quarta-feira, 21 de novembro de 2018

Ser omisso na política jamais!


Há 44 dias vivianos todos, homens e mulheres, e para mim especialmente, ao longo de meus 60 anos, talvez o dia mais importante de nossas vidas. Estávamos há poucos passos para vermos implantados em nosso País, nos moldes da Venezuela, uma sangrenta ditadura comunista. Quem não se recorda do prisioneiro, "homem mais honesto desse País", falar em convocar o "exercito de Stedile"?


Quem esqueceu o presidente da CUT, Wagner de tal, a Gleice Hoffman, a "evangélica" Benedita da Silva, falarem em pegar em armas se o "inocente" fosse mantido preso?


Quem esqueceu a ameaça de Dirceu de tomar o poder? Quem esqueceu o pilantra do Wadih Damous, advogado do presidiário, em propor o fechamento do STF? Fato é que ao longo de 14 anos com nossa omissão, com nosso comportamento apolítico, permitimos que saqueassem os cofres públicos, com a destruição de uma das maiores estatais do mundo, de nossos bancos públicos, BNDES, Caixa Econômica, Banco do Brasil, os Fundos de Pensão, enfim, nos levaram a bancarrota.
O aparelhamento de nossas Instituições, na implantação da doutrina marxista em nossas escolas superiores, hoje centros de apodrecimento intelectual e moral de grande parte de nossa juventude; a criação do famigerado Foro de São Paulo. Tudo custeado com nosso dinheiro, enquanto só nos preocupávamos com o campeonato brasileiro de futebol, com o carnaval e com as novelas da GLOBO.
Neste período ninguém teve como regra dedicar uma ou duas horas por semana para se reunir com seus iguais e tratar de temas importantes, de interesse comum, de sua cidade, de seu estado e mesmo da União. Afinal, elegemos nossos representantes e nunca mais falamos com eles ou sobre eles, salvo para tratarmos de assuntos de nosso interesse particular ou de classe. Esquecemos que somos gregários (quem vive em grupos, sociedade).
Fato é que quando você estimula um cidadão do bem a dedicar quatro anos de sua vida em prol de seu município, estado ou País, você certamente ouviria como resposta: "não quero saber disso não", "política é coisa de safado, de ladrão". Quem adora ouvir isso são os politiqueiros safados que estão no poder, que já comeram nossa carne e se deixarmos vão comer nossos ossos.
Voltando ao inicio, colocaram o Mito em nossas vidas. Bolsonaro é verdadeiramente um Mito, pois, era inimaginável que um candidato a Presidência da República, sem dinheiro, sem televisão, ferido, no leito de sua casa, conseguisse colocar uma tropa de milhões de Brasileiros nas ruas espontaneamente trabalhando para ele e, contra todos os antes poderosos da Nação, ganhasse a eleição presidencial; e o Mito ganhou!
Sua vitória, que é também a de todos nós que nos dedicamos a isso, amenizou momentaneamente nossa angustia, nos safou de uma possível escravidão e morte que nos seriam impostos por uma ditadura comunista. Por enquanto, nossa Bandeira verde, amarela, azul e branca voltou a ser hasteada altaneira, de Norte a Sul de nosso Brasil.


Mas estará tudo resolvido? Não, claro que não! Ele nos deu mais uma oportunidade de nos salvar. Mas estejam certos que os seguidores da "jararaca" mais do que nunca estarão ativos e ávidos para reaver o Poder. Não é referencia aos mantidos incultos, assim mantidos para serem explorados como massa de manobra, a referencia é aos alienados (alvo de lavagem cerebral) e aos mercenários como Dirceu, Lindberg, Chico Buarque e muitos outros na política e artistas. 
Bolsonaro vai ter muitas dificuldades e precisará muito de nós. A Batalha apenas começou! Pense nisso! Curta seus prazeres, veja seu futebol, brinque seu carnaval, vela as novelas; se tudo isso lhe traz alegrias. Mas não esqueça de exercer sua cidadania plena, pois, pode ser preciso voltar às ruas e confrontar estes que não se conformam de terem perdido as eleições por culpa própria.
Eles, os não eleitos, estarão se esgueirando pelos esgotos da política e, vez em quando emergirão tentando abocanhar um pedaço dela. Foi assim que começaram até alcançar o Poder maior na Nação. Dentro de dois anos teremos eleições minoritárias, as municipais, onde elegeremos vereadores e prefeitos. Faremos como a que agora acabamos de enfrentar, oxigenar os quadros políticos locais, dizer NÂO aos políticos profissionais (ladrões, socialistas e comunistas). Política não pode ser profissão nem ser passada de pai para filho, a não ser que tenha mostrado competência.
A política deve ser exercida como um ato de solidariedade, de amor ao próximo, é você servindo aos seus concidadãos e por via reflexa a você mesmo. Não serão poucos os oportunistas a querer voar na onda de Bolsonaro, temos as redes sociais que aprendemos a trabalhar tão bem e nos permitem obter rapidamente informações sobre tudo e todos. O municípios são pequenos e não é difícil saber quem é quem nesta jogada.
Saber interpretar a coerência entre o que se fala e o que se pratica. O verdadeiro cristão não defende liberação de drogas, o cidadão que vive com ostentação e endividado não consegue administrar sua própria vida e certamente não terá para administrar o que é de todos. Ou acha que pode confiar a coletividade a alguém que não honre sua palavra?
Aprendi! Enquanto Ele me der vida, jamais deixarei de participar dos debates políticos e das escolhas que teremos de fazer daqui pra frente. Conversar e orientar os incultos é uma contribuição valiosa nesta empreitada; estes são os mais facilmente enganados e explorados pelos politiqueiros.

Desconheço o autor, com adaptações minhas.

2 comentários:

  1. Excelente texto! A batalha está apenas começando.Agora, mais do que nunca o Capitão precisará de nós e do nosso apoio e não devemos esquecer também das nossas orações para que Deus o capacite e lhe conceda sabedoria para botar nos trilhos esta nação que desencarrilhou.

    ResponderExcluir
  2. Fomos protagonistas nesta luta. Um abraço.

    ResponderExcluir