quarta-feira, 29 de janeiro de 2020

A Origem do Nome dos Bairros do Rio de Janeiro.

  • Tijuca – em tupi-guarani significa brejo, lamaçal.
  • Guaratiba – em tupi-guarani significa morada ou sítio das garças.
  • Copacabana – significa mirante do azul, na língua Inca Quichua. Também existe uma cidade boliviana nas margens do Lago Titicaca com o nome de Copacabana. Originalmente, o nome do bairro era Sacopenapã.
  • Engenho da Rainha – fez parte das terras pertencentes à rainha Dona Carlota Joaquina, casada com D. João VI e mãe de Dom Pedro II, por isso este nome.
  • Ipanema – significa “águas perigosas” em tupi.
  • Grajaú – foi dado em homenagem a cidade de Grajaú, terra natal do engenheiro que projetou o bairro, no interior do Maranhão. Várias ruas do bairro tem nome de cidades e rios maranhenses.
  • Leblon – O nome teve sua origem numa chácara pertencente ao holandês Charles Le Bron que existia no local em meados do Século XIX.
  • Leme – por causa da Pedra do Leme, contornada pelas praias da Urca e Botafogo e cujo formato, visto de cima, se assemelha ao do leme de um navio.
  • Maracanã – vem do tupi maraka’nã, que significa papagaio. Provavelmente o rio homônimo recebeu este nome por ter suas cercanias habitadas por uma ou mais espécies destes pássaros.
  • Ilha do Governador – habitada pelos índios Temiminós, que a abandonaram em conseqüência dos ataques de inimigos Tamoios e traficantes franceses de pau-brasil, os quais foram definitivamente expulsos em 1567, pelos portugueses foi doada a 5 de setembro desse ano por Mem de Sá a seu sobrinho Salvador Correia de Sá (o Velho), futuro governador (dái o nome do bairro) da capitania.
  • Vila Isabel – batizado em homenagem à Princesa Isabel.
  • Gávea – devido à vista privilegiada da Pedra da Gávea (embora esta se localize em São Conrado, outro bairro), que por sua vez foi assim batizada por ter em seu topo uma formação rochosa semelhante à gávea dos navios.
  • Flamengo – é uma homenagem ao navegador flamengo, na verdade holandês, Olivier Van Noort, também conhecido como LeBlond
  • Cosme Velho – é uma homenagem ao comerciante português Cosme Velho Pereira que, no século XVI, habitava a parte mais alta do vale do Carioca. Na parte mais baixa do vale havia grande número de laranjeiras, também originando o nome do bairro vizinho, “Laranjeiras”.
  • Pavuna – Dentre as numerosas “ocaras” alinhadas na sua margem direita, uma, pelo menos, que corresponderia à de “Upabuna”, estaria localizada às margens do rio a que deu nome, o rio Pavuna.
  • Urca – era o nome do navio do holandês Olivier Van Noort, o LeBlond.
  • Glória – O bairro deve seu nome à Igreja de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, uma das primeiras construídas na cidade no século XVIII, em torno da qual se consolidou o povoamento da região. Nela fora batizado Afonso Henriques de Lima Barreto e teve papel de destaque na corte de Dom João VI.
  • Bangu – possui 2 versões para o nome: “paredão negro ou escurecido”, numa referência à grande sombra projetada pelo Maciço da Pedra Branca sobre o vale onde Bangu se localiza. A segunda versão atribuí a palavra “banguê” (corruptela de bangu), vocábulo africano, simbolizando uma espécie de padiola construída de couro ou trançado de fibras, amarrada a dois varais e conduzida por dois homens, usada para transporte de cana-de-açúcar, tijolos e outros materiais. É possível, inclusive, que desse processo meio desordenado de transporte tenha surgido a conhecida expressão “à bangu”, que é “fazer alguma coisa sem a menor técnica, de improviso”.
  • Madureira – era a região de uma fazenda existente na época, arrendada por Lourenço Madureira.
  • Paciência – Quando os mensageiros imperiais saiam à cavalo da Quinta da Boa Vista (residência do imperador) para levar a documentação até a Casa da Santa Cruz (Santa Cruz) para despachar com o imperador que vinha de S.Paulo e permanecia ali por um tempo, tinham que esperar em uma casa de alimentação e descanso ou troca dos animais, até a liberação para prosseguir até Sta Cruz ( algumas vezes eram oferecidas festas ao imperador). Muitas vezes levavam um dia para ir até a casa da troca de animais e aguardavam dois ou mais dias para a liberação. Quando eles saíam da Quinta da Boa Vista eles tinham diversos destinos e se perguntavam para onde iam e o destino deste mensageiro era ” A casa da Paciência”!
  • Penha – em homenagem à Nossa Senhora da Penha.
  • Santa Cruz – porque os jesuítas colocaram uma grande cruz de madeira, pintada de preto, encaixada em uma base de pedra sustentada por um pilar de granito. Mais tarde, já durante o Império, o cruzeiro seria substituído por outro de dimensões menores. E, atualmente existe uma cruz no mesmo local, mas não é o cruzeiro histórico, e sim uma réplica que foi erigida durante o comando do então Coronel Carlos Patrício Freitas Pereira. O cruzeiro deu nome à Santa Cruz.
  • Méier – em homenagem a Augusto Duque Estrada Méier, proprietários das terras que hoje são o bairro.
  • Cidade Nova – tem registros que remontam ao período do reinado de D. João VI. Até o início do século XIX, a região era um alagadiço que servia de rota de passagem entre o Centro e as zonas rurais da Tijuca e São Cristóvão. Com os aterros feitos com a intenção de melhorar esta travessia, surgiu o projeto de impulsionar o crescimento da cidade para a área, daí o nome.
  • Estácio – em homenagem ao fundador da cidade, Estácio de Sá.
  • Santa Teresa -, surgiu a partir do convento de mesmo nome localizado na região.
  • Santo Cristo – O bairro deve seu nome à Igreja do Santo Cristo, construída em frente ao cais do porto.
  • São Clemente – por causa de um grande proprietário de terrenos naquela parte da cidade, o Sr. Clemente de Matos, muito devoto do santo do qual havia herdado o nome.
  • Saúde – recebeu este nome por origem de uma promessa religiosa a Nossa Senhora da Saúde, que salvou a esposa de um rico comerciante português, que ergueu uma capela sobre um morro rochoso de frente ao mar,
  • Realengo – significa ‘Real Engenho’, que abreviado lia-se ‘Real Engo.’
  • Botafogo – acabou sendo batizado em 1590, quando Antônio Francisco Velho vendeu suas terras para um amigo, João Pereira de Souza Botafogo.
  • Humaitá – Seu nome provém da batalha do Humaitá, travada na Guerra do Paraguai.
  • Vigário Geral – Conta-se que o padre responsável pela paróquia de Nossa Senhora da Apresentação (que existe até hoje, em Irajá) vinha, pela estrada de ferro. De lá ele seguia por uma estrada até a Igreja, e, sendo ele responsável por toda a freguesia de Irajá e por utilizar sempre o mesmo trajeto da estrada de ferro até a Igreja, a estrada por onde ele passava levou o nome de “Estrada do Vigário Geral” (parte ainda existente nos dias atuais), que deu nome ao bairro homônimo.
  • Vila Valqueire – que, na verdade, era um terreno que media 5 alqueires. Como a placa fazia a indicação com algarismos romanos, V Alqueire virou Valqueire.
  • Piedade – O nome do bairro era “Terra dos Gambás” (por existirem gambás aos montes) e os moradores se reuniram e escreveram uma cartinha para o diretor da Estrada de Ferro Central do Brasil, no fim do século 19. O texto era o seguinte: “Por piedade, doutor, troque o nome da nossa estaçãozinha”. O apelo acabou dando certo. “O diretor respondeu: ‘Minha senhora, será feito. E o nome do bairro será Piedade’.
  • Inhoaíba – era “Terras do Senhor Aníbal”. Como se falava Nhô Anibal, pegou.
  • Jardim Botânico – leva esse nome por ser a localização do Jardim Botânico do Rio de Janeiro.
  • Andaraí – seu nome provém da expressão indígena “Andirá-y”, que significa “Rio dos Morcegos”, na linguagem dos índios tamoios que habitavam a região. O “Rio dos Morcegos” hoje é denominado Rio Joana, que atravessa o bairro, dividindo as duas pistas da Rua Maxwell.
  • Paquetá – o nome da ilha é de origem Tupi e significa “muitas conchas”.
  • Brás de Pina – deve-se ao antigo proprietário de suas terras, Brás de Pina, que aqui mantinha um engenho de açúcar no século XVIII.
  • Sepetiba – em tupi, significa sítio dos sapês. A região já foi coberta de florestas.
  • Largo do Pechincha –recebeu o nome devido ao comércio tradicional e forte, onde funcionava um grande mercado, freqüentado por pessoas de todas as partes da cidade que barganhavam na hora de comprar as mercadorias. Então, quando se queria comprar alguma coisa, as pessoas diziam que iam pechinchar no largo.
  • Jacarepaguá – deriva-se de três palavras da língua Tupi-Guarani: YACARE (jacaré), UPÁ (lagoa) e GUÁ (baixa) – A “Baixa lagoa dos jacarés”. Na época da colonização, as lagoas da baixada de Jacarepaguá eram repletas de jacarés.
  • Olaria – deu-se em virtude dos senhores de engenho, que mantinham no local inúmeros desses fornos, sendo a primeira olaria construída em 1821, no século XIX, por iniciativa da família Ferreira, aproveitando a abundância de barro oriundo do Morro do Alemão, pertencente àquela época a dita família.
  • Pilares – a história do bairro surgiu na época do da família real no Brasil, onde no seu largo havia pequenos pilares em volta de uma fonte de água. Os pilares eram para amarrar os cavalos, a fim deles beberem água da referida fonte. O Largo dos Pilares era uma das paradas do caminho real de Santa Cruz, onde hoje existe a Avenida Dom Hélder Câmara, antiga Avenida Suburbana.

terça-feira, 28 de janeiro de 2020

EXCELENTE TEXTO!!!


Sarney me ensinou o que significa *incompetência*.
Collor me ensinou o que significa *desonestidade*.
Itamar me ensinou o que significa *isenção*.
FHC me ensinou o que significa *traição*.
Aquele que falta um dedo me ensinou o que significa *corrupção*.
Dilma me ensinou o que significa *ignorância*.
Temer me ensinou o que significa *mau caratismo*.
Eu não condeno nenhum deles.
Eles também nos ensinaram outras coisas, como por exemplo, que precisamos ser fortes, que devemos nos indignar com o que é errado e que temos que nos unir, para garantir o futuro de nosso país e das próximas gerações.
Eu, particularmente, agora sei quem são os juízes do STF, o que é o Foro de São Paulo, o que é a Rede Globo e o que significa "toma lá dá cá".
Todos os ex presidentes do Brasil foram um mal necessário e aos poucos acabaram forjando uma nova geração de brasileiros, vestidos de verde e amarelo, de verdade!
Falta muito a aprender? Sim, falta.
E a lição mais recente foi aprender que traidores sempre estarão escondidos em nossas fileiras, prontos para serem desmascarados, não é Wilson, Joice, Doria, Lobão, Frota...
Mas o melhor do melhor do melhor veio do atual presidente!
Eu aprendi que vale a pena acreditar! Que vale muito esperar e apostar na dignidade, no patriotismo, na honra e no coração de um guerreiro que quase perdeu a própria vida para nos dar um futuro digno e uma nação que realmente seja gentil com seus filhos, nos fazendo orgulhar de sermos brasileiros!
*Muito obrigado, Jair Messias Bolsonaro!*

Nilton Stem

Se todos fossem imbecis iguais a você, que maravilha seria o mundo.


Eu votei em Bolsonaro por não ter melhor opção. Até disse: colocar um imbecil desse na presidência pra tirar a esquerda é melhor pra tentar ajeitar o país. O imbecil é "impichado" ou fica 4 anos e vem depois um gênio. Meu saudoso pai, Walter Vieira Arcoverde, de quem tenho vários exemplos e muito me orgulho, dizia com a sabedoria de quem já tinha vivido anos e ido como pracinha a segunda guerra mundial: “ meu filho duvide de quem sabe tudo; não confie sempre nos gênios e lembre-se que há pessoas capazes que se fazem de ingênuas e bestas pra alcançar o seu objetivo; seja esse objetivo positivo ou negativo. Essas pessoas sim, merecem o meu respeito”.
Pois bem!
De imbecil o Bolsonaro não tem nada; eu que fui imbecil por pensar que ele o era.
E dou dois recentes exemplos ...
Juiz das garantias: não vetou, mesmo sendo criticado pelos magistrados. Sabem porque? Porque sabia que o supremo iria moldar e acabar. Porque ele se queimar com o congresso que tá sendo tão bom com ele?
Desmembrar o ministério da justiça: porque não jogar para a opinião publica o que deseja a esquerda? Sabe quem levantou essa bandeira? O secretário de segurança da Bahia do PT. Sabe quem encampou? Rodrigo Maia candidatíssimo a presidente da república em 2022. Sabe o que o “imbecil” fez antes de embarcar? Jogou pra opinião pública. E ainda ganhou tempo de graça na mídia: colocaram os pronunciamentos dele ainda antes de assumir dizendo que o ministério da justiça seria o grande ministério junto com a segurança e lá quem mandava era moro o então juiz convidado. As redes sociais a favor de ficar como tá, porque amam o Moro. O “imbecil” viajando a trabalho e a mídia fazendo propaganda dele a 0800 e ele surfando na onda.
Oh Bolsonaro, se todos fossem imbecis iguais a você, que maravilha seria o mundo.
Continue assim: fazendo esse seu papel; ganhando sempre; mostrando na realidade quem são os verdadeiros bobos que pensam que vão acabar com o seu projeto em andamento de colocar o Brasil nos trilhos.
Sim, e se possível, continue comendo biscoito maisena com leite moça e com aquela cara de bobo. Do jeito que tá; pra mim tá bom demais; e olha que o senhor me prejudicou viu seu bobo, pois vou ter que trabalhar mais 3 anos. Ah bobagem.... quando me aposentar irei ter a certeza que meus proventos de aposentadoria chegará em minhas mãos. Sabe porque nem ligo pelo que o senhor fez? Porque de bobo eu também não tenho nada.
Como estamos perto do carnaval, ole olé olé olá : VIVAM O BLOCO DOS BOBOS QUE EU FAÇO PARTE COM MUITA ALEGRIA.

Moacyr Borborema Arcoverde

terça-feira, 21 de janeiro de 2020

A QUEDA DO IMPÉRIO DOS MARINHOS EM 10 ATOS.


Para quem ainda não entendeu:

1)EM 2007, DE FORMA CRIMINOSA, LULA RENOVOU POR 15 ANOS A CONCESSÃO DA GLOBO. Vence no dia 05.10.22, em pleno Governo Bolsonaro. O pré-requisito pra renovação é a Globo apresentar as CERTIDÕES DE REGULARIDADE FISCAIS e TRIBUTÁRIAS com o Governo Federal. Além disso a Globo depende da emissão de um DECRETO do Bolsonaro autorizando a renovação da CONCESSÃO PÚBLICA.

2) A Globo recebia rios de dinheiro diretamente do governo federal.

3) A Globo tinha o seu futebol patrocinado pela CAIXA ECONÔMICA FEDERAL.

4) A Globo tinha a F1 patrocinada pela Petrobrás.

5) A Globo tinha o Carnaval do RJ e de SP patrocinados.

6) O Instituto Roberto Marinho recebia dinheiro sem licitação.

7)O Banco do Brasil patrocinava o vôlei da Globo.

8)No governo do PT (Lula e Dilma) R$10 BILHÕES entraram no CAIXA da Globo em forma de "propaganda" (cala boca e fecha os olhos) do Governo Federal.

9) Dentre outras entradas financeiras...TUDO ISSO ERA DINHEIRO NOSSO INDO DIRETO NA VEIA DA GLOBO. BOLSONARO CORTOU TUDO ISSO!

10).Bolsonaro escancarou pro Brasil e pro mundo as mazelas da Globo.

*Entendeu agora porque a Globo ODEIA Bolsonaro?
*Porque a Globo quer o fim do governo Bolsonaro?
*E ela fará DE TUDO para acabar com o nosso governo!
*Por isso, não espere que a Globo divulgue qualquer elogio ao governo Bolsonaro, ela JAMAIS FARÁ ISSO!
*Ao contrário, ela encontrará qualquer coisa, qualquer "pêlo em ovo", "chifre na cabeça de cavalo" e O REPETIRÁ E AUMENTARÁ MILHARES DE VEZES!

#GloboLixo
Globo, penso logo desligo!
GLOBO, A GENTE NÃO PRECISA DE VOCÊ!

Sem sucesso, a Globo insiste no erro que a fez afundar nessa crise: o conteúdo ideológico que contraria os valores da maior parte de sua audiência.
Os jornalistas e atores mudam, mas o conteúdo fútil continua o mesmo.


O SOFRIMENTO DE BOLSONARO.


Não sei eu como o presidente Bolsonaro aguenta essa violenta carga negativa que desaba sobre ele todos os dias e vindo de todos os lados. Se não se cuidar, o mito pode a vir ter problema sério de saúde ou quem sabe, em caso extremo, vir a renunciar. O Congresso, por exemplo, trabalha diuturnamente para boicotar, impedir e mutilar qualquer ação governista que vise a melhoria da população. Eles mostram com clareza não ter qualquer interesse em melhorar o país, moralizar, frear a corrupção e nem beneficiar a população. Canalhas de todo tipo atuam nas sombras para prejudicar o presidente. E ele sofre! Se sente injustiçado. Anastasia de um lado querendo que o próprio STF indique ministros; o STF o impede de acabar com o DPVAT; a liberação de armas não prospera e por aí vai; do nada aparece levantamento de quantas vezes ele injuriou jornalistas mentirosos; surgem livros caluniosos e falsos; a Folha de São Paulo perdeu qualquer respeito por si própria e todo dia planta uma fakenews que irrita e faz mal ao presidente. Na internet, blogs maldosos o atormentam todo dia com matérias infames. Enfim, a mídia, o STF, o Congresso, a OAB e a esquerda não dão sossego ao presidente. Até entrar na Justiça para impedir de criar o seu partido, o presidente teve que aguentar. Ele suportará esse tranco por mais três anos?

A situação poderia ser amenizada caso o presidente tivesse outro comportamento. Mas a sua personalidade combativa, sempre pronta ao enfrentamento, o prejudica demais. Ele está sempre respondendo, se desgastando, se aborrecendo e consumindo a sua saúde. Algumas situações claramente se devem à própria língua do presidente que não se contém e o faz anunciar coisas que estão em futuro distante e que não mereciam ser comentadas por ele naquele momento. O melhor exemplo? Na segunda semana de mandato, o mito começou a dizer que Sérgio Moro iria para o Supremo ocupar a vaga que só virá a acontecer no final desse ano! Porque não ficar calado? Porque ficar espalhando isso e dando motivo para seus inimigos nas sombras articularem maldades. A indicação de Moro ao STF deveria ser guardada em segredo de sete chaves e caso levantassem a questão, deveria dizer que jamais cogitou Moro para o STF. Falta essa astúcia política ao presidente, a mesma que sobra nos seus inimigos. Resultado, os políticos com medo do Moro estão articulando para tirar do presidente a indicação ao STF. É como entregar o ouro graciosamente! E assim ele vai anunciando coisas que vai fazer com meses de antecedência do dia em que pretende efetivá-las. Quando as anuncia precocemente, os inimigos com bastante tempo podem articular o fracasso daquela ideia do presidente. Bolsonaro deveria acabar também com aqueles aborrecimentos diários de falar com jornalistas na entrada do planalto. É só aborrecimento. Porque se desgastar com isso?


Eu aprendi desde cedo, no campo profissional, onde tive muitos inimigos gratuitos, que a arma mais poderosa que se dispõe no cotidiano do trabalho é a informação e se você fala sobre tudo, teus inimigos sabem como você pensa e trabalham para te neutralizar. Por isso, quanto menos souberem, melhor. Você deve ser o muro. Escuta tudo, mas jamais fala dos seus planos. Se falar, começa logo a boicotagem. Alguém precisa dizer a Bolsonaro que ele deve ficar no Olimpo em relação à mídia, ao STF e ao Congresso. Não anunciar com espalhafate Medidas Provisórias bem antes de editá-las. Deve trabalhar no silêncio e falar só na hora certa. Ele deve manter a sua popularidade se relacionando diariamente com a população, com escolas, crianças e com programas sociais que beneficiam a população, etc. O resto é ignorar e se relacionar só com o indispensável. Deve deixar os seus excelentes ministros tocarem o barco! Nada de responder pra jornalistas, se justificar e falando antes do tempo o que pensa fazer.

Qual foi o maior exemplo de sucesso retumbante de Bolsonaro, provando que vale a pena ficar calado? Foi quando por meses a fio teceu, negociou e elaborou, o acordo Mercosul União - Europeia. Jornalistas diziam antes de o presidente viajar para a reunião de cúpula que ele nem saberia o que falar e apresentar no Encontro. Diziam que se sairia mal, que não tinha cacife etc., e ele, sabiamente guardou silêncio, talvez orientado pelo chanceler Ernesto Araujo que “roda bolsinha” há muito tempo. Quando foi anunciado o acordo Mercosul-União Europeia, de surpresa, sem ninguém esperar, foi um estrondo. Até a mídia se curvou ao presidente e o impacto foi incrível e positivo. Agora imaginem se ele meses antes falasse disso todo dia antes do encontro. Já chegaria lá com o assunto desgastado, esvaziado e a mídia já teria preparado outras sujeiras para levar ao fracasso. Presidente deixe falarem, escreverem livros, fazerem vídeos e etc., fique mudo: não sei, não vi e nem quero saber. Essa é a única saída para que o sofrimento do presidente seja suavizado! Informação é poder presidente. Pegue a de todos, mas não entregue a sua antes do tempo! Brasil Acima de todos, Deus acima de Tudo!

Desconheço o autor, recebido pelo zap.

segunda-feira, 20 de janeiro de 2020

Justiça decide! Atirar contra policiais não é necessariamente tentativa de homicídio.


O Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul , TJ-RS, decidiu que atirar contra policiais não é necessariamente tentativa de homicídio.
Os desembargadores excluíram dois acusados de tentativa de homicídio de terem um julgamento pelo tribunal do juri.
“Não há elementos a evidenciar que o réu teria feito mira, direcionando os disparos contra os policiais militares, mas sim efetuaram os disparos como forma de evitar ou dificultar a aproximação” disse o relator, que foi seguido pelos colegas.
“Não se pode presumir que quando alguém efetua um disparo de arma de fogo em fuga de policiais, está atirando para matar os agentes”, disse o juiz de primeira instância.
Dá pra acreditar?

terça-feira, 14 de janeiro de 2020

Estado Islâmico mata 11 cristãos após o Natal.


Na quinta-feira (26/12), o grupo extremista Província do Estado Islâmico na África Ocidental (ISWAP) divulgou um vídeo, no qual mostrou 11 reféns cristãos sendo mortos. As vítimas foram decapitadas pelos terroristas após terem pedido, em um vídeo anterior, que a Associação Cristã da Nigéria (CAN) negociasse sua libertação.
Segundo o Estado Islâmico (EI), a ação fez parte de sua campanha, lançada no último domingo, para vingar as mortes do líder, Abu Bakr al-Baghdadi, e do porta-voz, ocorridas em outubro, na Síria. Desde então, vários ataques foram reivindicados pelo grupo extremista.
O EI disse que as vítimas foram capturadas nas últimas semanas, no Nordeste do estado de Borno, na Nigéria. O vídeo desta quinta-feira tem duração de 56 segundos e mostrou homens de uniforme bege e máscaras atrás dos reféns, que estavam vendados. Um deles foi alvejado com um tiro e os outros foram decapitados.

O vídeo foi disseminado pelo canal de notícias do grupo no Telegram, com legendas em árabe e sem áudio. Analistas disseram que o conteúdo foi lançado de propósito para coincidir com a celebração de Natal.
Sobre o caso, o secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, se manifestou. Ele prestou condolências por meio de um comunicado emitido por seu porta-voz, Stephane Dujarric.
– O secretário-geral está profundamente preocupado com relatos de que civis foram executados e outros sequestrados por grupos armados no norte do estado de Borno, no nordeste da Nigéria. Ele expressou suas mais profundas condolências às famílias das vítimas e reitera a solidariedade das Nações Unidas com o povo e o governo da Nigéria – declarou.
Cristãos incendiados vivos.

O governo da Nigéria não se pronunciou. Já a célula nigeriana do grupo jihadista ressaltou que o episódio se tratou de “uma mensagem para os cristãos do mundo inteiro”.

sexta-feira, 10 de janeiro de 2020

Formando burros e jumentos.


Se alguém ainda tinha alguma dúvida, o ranking do Pisa provou de uma vez por todas que a tal "pátria educadora", que encheu péssimas universidades com péssimos alunos formados por péssimos professores, era apenas um embuste.

Distribuir diplomas a pessoas de baixa inteligência, nenhum talento, estúpidas, cotistas, etc, é como carimbar o traseiro de bois e vacas que estão indo para o abate (neste caso justificável).

Na nossa cultura deformada pelo 'coitadismo', ou para falar mais academicamente, pelo ethos-igualitarista moderno, teimamos em achar que a Universidade é para todos. Nunca foi e nunca será. Essa é uma das maiores mentiras da modernidade.

A decadência da civilização se iniciou com a universalização do ensino, com a troca da formação espiritual e intelectual puras, "ars gratia artis"no sentido aristotélico, pelo adestramento meramente utilitarista para fins de sobrevivência.

Osmar Terra recebeu o troféu pelo trabalho do Ministério da Cidadania durante a Cúpula Mundial de Inovação para a Educação, no Catar

Universidade é para uma elite intelectual. É para quem realmente tem talentos, gosta de estudar e tem uma inteligência privilegiada. Sua prioridade é produzir conhecimento e não formar mão de obra ...e muito menos ainda formar militantes revolucionários que irão implantar o comunismo no país.

Para formar profissionais e mão de obra existe o ensino técnico e profissionalizante. As oportunidades que devem ser oferecidas a todos é a de uma boa formação de base onde, por meio da meritocracia, serão revelados aqueles mais capazes de ir para a Universidade PRODUZIR CONHECIMENTO.

Transformar todo mundo em universitário apenas para não ferir a autoestima do jovem maconheiro que usa piercing no nariz e alargador na orelha é algo completamente estúpido! Tudo que o governo do PT conseguiu foi queimar centenas e centenas de bilhões de reais para produzir o pior, o mais idiota, o mais ignorante, o mais analfabeto, e por consequência o mais mimado, alienado e arrogante aluno do mundo!

Nivelaram todo mundo por baixo, destruíram qualquer possibilidade de formar uma verdadeira elite intelectual para o país. São mais de duas décadas jogadas inteiramente no lixo! Trocaram a meritocracia (de alunos e professores) pela "universalização", pela "política de cotas"e pela "ideologização".

Nunca reconhecendo que as pessoas são essencialmente diferentes, umas mais inteligentes, mais capazes e mais esforçadas que as outras; enfiam goela abaixo de todos o maldito igualitarismo que sempre favorecerá o vulgar, o grosseiro e o ignorante. Sempre nivelará por baixo, rebaixará a tudo e a todos e produzirá os piores resultados.

Reúna vários alunos inteligentes e todos se tornarão mais inteligentes ainda. Cerquem um gênio de medíocres e vulgares e testemunhará sua lenta e gradual decadência.

Numa era em que a humanidade enfrenta a sua mais radical transformação tecnológica, a civilização cibernética põe em cheque toda a cultura humanista, há uma mudança profunda de quase todos os paradigmas científicos, sociais e econômicos; nanotecnologia, microbiologia, projeto genoma, matriz energética, 5G e 6G, Internet das coisas, etc.

Nós gastamos trilhões em 20 anos para produzir uma geração “Nem Nem de mimados, estúpidos, deprimidos, feminilizados, vazios, idiotas e arrogantes que votam no PSOL e morrem de medo de se tornar adultos.

Uma legião de falsos graduados sem possibilidade de emprego, endividados com o FIES, caminhando para a meia idade, morando com os pais e frequentando a marcha da maconha porque precisam urgentemente legalizar seu suicídio.

Maurício Mühlmann Erthal

quinta-feira, 9 de janeiro de 2020

Pessoas normais não são de esquerda.


Intelectual que analisa as grandes correntes do pensamento ocidental, o britânico Roger Scruton, que participou de uma conferência organizada pelo ciclo Fronteiras do Pensamento, no Teatro Santander em São Paulo, acredita que “pessoas normais não são de esquerda”.

O pensador britânico afirmou ainda que esquerdistas acham que são donos da verdade.
“Há mil coisas que podem ser chamadas de conservadoras , há mil coisas que podem ser chamadas de liberais. O que importa, no final, é o que você faz com elas”, disse Scruton.
O filósofo tem defendido em livros as diferenças entre os valores, principalmente em relação a realidade política de regimes conservadores que ganham força em diversos países do mundo. Aos 75 anos, o filósofo conservador é o mais celebrado da atualidade.
“Eu sou um intelectual e gosto de ver as coisas como são, não como eu gostaria que fossem. Assim, minhas opiniões são irrelevantes”, disse.
Doentes mentais do PT sendo hostilizados.

Ele também avaliou a ascensão de Jair Bolsonaro, afirmando que ainda é preciso esperar para saber o que ele irá fazer. “Eu não o conheço. É preciso ver o que ele vai fazer além do personagem que é”, disse Scruton.
O filósofo critica a União Europeia como projeto, por ver nela o valor individual coibido em favor de uma burocracia sem face, o que considera parte de uma visão totalitária, tema que é a sua especialidade.
“A esquerda se acha dona da verdade, e acham que devem nos calar. Na mídia social, eles podem fazer isso sem ter de fazer esforços de entendimento ou engajamento para convencer pessoas com argumentos”, sustenta.

quarta-feira, 8 de janeiro de 2020

Por que a esquerda defende o Irã, que enforca gays e oprime mulheres.


Nos dias que se seguiram ao ataque que matou o general iraniano Qassem Soleimani, a timeline dos brasileiros no Twitter foi inundada por posts em defesa do Irã — invariavelmente escritos por perfis “de esquerda”. Houve quem se colocasse do lado dos aiatolás com o argumento de que, supostamente, o Irã não teria atacado nenhum país nos últimos anos, ao contrário dos Estados Unidos. Outros mostravam-se horrorizados com o fato de o presidente americano Donald Trump ter ordenado o assassinato de um “legítimo” representante do governo de outro país.
Como já disse aqui, há motivos para criticar a ordem de Trump. Entre eles, a possibilidade de que a eliminação de Soleimani tenha o efeito contrário do que o esperado pelo governo americano. Em vez de evitar uma guerra, pode iniciar uma. Em vez de conter o avanço do Irã no Oriente Médio, pode ajudá-lo. Mas trata-se de um conflito de quatro décadas, esse entre Estados Unidos e Irã, e algumas decisões duras muitas vezes precisam ser tomadas.
Seria perfeitamente possível ficar só na crítica à decisão de matar Soleimani sem precisar partir para a defesa do Irã. Por alguma razão, porém, parte da esquerda brasileira não consegue ficar dentro desse limite.
Por que essa parcela da esquerda brasileira se vê aprisionada na máxima de que “o inimigo do meu inimigo é o meu amigo”, permitindo que o ódio a Trump e ao presidente Jair Bolsonaro (que se enxerga como discípulo do americano) a deixe cega para o que o regime iraniano representa de pior em relação a algumas das principais bandeiras da própria esquerda, como os direitos LGBT e o feminismo?
Para quem critica Bolsonaro por ser homofóbico e misógino, a simples ideia de passar a mão virtual na cabeça de um regime que oprime as mulheres e pune a homossexualidade com a forca deveria provocar repulsa. Mas não provoca.

Diogo Schelp

Para o povo Judeu, a situação nunca foi melhor!


Eu tenho muito orgulho em saber que ajudei a eleger e que continuo apoiando com unhas e dentes um presidente que nos fez AMIGO desta grande nação e que em breve o Brasil se tornará a imagem de Israel. Parabéns Bolsonaro.

DISCURSO DE BENJAMIN NETANYAHU - Premier Israelense - após as ameaças do Irã de destruir Israel

"Apenas 70 anos atrás os judeus foram levados para o matadouro como ovelhas.

Há 60 anos não tínhamos país ou exército.

Apenas algumas horas após a sua criação, sete países árabes declararam guerra ao nosso pequeno Estado judeu.

Nós éramos apenas 650 judeus contra o resto do mundo árabe, sem nenhuma força de defesa.

Nenhuma força aérea poderosa, apenas pessoas corajosas.

Líbano, Síria, Iraque, Jordânia, Egito, Líbia, Arábia Saudita, todos nos atacaram ao mesmo tempo.

O país que as Nações Unidas nos deram foi 65% deserto. O país não era nada!

35 anos atrás nós lutamos contra os três exércitos mais poderosos do Oriente Médio, e nós os varremos, sim ... em seis dias.

Lutamos contra várias coalizões de países árabes, que tinham exércitos modernos e muitas armas soviéticas, e sempre os derrotamos!

Hoje nós temos:
*Um país
*Um exército
*Uma poderosa força aérea
* Um Estado cuja economia exporta milhões de dólares
* Intel - Microsoft - A IBM desenvolve produtos para todos.
* Nossos médicos recebem prêmios por pesquisa médica.
* Temos inúmeros prêmios Nobel em todas as áreas.

Nós fizemos o deserto florescer, vendemos laranjas, flores e legumes para todos.
Israel enviou seus próprios satélites para o espaço! Três satélites ao mesmo tempo!

Estamos orgulhosos de estar no mesmo nível que os Estados Unidos, que tem 250 milhões de habitantes.
Rússia, que tem 200 milhões de habitantes, a China tem 1.300 milhões de habitantes.
Europa (França, Grã-Bretanha, Alemanha), com 350 milhões de habitantes.
Estes são os únicos países do mundo que enviam objetos para o espaço! Israel agora faz parte da família de potências nucleares, com os Estados Unidos, Rússia, China, Índia, França e Grã-Bretanha.

Nós nunca admitimos isso oficialmente (mas todos sabem disso): apenas 60 anos atrás, eles nos pegaram, envergonhados e desesperados para nos sacrificar!

Tivemos recentemente a opressão sobre a Europa e vencemos nossas guerras aqui com menos do que nada. Nós construímos nosso pequeno "Império" do nada.

Quem é o Hamas que quer nos assustar, nos intimidar? Eles nos fazem rir!

A Páscoa foi celebrada; não vamos esquecer o que isto significa:

Nós sobrevivemos ao Faraó.
Nós sobrevivemos aos gregos.
Nós sobrevivemos aos romanos.
Nós sobrevivemos à inquisição da Espanha e dos massacres na Rússia.
Nós sobrevivemos a Hitler.
Nós sobrevivemos aos alemães.
Nós sobrevivemos ao Holocausto.
Nós sobrevivemos aos exércitos de sete países árabes.
Nós sobrevivemos a Saddam.
Continuaremos a sobreviver também aos inimigos de hoje.

Pense em qualquer outro momento da história da humanidade! Pense nisso: para nós, o povo judeu, a situação nunca foi melhor! Nós vamos enfrentar o mundo.

Lembre-se: todas as nações ou culturas que uma vez tentaram nos destruir, hoje não existem mais e nós ainda vivemos!

Egito?
Os gregos?
Alexandre da Macedônia?
Os romanos? Alguém fala latim hoje em dia?
E o terceiro reich?

E olhem para nós:
A nação da Bíblia
os escravos do Egito,
Nós ainda estamos aqui.

E nós falamos a mesma língua! Antes e agora! Os árabes ainda não sabem disso, mas aprenderão que existe um Deus! ... enquanto mantivermos nossa identidade, nós seremos para sempre!

Então pedimos desculpas por não nos preocuparmos.
Por não chorarmos.
Por não termos medo
As coisas estão bem por aqui.
Elas certamente poderiam ser melhores.

No entanto: não acredite na mídia, porque eles não dizem que as festas ainda estão acontecendo, as pessoas ainda estão vivendo, as pessoas ainda estão saindo, as pessoas estão saindo para ver seus amigos.

Sim, nossa moral é baixa. Por quê? Só porque lamentamos nossos mortos, enquanto outros se regozijam no sangue derramado. É por isso que vamos vencer no final.

Ele nunca dorme e nunca dormirá ... o guardião de Israel ... HaShem, Deus de Abraão, Isaque e Jacó."

#BenjaminNetanyahu - Premier Israelense.

Irã afirma ter o direito de executar homossexuais em público por "valores morais".


Em resposta a perguntas feitas em Teerã, capital iraniana, por um repórter do jornal alemão Bild, o ministro das Relações Exteriores da República Islâmica do Irã, Mohammad Javad Zarif, reiterou a justificativa do país em manter uma lei que prevê a execução de homossexuais e também reforçou sua oposição a Israel e aos EUA.

O repórter da Bild, chamado Paul Ronzheimer, escreveu no Twitter que fez duas perguntas a Zarif: "1. Qual seu posicionamento com relação ao direito de Israel existir? 2. Como você lida com as execuções de gays?"

Ronzheimer escreveu que Zarif respondeu: "O problema são as políticas agressivas de Israel e dos EUA".

Sobre a execução de gays do Irã, Zarif disse que: "Nossa sociedade tem princípios morais e vive de acordo com esses princípios. Esses são princípios morais com relação ao comportamento das pessoas em geral. E por isso que a lei é mantida e você deve obedece-las".

Richard Grenell, o embaixador dos EUA na Alemanha, disse ao Jerusalem Post na segunda-feira: “A Declaração de Direitos Humanos da ONU deixa claro que essas respostas do regime iraniano estão violando os princípios básicos da ONU. Os membros da ONU devem concordar com a Declaração para serem membros. Criminalizar a homossexualidade viola a Declaração, pura e simplesmente”.
Volker Beck, um político do partido verde alemão e ativista LGBT, repudiou a afirmação do ministro iraniano.
"Zarif deixa claro o que o Irã defende: o desprezo pelos direitos humanos de homossexuais, mulheres e minorias religiosas". Beck, que também é professor do Centro de Estudos em Ciências Religiosas (CERES) da Universidade de Ruhr, em Bochum, acrescentou que quem apoia os mulás (doutores da lei islâmica) sabe o que eles representam. Ele disse que "o enforcamento e apedrejamento de homossexuais é considerado um princípio moral pelos estudiosos e adeptos do islamismo em Teerã".
O Jerusalem Post informou em janeiro que o regime clerical do Irã enforcou publicamente um homem com base em uma lei islâmica anti-homossexual. O homem não identificado foi enforcado no dia 10 de janeiro, na cidade de Kazeroon, no sudoeste do país.

Contextualização


De acordo com o envio de um WikiLeaks britânico em 2008, o regime dos mulás do Irã executou “entre 4.000 e 6.000 gays e lésbicas” desde a Revolução Islâmica de 1979.

Em 2016, o Jerusalem Post também informou que o regime iraniano havia executado um adolescente gay naquele ano - a primeira execução confirmada de alguém condenado como jovem na República Islâmica.
Hassan Afshar, de 19 anos, foi enforcado na Prisão de Arak, na Província de Markazi, no Irã, em 18 de julho de 2016, depois de ter sido condenado por “sexo anal forçado entre homens e homens” no início de 2015.
Em 2011, o regime iraniano executou três homens iranianos depois destes serem considerados culpados de acusações relacionadas à homossexualidade.

O enforcamento público do regime iraniano em janeiro ganhou espaço no anúncio feito pelo governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, em fevereiro de que estaria lançando uma campanha para acabar com a criminalização da homossexualidade em todo o mundo.

Grenell - oficial do governo americano e homossexual assumido - disse ao Post em fevereiro que “71 países criminalizam a homossexualidade e oito vão matar pessoas apenas por serem gays. A administração Trump está lançando um novo impulso com nossos aliados europeus para acabar com esse ultraje dos direitos humanos”.
“No Irã, onde crianças de até nove anos podem ser sentenciadas à morte, adolescentes gays são enforcados publicamente para aterrorizar e intimidar outras pessoas. As terríveis ações do Irã estão equiparadas à brutalidade e selvageria demonstradas regularmente pelo Estado Islâmico”, acrescentou.

Análise: Morte de Soleimani é um evento sísmico no Oriente Médio.


Mais do que qualquer outra operação militar americana desde a invasão do Iraque, o assassinato do general e comandante da Guarda Revolucionária do Irã, Qassem Soleimani, é um evento sísmico. As mortes de Osama bin Laden e Abu Bakr al-Baghdadi, os líderes da Al-Qaeda e do Estado Islâmico, foram certamente significativos e também foram em grande parte simbólicas, porque suas organizações foram destruídas. No entanto, o extermínio do arquiteto da campanha ativa de décadas da República Islâmica da violência contra os Estados Unidos e seus aliados, especialmente Israel, representa uma mudança tectônica na política do Oriente Médio.
  Para ver o quão realmente significativa é a morte de Suleimani, ela ajuda a entender o jogo geopolítico ao qual ele se dedicou durante sua vida. No Líbano, Soleimani transformou o Hezbollah em um poderoso estado dentro de um estado. Uma organização terrorista que recebe fundos, armas e ordens de Teerã, o Hezbollah possui hoje um arsenal de mísseis maior que o da maioria dos países da região. O surpreendente "sucesso" do grupo tem ajudado a consolidar a influência do Irã não apenas no Líbano, mas também em todo o mundo árabe.
Com base nessa experiência bem-sucedida, Suleimani passou a última década replicando o modelo do Hezbollah no Iraque, na Síria e no Iêmen, sustentando as milícias locais com armas de precisão e conhecimento tático de guerra. Na Síria, suas forças se aliaram à Rússia para sustentar o regime de Bashar al-Assad, em um projeto que, na prática, significou expulsar mais de 10 milhões de pessoas de suas casas e matar mais de meio milhão. No Iraque, como vimos nos últimos dias, as milícias de Suleimani passaram por cima das instituições estatais legítimas. Eles chegaram ao poder depois de participar de uma insurgência, da qual ele era o arquiteto, contra as forças americanas e da coalizão. Centenas de soldados americanos perderam a vida com as armas que de Suleimani forneceu aos seus "procuradores" iraquianos.
O chefe da Guarda Revolucionária do Irã construiu esse império de milícias, apostando que os EUA evitariam um confronto direto. Essa aposta certamente valeu a pena sob o presidente Barack Obama e até parecia ser uma aposta segura sob o presidente Trump, apesar de sua política declarada de "pressão máxima".
Em setembro, Suleimani ornenou o ataque a um campo de petróleo da Arábia Saudita, um verdadeiro ato de guerra, que ficou sem resposta. Ele seguiu orquestrando ofensivas contra os americanos usando suas milícias. O governo Trump, por sua vez, já havia dito claramente que atacar americanos era uma "linha vermelha". No entanto, Soleimani havia recebido ameaças de líderes americanos no passado. De novo, ele pensou que poderia "apagar" a linha vermelha de Trump.
Sua partida tornará o Irã muito mais fraco. Isso encorajará os rivais regionais do país - principalmente Israel e Arábia Saudita - a perseguir seus interesses estratégicos com mais veemência. Também vai instigar os manifestantes no Irã, Líbano e, principalmente, no Iraque, na esperança de que um dia eles tirem o controle de seus governos das garras da República Islâmica.
Em Washington, a decisão de matar Suleimani representa o final de uma estratégia de Obama para o Oriente Médio, que procurou realinhar os interesses americanos com os do Irã. A busca de Obama por um convivência pacífica com Teerã nunca se ajustou à realidade do caráter fundamental da República Islâmica e às ambições regionais. O presidente Trump, por outro lado, percebeu que o objetivo de Teerã era substituir a América como o principal ator no Oriente Médio.
Os Estados Unidos não têm escolha. Se o país quiser permanecer no Oriente Médio, terá de ter controle sobre o poder militar do Irã. Para um presidente eleito em uma plataforma de paz e prosperidade, enfrentar o Irã não foi uma decisão fácil de tomar. Sem dúvida, Trump prefere negociar com o Irã seu programa nuclear do que ordenar o assassinato de seu general mais famoso. Entretanto, o presidente percebeu que garantir a posição regional dos EUA exigia uma resposta forte e visível às escaladas cada vez mais comuns de Suleimani.
Contudo, essa resposta veio atrasada. Soube por meio de um ex-alto funcionário da Casa Branca e do Departamento de Defesa, que os Estados Unidos tiveram várias oportunidades passadas de matar Suleimani, mas sempre relutaram. Ficou provado que a indecisão não tornou o mundo mais seguro e só deu a Soleimani mais tempo para construir seu império.
Os críticos de Trump imediatamente o acusaram de provocar o Irã desnecessariamente, argumentando que o assassinato de Suleimani poderia levar o país à guerra. Esta é uma análise que ignora o fato de general iraniano já travar guerra contra os EUA e seus aliados há anos e estar diretamente envolvido no planejamento de ataques a aliados.
O mundo em que acordamos hoje, livre de seu terrorista mais bem-sucedido e mortal, é um lugar melhor. Em nenhum local esse pensamento é mais evidente do que em todo o Oriente Médio, onde cidadãos comuns têm postado vídeos em mídias sociais comemorando a morte do autor de tanta miséria. Todos devemos - mesmo aqueles entre nós que não se importam particularmente com o Sr. Trump - se juntar a eles e continuar a negar o legado do assassino anti-americano Suleimani.
Michael Doran, membro sênior do Instituto Hudson e autor de "Ike's Gamble: America's Rise to Dominace in the Middle East"