domingo, 17 de fevereiro de 2019

Compartilhando emoções.


A primeira apresentação foi exclusiva, foi para mim! E esta ele não esquece.

Nunca tive pretensão de ser exemplo, muito menos de angariar seguidores e/ou admiradores. Sempre fui eu mesmo.
Mas dentre tantos houve um jovem, que embora o conhecesse desde pequeno, nosso contato se tornou mais frequente com as redes sociais.
Um grande leitor de postagens minhas, frequente comentarista e também compartilhando das mesmas ideias.
Rafael foi amadurecendo, no segundo grau revoltava-se com a interferência política em sua escola, onde as aulas eram interrompidas, alunos menores de idade mantidos dentro das instalações escolares que não têm essa capacidade de alojar e também o cerceamento da entrada de alunos dissidentes e pais. Rafael sempre me procurava nestas situações e lá ia eu protestar com ele contra essa interferência de esquerdistas nas escolas.
O tempo foi passando, vislumbrei nele um militar, sua inteligência, dedicação e certeza de convicções o levariam certamente a esse destino.
E foi isso que me emocionou! Compartilhei com seus pais do mesmo sentimento, a emoção e vibração dos meus tempos de outrora ao vê-lo incorporar no Curso Preparatório de Oficiais da Reserva do Exercito Brasileiro.
Curso este que lhe propiciará oito anos de convivência com a Força e certamente o incentivará a outras opções que trilharão seu futuro promissor.

O olhar desta Mãe certamente transmite o orgulho da conquista de seu filho.

Senti-me honrado ao ser lembrado e merecedor de receber convite para estar presente num momento tão importante na vida de um jovem, compromissos foram adiados, obrigações proteladas, e fui estar lá. estar lá com a certeza de prestigiar este jovem a prosseguir na busca de sua realização pessoal, a persistir num Brasil melhor, o que com a formação que receberá do Exercito Brasileiro, serão coisas facilmente transpostas diante das possíveis dificuldades que surgirão. 


Compromisso firmado, estarei de volta ao Centro de Preparação de Oficiais da Reserva no final do ano, para parabenizar um jovem aspirante a oficial por ocasião do recebimento da Espada de Oficial do Exercito Brasileiro.


ESPADA: em primeiro lugar, a espada é o símbolo do estado militar e de sua virtude, a barreira, bem como de sua função, o poderio. O poderio tem um duplo aspecto: o destruidor (embora essa destruição possa aplicar-se contra a injustiça, a maleficência e a ignorância, e por causa disso, tornar-se positiva); e o construtor, pois estabelece e mantém a paz e a justiça (CHEVALIER, 2002, p. 392). É aplicada contra a injustiça, maleficência e ignorância. Tornando-se positiva, ela estabelece e mantém a paz e a justiça. De acordo com Udo Becker (1999, p. 101) quando associada com o símbolo da Justiça, simboliza a decisão, a separação entre o bem e mal, sendo misericordiosa com o primeiro e golpeia e pune o culpado. É a força máxima para punir o culpado e perdoar o inocente. (BECKER, 1999, p.101). (STF)

Breve relato do CPOR do EB.
O Centro de Preparação de Oficiais da Reserva do Rio de Janeiro (CPOR/RJ) foi criado em 22 de abril de 1927, por intermédio do Despacho Ministerial daquela data, fruto dos esforços e da dedicação do então Cap Art LUIZ DE ARAÚJO CORREIA LIMA, seu primeiro Comandante.
Nos idos da década de 1920, Correia Lima teve uma idéia bastante avançada para o Brasil da época: convocar os alunos das faculdades para cursar um centro de preparação, durante as férias e nos finais de semana, onde constituiriam uma reserva de alto nível para o Exército.
Ainda Tenente, estudou os mecanismos de mobilização e recrutamento na Europa da Primeira Guerra Mundial, época em que foi extinta a Guarda Nacional, adotado o conceito das Polícias Militares como Reserva do Exército e instituído o Serviço Militar Obrigatório. Seu extraordinário descortino iria se comprovar alguns anos mais tarde, durante a Segunda Guerra Mundial, quando metade dos Tenentes da FEB seria constituída de Oficiais R/2.

Provisoriamente instalado no quartel do 1º Grupo de Artilharia Pesada, em São Cristóvão, o CPOR/1ª Região Militar, em 1931, passou a ocupar o histórico quartel onde hoje está localizado o Museu Militar Conde de Linhares, construído em 1920, pelo General Rondon, então Diretor de Engenharia do Exército.

Em meados de 1966, o quartel da Quinta da Boa Vista tornou-se pequeno para as modernas necessidades de formação de oficiais da reserva. O Estado-Maior do Exército criou os Cursos de Comunicações e Material Bélico, autorizando a mudança do aquartelamento para as instalações mais amplas do igualmente histórico Regimento "Dragões da Independência", transferido naquele ano para Brasília.
No dia 05 de outubro de 1968, a mudança se efetivou e o Centro de Preparação de Oficial da Reserva (CPOR/RJ) deslocou-se, na Avenida Pedro II, para a nova sede, onde funcionou por quase 30 anos.
No final de 1997, seu aquartelamento foi destinado ao 1° Batalhão de Guardas. O CPOR/RJ foi, então, transferido para suas atuais instalações no Bairro de Bonsucesso, assumindo as antigas dependências do 1º Regimento de Carros de Combate.
Hoje, os integrantes deste Estabelecimento de Ensino se orgulham de pertencer a esta célula forte na área de Ensino do Exército Brasileiro (EB) e de dar continuidade aos ideais de Correia Lima - NOSSO FUNDADOR, PATRONO E GUIA. Permanecemos, assim, cumprindo a missão de formar uma Reserva atenta e forte e de trabalhar para que o Centro seja conhecido como a "Casa do Oficial R/2".

Um comentário: