara de coxinha com o seu bafo de mortadela.
Vocês se esqueceram de tanta crueldade feita contra esse povo. 
Vocês se esqueceram de que cada real roubado saiu do bolso de um de nós. 
E o pior para vocês, vocês se esqueceram de que tudo tem um limite e esse limite fomos nós.
Desta vez nós iríamos ganhar de qualquer maneira, com Bolsonaro ou com qualquer um outro que se posicionasse à direita desta máfia esquerdista instalada nos quatro cantos da nação.
E para encerrar eu os conforto, não se preocupem com o Bolsonaro, nós sabemos muito bem o que queremos e se por uma fatalidade ele sair fora da linha, nós iremos sair com ele muito mais fácil do que saímos com a sua presidenta.

*Democracia não tem partido e bandeira, somente a vontade do povo.

Assinado: Povo Brasileiro

Se não forem neutralizados, que sejam ELIMINADOS!



Eleito governador do estado do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, do PSC, afirmou em entrevista ao programa Estúdio I, da GloboNews, nesta terça-feira (30), ter solicitado levantamento de quantos "snipers" – atiradores de elite – existem em unidades especiais das polícias Militar e Civil.

Witzel, que é ex-juiz federal e foi eleito com quase 60% dos votos válidos, também anunciou que irá pedir ao governo federal a manutenção de decreto de Garantia da Lei e da Ordem por mais dez meses.

"Prefiro defender policiais no Tribunal do que ir a funeral. O policial será defendido. Se condenado, nós vamos recorrer. Se a sentença for mantida, é um risco que a gente corre. O que me deixa desconfortável é ver bandido com fuzil na rua."

Cenário cada vez mais comum nas ruas do Rio de Janeiro.


Quem em sã consciência não sabe que traficantes armados com armas de guerra estão dispostos a matar sem o mínimo de raciocínio? É o que estamos vendo todos os dias, qualquer movimento pode desencadear um disparo fatal de uma arma feita para matar!

Com muita maestria o General Heleno, nosso futuro Ministro da Defesa, que já foi Comandante de nossa Força de Paz no Haiti, se pronuncia a respeito do assunto. 

E isso não está acontecendo só contra nossos policiais, está vitimando a sociedade como um todo, pois um disparo de uma arma de guerra por criminosos há tanto protegidos pela merda dos “direitos dos manos” e sem qualquer compromisso com a legalidade, mata sem seleção.

Cenário há décadas presente nas "cumunidades" do Rio de Janeiro.

Nas “cumunides” pessoas, criminosas ou não, estão sendo mortas, esquartejadas e incineradas; sem que ninguém reclame às autoridades. É a “pena de morte” que nossa Lei não alcança.

Eles não se mostram intimidados, só a "eliminação" pode dar um basta nisso!

Quem porta uma arma de guerra, inspirado pela impunidade que imperou por décadas não vai entregar suas armas em respeito ao desarmamento, pois este só desarmou a sociedade para que ficasse à mercê de bandidos.

Entrevista com o Juiz Wilson Witzel, governador eleito. E a repórter FDP fala em "cidadão armado de fuzil, o cidadão foi desarmado BABACA!

Neste ponto elegemos alguém compromissado com a sociedade, não com vagabundos, políticos e partidos narcotraficantes, travestidos de defensores de “direitos humanos” que optaram fazer do ramo do tráfico de drogas e armas sua principal fonte de renda. A Lei do Abate deve ser aplicada rapidamente para subjugar essas escória aos ditames da LEI!

Que assim seja, a Sociedade agradece!

Se não aceitarem serem neutralizados, que sejam ELIMINADOS! A Sociedade agradece, e MUITO!

Haddad precisa respeitar os quase 58 milhões de eleitores de Bolsonaro.

O candidato derrotado do PT pediu respeito para os mais de 45 milhões de brasileiros que votaram nele, mas fez um discurso de ódio.


Derrotado nas urnas, Fernando Haddad jogou fora a pele de cordeiro e assumiu o que tentou esconder durante toda a campanha.
Ao invés de demonstrar humildade e apreço pela voz das urnas, o mais “bonzinho” dos petistas, pediu respeito apenas para os 45 milhões de apoiadores, desprezando o que pensam aqueles que optaram pelo capitão reformado.
Os quase 58 milhões de brasileiros que estão do outro lado da margem do rio não mereceram uma mísera palavra de consideração.
Taxados de “fascistas”, “golpistas” e até “nazistas” simplesmente por não comungarem com os valores e as ideias petistas, os eleitores de Bolsonaro foram rechaçados por um discurso raivoso, virulento, de ódio, que, se não condiz com aquele que deveria ser feito por um verdadeiro democrata, por outro lado, desnuda o que o PT é na sua essência.
Embora muita gente de boa fé ainda acredite no ideário do PT, a verdade é que ao longo dos anos, Lula e asseclas, mergulharam um partido nascido sob o emblema da ética na lama, cujos líderes, com raras exceções, parecem pandilheiros ávidos por dinheiro sujo. 
Foi para essa gente que Haddad falou. 
O discurso do “nós contra eles” ressurgiu com toda carga de desolação que pode representar e que tanto mal já causou. A polarização extremada e deletéria que vivenciamos nos últimos meses é resultado desse pensamento que trata o oponente não apenas como adversário, mas como inimigo.
E o aliado de hoje será jogado no esgoto manhã, sem choro nem vela.
Ciro Gomes sabe bem disso. Daí, ter preferido a neutralidade. 
Haddad teve hoje uma chance única de sair maior do que entrou nessa disputa. Rejeitado pela cúpula petista, que o considera arrogante e sem a crosta dos “autênticos”, o ex-prefeito, ao invés de buscar a pacificação dos brasileiros, optou pela truculência, negando-se mesmo a cumprimentar Jair Bolsonaro, negligenciando o fato que, desde agora, ele não é mais apenas seu ex-contendor, mas o presidente de mais de 200 milhões de pessoas. 
Mas democracia, para o PT, só é boa quando ele vence. 
Sempre foi assim, e assim sempre será.
Domingos Fraga, R7

terça-feira, 30 de outubro de 2018

Ficou mansinho?

Maduro faz apelo para que governo Bolsonaro retome relações com a Venezuela.



O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, felicitou o Brasil pelas eleições e fez um apelo para que o presidente eleito, Jair Bolsonaro (PSL), retome o caminho das relações diplomáticas com o país, mergulhado em uma grave crise política e econômica.

“O governo bolivariano aproveita a ocasião para conclamar ao novo presidente eleito do Brasil a retomar, como países vizinhos, o caminho das relações diplomáticas de respeito, harmonia, progresso e integração regional, pelo bem-estar de nossos povos”, disse Caracas em nota publicada no Twitter pelo ministro das Relações Exteriores.

O governo venezuelano ratificou seu compromisso de continuar trabalhando com o “irmão povo brasileiro na luta por um mundo mais justo, multicêntrico e pluripolar em que prevaleça a livre autodeterminação dos povos e a não-interferência nos assuntos internos”, segundo a nota.


O posicionamento de Caracas ocorre após vitória de Bolsonaro, que repetidamente durante a campanha afirmou que não deixaria que o Brasil virasse uma Venezuela. Eleitores do capitão reformado e seus aliados acusam governos passados do PT de se associarem à Venezuela, assolada por uma grave crise que tem levado muitos venezuelanos a buscarem refúgio no Brasil.

reuters

MERCOSUL não é prioridade!

Todos os governos de países alinhados com o Foro de São Paulo na America do Sul fizeram contatos parabenizando a eleição de Jair Messias Bolsonaro Presidente do Brasil, mas a esquerda perdedora não. 

O desrespeito à Democracia dos perdedores.

Preferiu fazer seus discursos de rejeição ao próximo governo, expondo claramente que serão um empecilho à nova administração. As ruas serão seu palco, mas não numa manifestação ordeira e sim com as arruaças que convivemos durante décadas cada vez que eram contrariados. Sabiamente os governantes dos países alinhados com o Foro de São Paulo mostraram sua posição diante do futuro que os espera, o corte no fluxo de dinheiro público que financiava suas ditaduras. Terão que se amoldar a nova direção, fortalecendo o comercio competitivo se quiserem sobreviver.

Quem foi Bolsonaro em outra vida?


No Livro Brasil Coração do Mundo Pátria do Evangelho, ditado pelo Espírito Humberto de Campos, psicografado por Chico Xavier foi revelado que Longinus encarnou como Dom Pedro II para trazer o progresso ao Brasil. Longinus era o centurião comandante da centúria romana responsável pelas crucificações em Jerusalém, passou para a História por ter furado Jesus com uma lança quando de sua crucificação.

Dentro da bela cúpula da Basílica de São Pedro, em Roma, ergue-se uma enorme estátua de Longinus segurando pensativamente sua lança. Acredita-se por alguns que a Lança Sagrada - a lança real que estava embutida no lado de Cristo - está contida de forma segura dentro de um relicário abaixo desta imagem inspiradora.

Conta a tradição que o centurião sofria de uma infecção nos olhos que quase o deixava cego. Quando atravessou o lado de Jesus com sua lança, o sangue e a água que jorraram da ferida lhe atingiram o rosto e curaram a infecção nos olhos. Ele então passou a “ver” também no sentido espiritual, reconhecendo que Jesus era o Filho de Deus e se convertendo.

Sobre a missão de Longinus como Pedro II, descrita no Livro, vale acessar. Um dos soldados das centúrias liderada por Longinus e depois como Rafael, o anjo negro cuidador de Pedro II, essas foram as encarnações de Jair Messias Bolsonaro que o ligam a história do Brasil e o prepararam para a missão a ele confiada de resgatar os ideias do governo de Pedro II, só que agora como Presidente do brasil através da Democracia.

Curiosamente pedro II aprendeu a falar Hebraico fluentemente, o idioma falado na época de Longinus. Outra curiosidade é que Pedro II foi deposto em 1.889 com 63 anos, próximo de completar 64 anos, assim como Bolsonaro que com 63 anos, próximo de completar 64 anos, assumirá a Presidência para dar continuidade a missão que foi dada a Longinus/Pedro II e que agora cabe a ele prosseguir.


Rafael, personagem pouco conhecido da História do Brasil, negro veterano da Guerra da Cisplatina, foi encarregado de cuidar de Dom Pedro II, então de tenríssima idade, pelo seu pai, o Imperador Dom Pedro I, quando este regressou a Portugal. Foi um dos raros, talvez o único, que tenha vivido tão próximo e conquistado a confiança do Imperador. Morreu aos 98 anos quando Pedro II foi deposto e tendo vivido praticamente toda sua vida no paço Imperial no Rio de Janeiro. Foi um protetor incansável e extremamente abnegado de Pedro II e o primeiro criado particular do Imperador e inclusive o acompanhando nas viagens ao exterior e foi o Imperador que o ensinou a ler.


Na época do centurião Longinus os crucificados tinham as pernas quebradas pelos soldados romanos, para que morressem mais rapidamente. No caso de Jesus, como havia morrido rapidamente na cruz, suas pernas não foram quebradas, mas tão somente um centurião, Longinus, verificou se ele já havia morrido, perfurando o corpo na cruz com uma lança na altura dos pulmões. 


Poucos sabem que durante sua época no exercito, quando realizada salto de para quedas, Bolsonaro quebrou as duas pernas e quiz o destino que, logo depois do incêndio do palácio Imperial, ele fosse furado com uma facada, nas vésperas da Proclamação da Independência.


O fiel soldado de Longinus pedira para trazer em seu corpo as marcas dos soldados que participavam das crucificações e eram responsáveis por quebrar as pernas dos crucificados, quebraria suas duas pernas em atividades militares e posteriormente receberia uma perfuração como lança, em local próximo ao pulmão, assim como Longino havia feito no corpo do Mestre e também traria em seu nome o próprio nome Messias para que ficasse gravado em sua memória espiritual o resgate que se comprometera a realizar dos erros cometidos no passado.


Em virtude da grande admiração e carinho que nutria por Pedro II, outrora centurião Longinus, aquele que fora seu comandante, pediu para que retornasse com a imagem imponente do antigo Imperador, alto com 1,85 metros e olhos azuis, para dar continuidade ao trabalho que pedro II havia sido impedido de continuar quando contava com 63 anos, em 1.889.

Rafael cultivou a simplicidade necessária ao mesmo tempo que presenciava de perto os desafios e jogos de poder que envolviam o Imperador Pedro II. Tal aprendizado era uma preparação para que pudesse dar continuidade a todo trabalho que seria que seria terminado com o fim da Monarquia e que futuramente precisaria ser resgatado sobre as bases Democráticas da República.

Dessa vez não seriam longas décadas próximas do Imperador mas sim dentro do Congresso, o laboratório no o qual comprovaria se havia mantido os mesmos valores de simplicidade e honestidade que aprendera na disciplina militar junto a Pedro I e se estava pronto para aplicá-los num governo menos centrado no Estado e mais liberal na economia, com maiores poderes aos municípios, pois a imagem de um bom governo centrado na imagem forte de um Imperador ainda permanecia vivo em sua memória.


Foi então que num dom do destino aconteceu a aproximação com Paulo Guedes, permitindo que definitivamente Bolsonaro estivesse pronto para a missão de resgatar o crescimento que o Brasil obtivera no reinado de Pedro II, só que agora através da Democracia. 


Um futuro de grandes e positivas mudanças está reservado ao Brasil e, em especial, quando nos aproximarmos da década de 30, o restabelecimento da ordem, o fim do marxismo, o combate a corrupção e o fortalecimento da economia através da força produtiva da Nação. Tudo isso permitirá que o Brasil descubra sua verdadeira Democracia, será uma mudança tão grande que muitos julgarão que foi um Milagre. O nascimento do Líder das Américas no meio do lodo da corrupção e do marxismo, trazendo perfume de um novo tempo.

Humberto de Campos, psicografado por Francisco Cândido Xavier

Bolsonaro vai doar sobra de campanha.

Bolsonaro pretende doar sobra de campanha para Santa Casa de Juiz de Fora.


Deus acima de todos!

De acordo com matéria publicada pelo colunista Lauro Jardim, do "O Globo",  o presidente eleito Jair Bolsonaro gastou cerca de R$ 1,5 milhão na campanha. Como sua vaquinha virtual arrecadou R$ 3,5 milhões, Bolsonaro decidiu doar as sobras de campanha, cerca de R$ 2 milhões para a Santa Casa de Juiz de Fora, que o assistiu depois da facada.


A Santa Casa de Juiz de Fora, onde Bolsonaro teve sua vida salva pelo médicos, e mantida exclusivamente com recursos do SUS – Sistema Único de Saúde.


Vale lembrar que nas eleições presidencias de 2014, a campanha eleitoral da presidente reeleita Dilma Rousseff (PT) arrecadou doações de R$ 318 milhões em dinheiro e gastou um pouco menos, deixando uma sobra de R$ 169 mil.


Já a campanha de Aécio Neves (PSDB) captou R$ 201 milhões, mas, com gastos de R$ 216 milhões, ficou com uma dívida de R$ 15 milhões.


Nessas eleições o presidente eleito Jair Bolsonaro (RJ) abriu mão de gastar os recursos públicos a que tinha direito vindos do novo Fundo Especial de Financiamento de Campanha, criado na reforma política no ano passado.


O PSL deveria ter recebido entre R$ 9 milhões e R$ 10 milhões, segundo estimativas de parlamentares do partido.


Foi a campanha presidencial mais barata e com melhores resultados que se viu.

segunda-feira, 29 de outubro de 2018

O capitão que trouxe os generais de volta ao poder.

Bolsonaro, o capitão que trouxe os generais de volta ao poder.


Recém-eleitos presidente e vice-presidente do Brasil, o deputado federal e capitão reformado do Exército Jair Bolsonaro (PSL) e o general da reserva Hamilton Mourão (PRTB), os primeiros militares a chegarem ao poder pelo voto no Brasil desde 1946, já preparam para povoar o Governo de generais e outros ex-comandantes das Forças Armadas. Entre o grupo que elaborou as estratégias de seus primeiros meses de gestão há a expectativa que entre três e cinco militares ocupem os ministérios, que devem totalizar de 15 a 18 pastas após uma reforma administrativa – hoje são 29. Dezenas de outros militares e policiais militares de patentes inferiores se preparam para atuar em cargos secundários. Em se confirmando essa previsão, será a primeira vez desde o fim do Governo Militar no Brasil (1964-1985) que tantos militares terão voz de comando na república.


Ao menos um general da reserva já tem assento garantido, Augusto Heleno, que comandou as tropas da Organização das Nações Unidas no Haiti em 2004. Heleno é o principal elo entre Bolsonaro e as Forças Armadas, além de ser o coordenador do plano de Governo dele e responsável por gerenciar um grupo de 50 profissionais que traçam as diretrizes da administração federal. O presidente eleito já o destinou para o ministério da Defesa.

Outros dois generais estão cotados para o ministério da Infraestrutura – uma pasta que deverá substituir o Transporte – e para o da Ciência, Tecnologia e Comunicação. Para a primeira, o preferido é o general Oswaldo Ferreira, que comandou o departamento de Engenharia e Construção do Exército. Na década de 1970, ainda como tenente, Ferreira trabalhou na construção da rodovia BR-163, a Cuiabá-Santarém, uma via de 1.780 quilômetros que liga o Centro-Oeste ao Norte do Brasil passando por parte da floresta amazônica. Sobre essa construção, ele disse ao jornal O Estado de S. Paulo que derrubou “todas as árvores que tinha à frente, sem ninguém encher ao saco”. “Hoje, o cara, para derrubar uma árvore, vem um punhado de gente para encher o saco”.

Já para a pasta de Ciência, Tecnologia e Comunicação, a expectativa é que seja nomeado o general Aléssio Ribeiro Souto, ex-chefe do Centro Tecnológico do Exército ou o tenente-coronel da Aeronáutica e astronauta Marcos Pontes. Souto corre por fora pelo superministério da Educação, Cultura e Esporte, mas o favorito para esse cargo é Stravos Xanthopoylos, um professor da Fundação Getulio Vargas especialista em educação a distância. Esse ensino online, aliás, é uma das bandeiras da gestão Bolsonaro até para crianças da educação fundamental. Em caso de junção da pasta de Ciência e Tecnologia com a de Educação, Xanthopoylos deverá ocupar o ministério e Souto ou Pontes, alguma secretaria especial.
A unificação de ministérios já é a principal dificuldade que Bolsonaro encontra para a composição de sua equipe. Atualmente, há 29 pastas e ele prometeu em sua campanha a reduzir para 15. Dessa maneira, dois de seus ministros já definidos deverão ter uma espécie de superpoderes. O economista Paulo Guedes deverá comandar o ministério da Economia, que deverá unificar a Fazenda, o Planejamento e mais um ou dois ministérios. Enquanto que o deputado federal reeleito Onyx Lorenzoni (DEM-RS) será o responsável pela Casa Civil, que será juntada com os ministérios da Secretaria de Governo – pasta responsável pela articulação com o Congresso Nacional – e com Secretaria-geral da Presidência da República. Para a Secretaria de Governo, mais um militar é cotado, o deputado federal e candidato derrotado ao Governo do Distrito Federal, Alberto Fraga (DEM). 
Outro desafio de Bolsonaro será o de decidir se mantém o ministério extraordinário da Segurança Pública ou se o devolve para a Justiça. No caso de manutenção, a Segurança seria gerida por um general do Exército ou por algum representante das outras Forças, Aeronáutica e Marinha. Já a Justiça, deve ficar ou com o presidente interino do PSL, Gustavo Bebianno, ou com o advogado do partido nas causas no Supremo Tribunal Federal, Antonio Pitombo. O primeiro é visto como inexperiente para um cargo dessa envergadura. O segundo, ainda não demonstrou interesse.

domingo, 28 de outubro de 2018

Médica indignada, desabafa


Tenho ouvido falar tanto em tortura, que tive que me manifestar! Não vivi a Ditadura, logo não comento sobre a mesma...
Mas sobre tortura, posso falar:
Tortura é ter que reanimar um paciente no chão, porque não há sequer uma maca.
Tortura é precisar de uma Tomografia de urgência e não dispor sequer de uma ultrassonografia no serviço público.


Tortura é ter que improvisar uma incubadora para um bebê prematuro, em uma caixa de sapatos.
Tortura é ter que escolher entre 2 pacientes, qual deles irá usar o único respirador disponível.
Tortura é precisar prescrever um medicamento, ouvir do doente que não tem dinheiro pra comprar e saber que na rede pública, também não há o remédio e o paciente não poderá se tratar.
Tortura é chegar com um paciente grave ao hospital e não haver um leito disponível para acomodá-lo.


Tortura é ver o Governo culpar ao médico e ao corpo clínico do hospital por todas as mazelas da saúde e desviarem ainda mais dinheiro com o pretexto de trazerem médicos cubanos - como se a culpa fosse nossa.


Tortura é ver o idoso indo para a fila às 4h da manhã, ser atendido por profissionais não habilitados do Mais Médicos, enquanto os ladrões se tratam com os melhores especialistas no Sírio Libanês de SP.
Tortura é dar a alta para o paciente e o mesmo pedir para ficar, porque em casa não há comida.
Tortura é fazer um juramento no dia da nossa formatura e perceber que a corrupção no Brasil nos impede de cumpri-lo
Se você nunca viveu este tipo de tortura e está só replicando o que leu, pare, pense e seja menos egoísta!
Chega de roubo !!

Quando você tiver um filho, pai, mãe, irmão, irmã... passando por esta situação, você entenderá o que é tortura !
Conheço essa realidade!

sábado, 27 de outubro de 2018

Assumiu um síndico novo aqui no prédio.

Feed de Notícias


A gente adorava o outro, era simpaticão, se dava bem com todo mundo. Adorava organizar festas no play, invariavelmente enchia a cara! Se amarrava numa branquinha!
As crianças então... A-do-ra-vam o cara!
Também pudera, faziam o que bem queriam, jogavam bola no hall, largavam o portão aberto, arranhavam o carro dos vizinhos.

Tinha câmera, mas ele mandou tirar. Não de primeira, mas foi deixando sem manutenção, suspendeu o contrato com a empresa... Até que arrancou tudo.
O elevador também parou. O vizinho da cobertura viu que ele não ia fazer nada e ligou pra empresa. Afinal de contas, ele era o mais prejudicado, tendo que subir vinte andares pela escada.
Descobriu que o condomínio tava inadimplente com eles, há dois anos.

- Como assim? A gente tá pagando cota extra tem um tempão!!!
Reunimos os moradores e fomos bater na porta do síndico. Quando ele abriu, caiu o queixo de todo mundo:
A sala toda no porcelanato, mármore de Carrara até na pia da cozinha. Uma tevê de 150 polegadas com sistema Surround, exibia um show de Wesley Safadão.
Tinha um quadro do Portinari no lavabo... No lavabo!!!
Seu Luís, que sempre circulava pelas dependências do prédio todo maltrapilho e de chinelo, dessa vez usava um robe felpudo e segurava uma taça de champanhe.
Sobre a bancada do lindo bar, feita em madeira de lei, um balde de prata com gelo e uma garrafa de Veuve Clicquot de 3 litros mergulhada.

Seu Luís pisava no tapete persa, com um par de pantufas, feito com pele de leopardo.
Levamos um choque.
Dona Therezinha, do quinto andar foi a primeira a falar:

- Que vidão, hein Seu Luís? Tá pagando isso como?
- Qual o "pobrema", queridos? Sô metalúrgico apusentado, porra... Num "pofo" me permitir certas exentri...
é... luxos??? - Seu Luís tinha a língua presa e um vocabulário meio limitado.

- Poder, o senhor pode. Mas deixar nosso prédio caindo aos pedaços não tá certo, seu Luís! - retrucou a velhinha do 602.
- Outro dia vi dois garotos se amassando na escada! Não tinham nem 12 anos! Perguntei que pouca vergonha era aquela e disseram que eram visita da sua casa! Ainda me chamaram de homofóbico! Nem moradores eles eram - o pastor do primeiro andar comentou indignado.
- Isso aqui tá uma bagunça! Lixo transbordando no corredor, lâmpada queimada, hoje cedo vi um rato na piscina! - disse o outro.
- Seu Luís, a gente quer ver a contabilidade do condomínio!
- dessa vez, me senti na obrigação de exigir.

O fanfarrão se fez de ofendido, ameaçou desmaiar, vociferou que era um absurdo desconfiarem dele:
- Num tem uma alma mais honesta que a minha "nêsfe" prédio! Vofês vão se arrependê!
Descobrimos que seu Luís nem tinha os livros de contabilidade. Vinha roubando a gente há anos. Chamamos uma viatura e levaram o safado pro xilindró.
- Mas e agora? Quem vai ser louco de assumir essa bagunça que tá o condomínio? 
- perguntei.



Foi aí que uma voz ecoou no fim do corredor:
- Deixa comigo isso daí, talkêi?!

Era o seu Jair. 
Militar reformado, meio antipático, de poucos amigos. Sempre deixou claro que não era muito chegado ao casal gay do 701, mas nunca desrespeitou os caras.

O Miquimba, da faxina, adorava ele.
Ninguém nunca entendeu aquilo. Seu Jair só conversava com ele, até ria das piadas do rapaz:

- Você não é fácil, "neguin"! Agora chega de conversa e vai trabalhar! E vê se faz serviço direito, talkêi?!
- ele sempre dizia.

Contam que uma vez, Seu Jair impediu a filha da Dona Rosário de ser estuprada. Ele ouviu quando a moça gritou por ajuda e desceu correndo com o treizoitão na mão, botando o vagabundo pra correr debaixo de bala.
Dona Rosário nunca agradeceu. Pelo contrário, vivia chamando o cara de fascista. 
Ainda bem que ela se mudou... Nunca fui com a cara daquela magricela. Foi tarde!

O fato é que agora o prédio tá um brinco. Seu Jair parcelou a dívida com a empresa de monitoramento das câmeras, com o pessoal da manutenção de elevadores, e tá tudo funcionando. Estamos em obras. É um transtorno, verdade. Mas os moradores já respiram novos ares.
A criançada não pode, de jeito nenhum, jogar bola nas dependências do prédio, mas estão felizes. Seu Jair fez uma brinquedoteca, reformou a quadra de futsal. Estão numa alegria só!
Safadeza na escada, ele também não admite. Já aplicou umas 50 multas... Devagarinho o pessoal tá entrando no ritmo, é só questão de costume.

Todo mundo tá satisfeito com as melhorias no prédio, usufruindo das vantagens. 
Seu Jair ainda torce o nariz quando o casal do 701 passa por ele de mãos dadas, mas já tá até cumprimentando. 
Uma hora ele também se acostuma. É tudo novo... Pra todo mundo!

Assim que acabar a obra e estiver tudo direitinho, te chamo pra visitar a gente! Só não pode fazer arruaça, tá?! Seu Jair é chato com essas coisas!
Anota o endereço aí: Edifício Brasil, 2019."
Texto: Sirley Pinheiro

Deus acima de TODOS!


Serviço de inteligência impede que Bolsonaro viaje para São Paulo. O candidato foi informado que ele corria risco de ser morto. Polícia Federal investiga advogados de Adélio, que tentou matar Bolsonaro, por envolvimento com o PCC. Duas pessoas da pensão em que Adelio estava morreram após o atentado. 
Em video feito na noite de ontem, dia 18 de outubro, Bolsonaro lembra que Adélio era filiado ao PSOL e esclarece aos eleitores que, de acordo com a legislação eleitoral, a partir de agora, se ele for assassinado o terceiro lugar no primeiro turno - Ciro Gomes - disputaria a eleição com Haddad. Ontem o PDT de Ciro e o PT entraram com o pedido de impugnação da candidatura de Bolsonaro - alegando uso de Fake News - para que Haddad e Ciro disputem a eleição. 
Bolsonaro está efetivamente ameaçado! Até num atentado terrorista.

Sentindo -se ameaçado Bolsonaro foi a sede do Bope e da Polícia Federal pedir apoio. Sabendo que é impossível ganhar nas urnas as facções criminosas - inclusive o PT - querem Bolsonaro fora de qualquer maneira. 
Semana passada José Dirceu disse em entrevista ao jornal El Pais: "Falta pouco para *tomarmos o poder* e não será por eleição". Estão querendo tirar Bolsonaro de casa para debate...isso é levá-lo para a morte. Ele precisa ficar em casa até a posse. 
Depois eles sabem que se ele for morto o General Mourao assume e o bicho vai pegar. A eleição acabou! Bolsonaro está eleito. Agora é guerra! 

O "Sebastianismo" brasileiro.

A vida dele está em risco. Vamos denunciar! Se o Capitão morrer o Brasil vai explodir. Todos atentos. Cuba, Venezuela, PT, PCC... são muitos os bandidos que não querem Bolsonaro presidente. O escudo dele é Deus e o povo. 
Deus guarde a vida de Bolsonaro e de sua familia. Brasil: vamos lutar pela vida dele! 
Leia, compartilhe, alertem todos os seus contatos em todas as redes sociais.