quinta-feira, 28 de fevereiro de 2019

Como alguém ainda defende Maduro e demais socialistas?

O motivo-raiz é simples: o progressista constrói a sua auto-imagem com base numa idealização da esquerda: sou uma pessoa bacana, logo sou de esquerda; e sou de esquerda porque sou bacana.

Quando exagerada, essa auto-imagem transforma-se no narcisismo patológico de pensar-se detentor do monopólio do bem e da fórmula mágica para a correção dos males sociais do mundo. O ego do narcisista torna-se incapaz de aceitar qualquer mácula no espelho em que vê sua imagem de insuperável beleza.


Quando vem um sujeito como Maduro e ameaça essa auto-imagem positiva, o sujeito tem duas opções:

1) Entrar em "denial", que é aquela coisa de dizer que "deturparam Marx", que "Maduro nunca foi de esquerda", ou "nunca foi socialista" etc. É uma manobra psicológica para distanciar a auto-imagem daquela mácula real;

2) Ou defender Maduro até o fim, porque como Maduro está conectado à esquerda, e por sua vez a idealização da esquerda está conectada ao ego e ao narcisismo do progressista, ele precisa defender Maduro para proteger a auto-imagem positiva que carrega de si mesmo.

A realidade de fato, a tragédia que é o socialismo na práxis, isso pouco importa, porque a motivação é psico-simbólica e não pragmática para resultados concretos; enquanto houver alimento para o ego, pode faltar alimento para o estômago, que os progressistas não estão nem aí.

É também por isso, e pode reparar, que quando você conversa com um socialista treinado no dialeto marxista, ele parece navegar apenas no plano verbal e virtual, no plano abstrato e simbólico, como se estivesse falando de um sonho que ele teve, ou de uma partida de RPG que ele jogou no final de semana:

"O comunismo irá suplantar o capitalismo, não pela implantação de um estado final de coisas, mas por meio de uma ruptura radical com as relações de classe e por meio de uma revolução permanente" etc etc.


Daí você ouve um besteirol abstrato como esse, que ameaça destruir muito do que nossa sociedade logrou construir, sem oferecer sequer uma impressão de algo minimamente funcional em troca, e você critica apontando as tentativas fracassadas do socialismo no passado;

E o cara te responde que os erros foram apenas do "socialismo real", apenas uma "deturpação da ideia", como se as ideias fossem mais importantes do que os resultados que provocam na realidade dos fatos.

"Olha, a cirurgia matou o paciente, mas isso foi só na medicina real, tá? Na medicina ideal continua tudo certo, e os procedimentos serão bem sucedidos no futuro". A ideia é tão absurda que só faz sentido no campo do fundamentalismo político do paleo-marxismo mesmo.

Nesse tipo de discurso fica evidente, assim, a priorização do simbolismo em detrimento da realidade; e isso porque, como explicado no início, a função do socialismo não é servir ao povo, nem funcionar de fato; o seu objetivo é servir ao ego de narcisistas e ressentidos mal resolvidos com as contradições da nossa realidade humana (e por humana, imperfeita).

A melhor maneira de combater isso é expor, incansavelmente e a todo momento, essas bases narcísicas e autoritárias de gente que, sem nem ainda entender como o mundo funciona, é arrogante o suficiente para incumbir-se de derrubar regimes e mandar na vida dos outros.

Sergio Dornelles

Nenhum comentário:

Postar um comentário