terça-feira, 14 de julho de 2020

PMERJ conivente com o crime?


A PRIMEIRA vez que minha casa foi invadida foi entre a primeira e segunda semana de dezembro de 2018 não posso dizer exatamente o dia pois estava passando algumas semanas fora do Estado do Rio de Janeiro quando retornei encontrei a tranca do portão de entrada na rua para o interior de meu quintal sem duas voltas,  deixo sempre com duas voltas na fechadura, assim que abri o portão dei de cara com a porta de minha sala aberta até o canto, pensei comigo entrou bandido, VAGABUNDO, marginal, ... no interior de minha casa, para não ser surpreendido de imediato me dirigi aos fundos da casa e encontrei a porta da cozinha sem as duas voltas na fechadura, não entrei em casa pelos fundos, retornei pelo corredor e entrei pela porta da sala, no primeiro andar a primeira coisa que fiz, foi verificar os quatro botijões de gás, devido ser uma das coisas a ser roubados, todos eles presentes, em seguida verifiquei que duas televisões na parte de baixo, rádios, eletroeletrônicos, eletrodomésticos, bicicleta elétrica novíssima, coisas miúdas e outros de fácil transporte não foram roubados, minha casa foi totalmente revirada. Achei estranho como VAGABUNDO invade a casa de alguém e não rouba NADA, em seguida subi a escada e me dirigi ao SEGUNDO andar onde dou de frente com o banheiro, nisso olhei para o chão os panos próximo ao vaso sanitário estavam fora do lugar e a tampa do vaso suspensa, quando viajo deixo todas as tampas dos vasos (quatro) do banheiro fechadas para evitar proliferação de mosquitos da dengue, quando olho para o interior do vaso cheio de FEZES até a boca, mas até a boca mesmo, quase transbordando. 


Olho para o boxe do banheiro vejo duas GUIMBAS de cigarro, ao sair do banheiro no hall próximo ao banheiro vejo panos forrados no chão com travesseiros para descanso, sinal esse que ficaram no interior de minha residência por muito tempo, inclusive deve ter usado DROGAS. 


No segundo pavimento tem eletroeletrônicos, eletrodomésticos, duas televisões, rádios. computador, objetos miúdos de valor e fácil transporte e outros e NADA foi roubado, saindo do SEGUNDO pavimento rumo ao TERCEIRO pavimento (terraço) tem uma porta de ferro com a tranca  também sem as duas voltas, assim que vou ao terraço vejo uma GUIMBA de cigarro. No terraço tem uma porta de ferro que dá acesso a três cômodos(quarto, banheiro e cozinha) também todo remexido e com a fechadura sem as duas voltas, conforme deixo sempre quando viajo. A partir da PRIMEIRA invasão em diante coloquei diversas estratégias bem simples em meu quintal onde só eu sabia, para identificar se alguém entrou em meu quintal ou em minha casa , caso alguém entrasse tirava as mesmas fora do lugar querendo ou não querendo e com isso teria certeza de que alguém entrou no quintal .



Para evitar uma SEGUNDA invasão , troquei todas cinco fechaduras de minha casa gastando R$ 270,00, mas infelizmente NADA adiantou, novamente minha casa foi invadida pela SEGUNDA vez, assim que abri o portão a primeira coisa que fazia era ver as estratégias e todas elas estavam fora do lugar que deixei.

SEGUNDA INVASÃO foi entre a terceira e quarta semana de dezembro de 2018, também não posso dizer com exatidão o dia, pois estava viajando para o interior do Estado do Rio de Janeiro quando retornei encontrei os mesmos procedimentos na PRIMEIRA invasão, portão da rua, porta da sala no primeiro andar, porta que dá acesso ao terraço no terceiro andar, porta de acesso a três cômodos (quarto, cozinha e banheiro) no terraço todas portas abertas com chave MIXAS, vaso sanitário do SEGUNDO pavimento cheio de fezes até a boca, tampas do vaso sanitário aberta,  GUIMBAS de cigarro , colchonete no chão para descansar, casa toda revirada, isto é, o mesmo acontecimento da PRIMEIRA INVASÃO com exceção da porta da cozinha nos fundos, que não foi aberta na SEGUNDA e TERCEIRA INVASÃO devido ter colocado diversos ferros empurrando a porta em sentido contrário e com isso evitar sua abertura, mas mesmo assim sem as duas voltas na fechadura,e assim sendo impedido a sua entrada pela porta da cozinha nos fundos da casa. 


Na TERCEIRA invasão sai de casa aproximadamente às cinco horas da manhã, quando retornei aproximadamente às sete horas e quarenta minutos, ao abrir o portão estava sem as duas voltas, assim que entrei em meu quintal observei que algumas estratégias que deixei para identificar se alguém entrou em meu quintal estavam fora do lugar e me dirigi aos fundos da casa, como passei a fazer após a primeira invasão em diante, nisso dei de cara imediatamente com as vidraças de minha janela quebradas e fechadas.


Cheguei próximo e observei que a tranca da janela assim como cadeado papaiz de tamanho médio, embora soldado estavam arrombados nisso deslizei as partes da janela que são de correr da direita para esquerda e vice-versa, escutei um barulho no interior de minha casa, pensei comigo não vou entrar, caso o faça eles vão me matar, seja lá quem for que estiver lá dentro, isso está na cara de qualquer um, repeti o mesmo procedimento pela segunda vez, de novo escutei um barulho e pensei não vou entrar ,embora se fosse entrar, faria pela porta da sala na frente, devido ser o dono da casa , logo não entraria pela janela, nisso me dirigi ao quintal à frente de minha casa e olhei em direção à janela do meu quarto de dormir no 2º andar e vi quando um elemento de cor escura estava me observando, o qual gravei muito bem sua fisionomia, fiz para ele o sinal de positivo com a mão esquerda e disse "VALEU" e dei às costas e fui à rua informar aos meus vizinhos que tinha alguém dentro de minha casa, até então não sabia quem era, quando cheguei próximo a metade da rua apareceu subindo a minha rua uma viatura da PM com cinco policiais, aí fiquei observando o seu destino , quando chegou próximo à minha residência a viatura parou e desceram todos os policiais e se dirigiram em direção oposto à minha casa, nisso sai correndo e chamei um dos policiais, e disse a ele tem alguém dentro de minha casa ,ele me faz a seguinte pergunta imbecil,  é policia ou bandido, pensei comigo, ora bolas se está dentro de minha casa sem minha autorização ou ordem judicial é BANDIDOS se for policial é pior que BANDIDO, ele pergunta onde o senhor mora? , respondi naquele portão vermelho, ele faz outra pergunta o senhor pode ir lá abrir o portão, respondi que sim, assim que abri o portão quando ele colocou os pés no meu quintal, ele diz HOPE, alguém dentro de minha casa responde HOPE, pensei comigo é policia,  pior que bandido, nisso esse elemento  que está dento de minha casa grita comigo, me dar ordens para abrir rápido a porta, me tratando com truculência e falta de respeito o que é um absurdo, alem de está todo errado me tratando dessa maneira, quando abri a porta da sala, saíram três policiais fardados sem identificação, cometendo com isso transgressão disciplinar e crimes em cima de crimes, armados com fuzil, passando por mim e pelo policial que chamei, este deveria dar ordem de prisão aos três PMs pelos crimes cometidos, não fez absolutamente NADA , logo a meu ver é corporativista, cúmplice e conivente com os crimes cometidos pelos três invasores de minha residência.
Em seguida peguei meu celular para tirar fotos e filmar a viatura e os PMs, por falta de sorte meu celular estava descarregado, então peguei a caneta e um papel e anotei o prefixo e placa da viatura, nisso um policial também sem identificação diz para mim: aí chefe não precisa anotar a viatura  é só falar comigo, se fosse bandido o senhor não faria isso, respondi a ele , com certeza sabe porque moro aqui 36 anos, bandidos aqui respeitam os moradores, não entram na casa de ninguém , quando entram são os bandidos de fora como vocês e vou tomar minhas providências e dei às costas a ele e fui falar para alguns vizinhos, que quem estava dentro de minha residência eram três PMs fardados e sem identificação.

Peguei três PMs bandidos, VAGABUNDOS,...dentro de minha casa sem minha autorização ou ORDEM judicial


Depois fui ao batalhão deles onde foi a pior coisa que fiz, chegando lá fui atendido por um policial que disse bom dia , senhor o que posso ajudar, respondi bom dia, desejo falar com o oficial de dia, ele me pergunta: é sobre? Respondi é particular , pensei comigo não adianta falar com um ou  com outro, ele então diz vou chamá-lo, demorou uns trinta minutos aparece o oficial de dia, um "primeiro sargento" (sargento não é oficial), aí pergunto a ele, oficial de dia é sargento? Ele responde sim, disse a ele gostaria de fazer uma denuncia,  em seguida ele me pede para ir na sala do oficial de dia para relatar o fato, depois que contei, o tempo todo me pressionando para não denunciar o colega, até que respondi não posso deixar de registrar o fato, não sou bandido, caso fosse não estaria aqui, outra coisa não sei o que está acontecendo, tenho que fazer para me resguardar e detalhe se entrasse dentro de minha casa, eles forjariam um flagrante colocando armas e drogas junto ao meu corpo alegando envolvimento com tráfico, isso faz parte do currículo deles, aí vira o oficial de dia e diz porque eles iriam fazer isso com o senhor?, respondi a ele,  o senhor acha que eles iriam me tratar com carinho e dignidade, está na cara de qualquer um, que eles me matariam e com isso mais um inocente perdendo a vida, quando estava na sala do oficial de dia falando com o mesmo que não gostaria de fazer o registro,  entra o policial que disse: aí chefe .... é o policial que chamei para avisar que tinha alguém dentro de minha casa, ambos com ar de deboches e ameaças dão gargalhadas e diz: não queria, e está fazendo, aí o oficial de dia viu que eles estavam nervosos poderiam até me ameaçar em sua presença, levou eles para fora da sala e ficou conversando com eles bastante tempo, logo após retornar o oficial de dia me diz, ouve o colega ele quer conversar com o senhor, respondi a ele não quero conversar com ninguém desejo providências, então ele insiste até que concordei, aí entra o policial que disse aí chefe se fosse bandidos o senhor não faria isso,... a primeira coisa que ele fez foi me pedir o meu nome, identidade, CPF e endereço, não quis dar e disse a ele, já que tenho que passar meus dados , o senhor também tem que passar os seus, em seguida ele bate com força a mão esquerda no peito lado direito de modo intimidatório e com isso arranca a tarja e mostra seu nome e diz: meu nome é sargento Guimarães moro em Santa Cruz, eu não queria dar os meus dados, nisso vira o "oficial de dia" (que não é oficial) e ele diz se não desse os meus dados que seria enquadrado em desobediência policial, devido ficar em dúvida preferi passar meus dados e disse a eles vocês querem meus dados para me rastrear e justificar a invasão de minha minha residência.
Aproximadamente às 12h:30min fui encaminhado ao Major PM /2 para relatar o fato, nisso me deu uma crise de choro devido estar super revoltado por sofrer violência policial em minha própria residência, em seguida o referido major disse a mim para fazer o serviço e apresentar a nota fiscal a ele que a PMERJ iria ressarcir meu prejuízo e passou o número de seu celular para eu entrar em contato e complementou vou mandar um tenente ir à sua casa tirar as fotos da janela, respondi tudo bem,  trinta minutos após, aparece o tenente PM e pergunta a mim , o senhor está de carro, respondi não estou de bicicleta , ele então fala o senhor vai na frente daqui a pouco estou chegando lá, respondi tudo bem; depois de algum tempo chegou o tenente PM na viatura com alguns policiais, o tenente veio em minha direção, pois já estava aguardando no portão, solicitei ele para entrar e tirar fotos de minha janela, ele tirou duas fotos, convidei ele para entrar no interior de minha casa para ele vê que estava toda revirada e com local forrado no chão no segundo pavimento, pedi para ir no terraço , ele olhou , olhou e na descida falou para mim, o senhor faz o serviço e apresenta a nota fiscal no batalhão, mas para não ficar exposto sugiro ao senhor ligar para mim , aqui está o numero de meu celular ou liga para o major que havia me dado o número de seu celular, disse a ele está bom.


Capitão da PM comandava "narcomilícia".

Dois dias após a invasão de minha residência fui à corregedoria formalizar o fato, na corregedoria fui informado que a PMERJ não iria ressarcir NADA, o que seria feito é uma " VAQUINHA" entre eles para ressarcir meu prejuízo.



Após denunciar eles meu muro, portão e janela no quintal a cinco metros aproximadamente da rua foi alvo de tiros.

Obs: Minha casa todas as cinco portas foram abertas com chaves MIXAS, entre cinco e oito horas da manhã, permanecendo por até duas horas no interior da mesma. Todas as três vezes quando estavam de serviço, minha rua tem aproximadamente 100 metros e 16 casas, todos os vizinhos me conhecem, pois moro no local há 36 anos e não tenho envolvimento com nada de errado, minha a casa só tem duas entradas e duas saídas que são a porta da cozinha nos fundos e a porta da sala na frente, não tem como entrar ou sair por cima, isto é pelo terraço, devido minha casa ter parede direto nos lados e fundos, a não ser se for "homem aranha".


Se alguém invadisse a casa de algum policial estaria preso de imediato, perderia seu emprego e salário, enquanto os policiais que cometeram o mesmo crime em minha residência continuam impunes, trabalhando normalmente como nada tivesse acontecido,  acho isso um absurdo, diante de tal invasão não concordo que um policial seja preso por transgressão disciplinar enquanto outros cometem crimes em cima de crimes e estão isentos da lei,  logo a constituição não é para todos, isto é, tem que ser direitos iguais para todos sem exceção..




Em nome da democracia, constituição, código penal civil, código penal militar, juramento do policial militar, lema da PM "SERVIR e PROTEGER, a quem eu não sei, direitos humanos , Estatuto do Idoso e outros desejo a expulsão dos três PMs envolvidos diretamente e prisão de trinta dias aos demais envolvidos indiretamente como o cabo que entrou no meu quintal e os policiais que estavam na viatura, os que agiram com corporativismo, cumplicidade e conivência praticados pelos invasores.


Hoje faz um ano, quatro meses e treze dias, tempo mais que suficiente para uma diligência e investigação sobre o caso, e até o momento não sei o motivo da invasão de minha residência e as providências tomadas, a PMERJ tem o dever e obrigação de me informar todo procedimento.

Rio de Janeiro, RJ , 11 de julho de 2020

4 comentários:

  1. Não gosto de criticar a polícia, única arma permitida para se antepor aos criminosos e nos proteger. Se extinguir a polícia, como pretendem os esquerdistas, nós estaremos no espeto, sendo assados e até comidos crus mesmo. Mas, que tem muita corrupção na corporação lá isso tem, e muita. Veja o caso do arco metropolitano, onde os assaltos são tão frequentes que muita gente deixa de passar pela ótima e cara rodovia. Quando passo por lá e vejo o crescente número de postes derrubados por bandidos, que retiram as baterias do sistema de iluminação por placas voltáicas, faço associação com uma imagem terrível de uma floresta derrubada. São dezenas de postes derrubados. Imagino o trabalho que isso dá para os bandidos. E me ocorre que tem alguém receptando essas baterias e colocando à venda. E isso não pode ser feito sem chamar a atenção. Só a polícia não vê? Me lembro de um caso que me foi relatado há anos por um amigo que teve um parente sequestrado e procurou a polícia. A polícia exigiu uma grande quantia em dinheiro para procurar a vítima, alegando que os sequestradores tinham pago outros policiais para apoiar a ação de sequestro e eles teriam muito mais trabalho por isso.

    ResponderExcluir
  2. Que absurdo isso ! (2) Uma estoria surreal, quase kafkiana.
    Meu Deus... fico tao indignado quanto voce, ser invadido e intimidado por elementos desses... triste !
    Minha sugestao eh mudar desse local, a vida eh mais importante. Nao creio na justica dos homens, somente na de Deus. Se apegue a Ele, que nao ha decepcao. Vou orar por voce, mesmo desconhecendo completamente sua realidade, para que Deus te proteja e te de sabedoria.

    E a narrado pelo Antonio Pegorer ai acima, outro absurdo. Espantoso o povo brasileiro acostumar com esse nivel de degradacao geral, de pagar muito e receber pouco. Enfim... so o Senhor na causa !

    ResponderExcluir
  3. pq policiais insistem em combater o crime com crimes? deixa a sociedade desfrutar de suas leis. só quem vive em favela sabe da realidadde desse texto

    ResponderExcluir