quinta-feira, 11 de outubro de 2018

38 anos depois a história se repete?

Um antigo militante do Partido dos Trabalhadores contou aos jornais e revistas brasileiros  a revelação que o Presidente lhe fez em 1994: que teria tentado abusar de outro preso político porque não conseguia ficar muito tempo sem sexo.


Um caso estranho e sério rebentou em jornais e revistas do Brasil, embora sem estar a ser comentado nas rádios e televisões. Trata-se de uma grave denúncia feita contra o Presidente Lula da Silva: a de que, quando esteve detido, durante o regime militar, em 1980, teria confessado ter tentado abusar sexualmente de um outro homem, igualmente um preso político.

Na denúncia, o que chama a atenção é o fato de as fontes serem fidedignas: a acusação partiu de um respeitado ex-preso político, César Benjamim, que até 2005 foi do Partido dos Trabalhadores, fundado por Lula. Benjamim foi candidato a vice-presidente pelo partido PSOL, em 2006. A revista Veja chama a Benjamim "um dos mais célebres militantes da esquerda brasileira".
O artigo acusador de Benjamim foi primeiro publicado pela Folha de São Paulo, o jornal de maior tiragem do Brasil que se gaba da sua isenção e, mesmo no regime militar, sempre procurou manter uma postura independente.
No artigo publicado em finais de Novembro, Benjamim cita uma revelação feita, em 1994, por Lula: a de que tentara seviciar outro preso político, em 1980, porque não conseguia ficar muito tempo sem ter relações sexuais.

Eis o texto do artigo de Benjamim: "Lula puxou conversa: Você esteve preso, não é Cesinha? ''Estive.' Quanto tempo? 'Alguns anos'. Desconversei, raramente falo nesse assunto. Lula continuou: 'Eu não aguentaria. Não vivo sem bunda.' Para comprovar essa afirmação, passou a narrar como havia tentado subjugar outro preso nos trinta dias em que ficara detido. Chamava-o de Menino do MEP, o Movimento de Emancipação do Proletariado, em referência a uma organização de esquerda que deixou de existir. Ficara surpreso com a resistência do 'menino', que frustrara sua investida com cotoveladas e socos".
Segundo Benjamim, o diálogo foi presenciado pelo publicitário Paulo de Tarso da Cunha Santos. De acordo a revista Veja, o publicitário-testemunha, cujos atuais contratos com o Governo chegam a 120 milhões de euros, negou, em nota, lembrar-se do episódio.
Prossegue a revista: "Veja ouviu cinco de seus ex-companheiros de cela. Nenhum deles forneceu qualquer elemento que confirme a história de Benjamim. Eles se recordam, no entanto, que havia, na mesma cela, um militante do MEP." Segundo a Veja, o Menino do MEP seria João Batista dos Santos, que declarou, através de um intermediário: "Isso tudo é um mar de lama. Não vou falar com a imprensa. Quem fez a acusação que a comprove."

Hoje, sob o pretexto de buscar "aconselhamentos" do "candidato" à presidência, seu "fake" está constantemente numa visita "intima" com Lula, um homem viúvo, impedido de contratar uma prostituta e com um histórico de não conseguir ficar muito tempo sem penetrar um esfincter anal, mesmo que masculino.

Haddad não tem a competência nem os antecedentes que o indiquem a um cargo tão importante. Então será que estaria, além dos "aconselhamentos", buscando satisfazer os desejos ocultos de seu mestre? Nesta vida nada é de graça, há sempre uma cobrança de retorno quando colocado numa posição a qual não tem competência.
As postagens nas redes sociais já insinuam isso!

Um comentário:

  1. Da escória humana que compõe a canalhada comunista pode-se esperar qualquer sujeira.

    ResponderExcluir