sexta-feira, 30 de agosto de 2019

Não seja alvo fácil das facções.



WITZEL SUGERE QUE CARIOCAS EVITEM PONTOS DE ÔNIBUS DURANTE AÇÕES POLICIAIS

O governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel, disse nesta segunda-feira, após reunião com o vice-presidente Hamilton Mourão, em Brasília, que a polícia irá continuar no combate ao crime organizado. Ele ressaltou que quem mata é o crime organizado, não a polícia..

— O crime manda matar. De cada dez, sete o crime manda matar. Vamos continuar vivendo dessa forma? Quem mata é o crime organizado, não é a polícia — afirmou.

— A polícia vai continuar entrando nas comunidades, vai continuar entrando nos bairros porque a polícia enfrenta o crime organizado nos bairros, na comunidade — acrescentou o governador.

Witzel disse que o governo precisa trabalhar com a população das comunidades durante as operações policiais. Ele afirmou que o governo vai orientar as pessoas em como se comportar nessas situações.

— Se você tá com operação naquele local, não fica no ponto de ônibus. Nós vamos passar isso para a população, já devia ser natural, tem operação ali, não ficar no ponto de ônibus ouvindo tiro, tem que sair, nós vamos trabalhar mais isso com a população. A polícia vai nas comunidades, vamos orientar a comunidade como se comportar numa situação em que há a operação da polícia — disse Witzel. Na semana passada, o jovem Gabriel Alves, de 18 anos, morreu quando esperava por um ônibus para leva-lo à escola, na Tijuca, na Rua Conde de Bonfim, uma das mais movimentadas do bairro da Zona Norte.


Toda a vez que você ler uma machete que diz “jovem trabalhador baleado em troca de tiros” lembre-se disso. Essas pessoas não são baleadas por acaso; seus ferimentos ou morte servem de proteção ao tráfico, e ainda trazem o benefício adicional de demonizar a polícia e levar a sociedade a ter empatia com os narcoterroristas.

Lonk: Nossos "narcoterroristas" de cada dia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário