quinta-feira, 29 de agosto de 2019

CARTA ABERTA AO SR EMMANUEL MACRON.




Caro presidente,
Como brasileiro, educadamente não posso deixar de enviar esta carta ao senhor e a todo querido povo francês...
Com respeito a sua mensagem do Twitter, acerca de sua preocupação com a Amazônia, que é um território multinacional (pois é formada por nove nações. Brasil, Peru, Colômbia, Venezuela, Equador, Bolívia, Guiana, Suriname e a Guiana Francesa), mas que em grande parte (mais de 60%) pertence ao meu país, desde a sua formação como território colonial da nossa “Pátria Mãe” Portuguesa...
Creio que vossa excelência não estudou ou não se lembra mais da “biologia básica”, pois os 7 milhões Km2 de floresta Amazônica não são o “pulmão do planeta terra”, visto que a 98% do oxigênio ali produzido, é consumido quase totalmente pelo próprio bioma amazônico...

Dentro desse mesmo “equívoco estudantil de biologia básica”, esclareço que o “verdadeiro pulmão da terra” é formado pelas algas marinhas em todo o globo há bilhões de anos desde a formação do planeta e a floresta amazônica contribui com menos de 1% da renovação do oxigênio da atmosfera do planeta.


A fotografia “irresponsavelmente colocada em sua mensagem” não é atual (pois foi feita em meados de 2002), e induz maliciosamente a todos os “mal informados” ou “desinformados” da França e de outros países, a mais um equívoco impensável para um chefe de governo como o senhor.

A crise existe sim e é internacional, mas pertence principalmente as nações da América do Sul que fazem parte da Amazônia e um fragmento “ínfimo” pertence à ao povo Francês (Guiana Francesa). 

A França quer realmente ajudar? Ótimo!!! Tenham certeza que serão sempre muito bem vindos ao Brasil! Mas, por gentileza, sem o viés histórico do colonialismo europeu...
Esse tempo já se foi e o Brasil e poucas nações do mundo ainda tem mais de 60% de suas matas naturais preservadas, mesmo com todas as dificuldades...

Os parâmetros de preservação e reflorestamento, que a maioria dos países ricos do planeta (incluindo a França) querem impor ao Brasil e outros países com florestas nativas, refletem simplesmente o remorso, a hipocrisia e, principalmente, o poder econômico dos seus países que, em séculos de história da humanidade, destruíram e devastaram suas florestas nativas e suas paisagens, e infelizmente têm poucas ou quase nenhuma condição de recompô-las...

Presidente Macron, o Brasil é uma nação independente de Portugal há quase de 200 anos, portanto não queiram transformá-la em território internacional, retirando nossa soberania...Seria um erro irreparável e uma agressão sem precedentes na história humana...

Imagine Presidente, se invadíssemos o Palácio de Versailles, o Arco do Triunfo e disséssemos que agora é “patrimônio mundial” e portanto a França não pudesse mais preservá-los e protegê-los e assim fizéssemos aí uma invasão internacional...
Será que França ficaria simplesmente assistindo ou faria uma retaliação cívico-militar à altura da mesma agressão? 

Se necessitam de nossos recursos naturais e biodiversidade, encontrem no caminho do diálogo, da cooperação e do comércio internacional, pelas vias diplomáticas e da organização mundial do comércio, mas jamais tutelem ou tentem recolonizar nossa nação, pois, mesmo o Brasil sendo uma país de tradições pacíficas e não bélicas, responderíamos à altura de qualquer tipo de agressão...

Relato ainda ao senhor que, de acordo com os dados oficiais brasileiros do INPE, os períodos de maior desmatamento da Amazônia ocorreram em 1995 (Governo Fernando Henrique Cardoso) e em 2004 (Governo Luís Inácio Lula da Silva, atualmente preso por corrupção e lavagem de dinheiro, no maior esquema de roubo e evasão de divisas de um país, na história contemporânea) e o desmatamento voltou a crescer a partir em 2013 (Governo Dilma Roussef, que foi deposta do cargo por crime de responsabilidade definido e ratificado pela constituição e pelo parlamento brasileiro) e continuou a crescer nos anos seguintes, passando pelo Governo complementar de Michel Temer.

Dessa maneira pergunto ao senhor, onde os governos (incluindo a França) que hoje estão “extremamente preocupados” com o desmatamento da Amazônia estavam nestes anos anteriores de devastação ou de aumento das mesmas a partir de 2013? 
Não me recordo deste ter sido um “tema prioritário e urgente” de nenhuma das cúpulas do G7 ou do G20 nestes anos de crise de desmatamento...Por que só agora? Existe algum fato tão novo e tão grave assim?

Presidente Macron, primeiramente informe-se adequadamente, sobre o que vai escrever nas redes sociais ou demita sua assessoria de comunicação, porque, ou são completamente despreparados para escreverem sobre assuntos dessa natureza ou publicam de forma mentirosa, maliciosa e insensata para algum ganho publicitário, eleitoral ou para outros interesses escusos...

Finalizando, aceite o convite do Presidente Jair Bolsonaro, para visitar a Amazônia e veja com seus próprios olhos a situação atual e os bons projetos de preservação e utilização sustentável da floresta, que são mantidos por algumas entidades não governamentais sérias, além de governos municipais, estaduais e pelo governo federal do Brasil.

Aguardamos ansiosos por sua visita e também do primeiro ministro Èdouard Philippe, pois serão muito bem-vindos, bem tratados e respeitados pelo povo caloroso, amistoso e fraterno do Brasil, que deseja paz e prosperidade para o mundo e também para a nossa querida nação Francesa...

Respeitosamente,
Marco Aurelio Cândido de Melo, Médico de Família, Escritor, Pesquisador e Professor Universitário, Doutor em Ciências Biomédicas-IUNIR e Pós Doutor em Docência Universitária e Investigação-IUNIR.

Um comentário: