quinta-feira, 8 de agosto de 2019

Satisfazendo egos na PMERJ e no CBMERJ.


A Advocacia Geral da União entrou com uma ação na justiça Federal contra o governo do Rio de Janeiro, pedindo a anulação do decreto de Witzel que inventou a o posto honorífico de Oficial General no Corpo de Bombeiros e na Polícia Militar.

Segundo a AGU o ato foi “infralegal e sem competência”, viola a Constituição e o sistema jurídico, lesa os interesses das Forças Armadas e “serve de estímulo” para que outros governadores façam o mesmo.


Alega a AGU que, ao definir que o posto de general será dado a quem for nomeado secretário por Witzel, o Decreto não atribuiu “qualquer etapa meritória para a promoção", "sem a devida preocupação com as regras básicas de promoção e hierarquia das instituições militares".

No mais...

É como escreveu Lima Barreto: "O brasileiro é vaidoso e guloso de títulos ocos e honrarias chochas.

E segue a PMERJ com seus oficiais sendo motivo de chacota, uns condenados por roubar verba de saúde da corporação, outros por abusar de sua autoridade ao excluir policiais só para fazer estatística e outros recebendo “mimos” que não fazem jus (ilegais). Já chega de bajulação! Coronel não deve receber gratificação por assumir um comando, é inerente a sua patente! Postos e graduações são previstas em Legislação própria e um Juiz, como o governador do Estado do Rio de Janeiro, não pode mudar Lei com um Decreto. .

Um comentário:

  1. Gratificação de comando...o governo investe em alguem pra ser um futuro comandante...e depois o gratifica por isso. Sem comando a ser preenchido sequer deveria haver cel.

    ResponderExcluir