terça-feira, 9 de outubro de 2018

O que nos espera neste segundo turno? Eu continuo confiante em nossas Forças Armadas!


O resultado das eleições foi, em parte, como esperado, exceto na contagem de votos de Bolsonaro e Haddad. As previsões das pesquisas idôneas, quando digo idônea excluo IBOPE, Data Folha e as encomendadas pela GLOBO, apontavam vitória de Bolsonaro em primeiro turno e Haddad bem abaixo do apurado.

Mas o que aconteceu? Aconteceu que, para eles, todo esforço para impedir a vitória de Bolsonaro é justificável, inclusive a adulteração e fraudes nas urnas eletrônicas. Afinal, os fins justificam os meios; meios que neste caso, apesar do grande interesse das Forças Armadas nestas eleições, vale a pena tentar de novo.

As denuncias:









Foram milhares de ocorrências em todo o Brasil, fora as que não foram relatadas por não terem sido notadas.

E este passo deu certo! A vitória de Bolsonaro foi retardada, pelo menos por algum tempo. Isso os coloca confiantes em prosseguir e, apesar das inúmeras denuncias de fraudes e urnas adulteradas, as Forças Armadas estão em silencio e não mostraram nenhum descontentamento com o que foi amplamente divulgado nas redes sociais. 

Para respaldar todo esse desrespeito ao eleitor brasileiro, Laura Chinchilla, "chefe da missão de observação eleitoral da OEA", que veio ao Brasil à convite do governo, afirmou que o processo eleitoral transcorreu na "normalidade" e classificando como "seguro" o sistema eletrônico de votação. Pronto! O cenário está pronto para Haddad ganhar estas eleições sem que se admita nenhuma contestação.

Mas quem é Laura Chinchilla?

O relatório detalha outros assuntos de interesse de Pinheiro junto a “Brahma”, como negócios em Costa Rica. “Presidente Lula… está preocupado porque soube que o Ministério Público vai entrar com uma representação contra ele por causa da Costa Rica”, diz mensagem de Jorge Fortes, um diretor da OAS, para Pinheiro. “Estamos pagando a Costa Rica para a FCC”, escreve Pinheiro. A PF faz uma interpretação: “FCC pode ser abreviação de uma empresa chamada Fomento de Construcciones y Contratos.
Pode fazer referência ao fato de a presidente da Costa Rica, Laura Chinchilla, em data próxima à mensagem, ter anunciado o cancelamento da concessão outorgada à brasileira OAS para a construção de uma estrada de 58 quilômetros, avaliada em US$ 523,7 milhões”. Outro assunto é “Inambari (setembro/2012)”: “O Professor DN me ligou. Esteve com o Brahma… O nosso amigo ficou de falar com a moça”, cita uma mensagem. Para a PF, “pode fazer referência ao projeto para a Hidrelétrica do Rio Inambari, envolvendo o Peru”. Link: Mensagens mostram pauta de interesses
Sobre a questão das "urnas fraudáveis", nosso futuro Vice Presidente, General Mourão, foi bem enfático! "O Departamento de Ciências e Tecnologias do Exercito está envolvido nisso ai". Temos os dois maiores e melhores Institutos Tecnológicos do Brasil, O IME e o ITA.

Bem, os militares possuem seus técnicos em informática, técnicos estes com supremacia e habilidade para detectar estas fraudes, mas não se manifestarão por enquanto. Estarão esperando a apuração deste segundo turno para dar seu "xeque mate" nas urnas eleitorais e prisão de todos os envolvidos nesta fraude. Não valeria a pena neste momento, como não valeu em momento anterior quando da eleição de Dilma em detrimento de Aécio Neves, tomar uma iniciativa. Haveriam muitos a criticar e refutar o que nossos militares apresentassem. Portanto o melhor momento está por vir, será que ousarão?

Um comentário:

  1. Eles ousarão porque não pensam na hipótese de perder inimagináveis poderes politicos e financeiros.
    Caberá àqueles milhões de cidadãos que fizeram a campanha de Jair Bolsonaro, irem para as ruas exigir intervenção militar e convocação de novas eleições com fiscalização de entidades com isenção política certificada e pessoas honestas.

    ResponderExcluir